sexta-feira, 24 de setembro de 2010

ELEIÇÕES NA FPO: PROGRAMA ELEITORAL DA LISTA A

.

.

LISTA A
2010- 2012

PROGRAMA ELEITORAL

MOTIVAÇÃO

Vamos transformar a Orientação no nosso pais no Desporto o Século XXI !!! Vamos utilizar toda a nossa inteligência, força, persistência e espírito de “conquista” para que a Orientação ganhe:
Dimensão
Atitude
Ambição

A equipa concorrente aos órgãos da FPO entende a Orientação como um desporto sustentável, como o desporto da família, como o desporto da inclusão, como o desporto da natureza…. como a nossa paixão!!!
Seremos humildes, seremos tenazes, seremos persistentes e acima de tudo seremos leais com agrande família Orientista.


OBJECTIVOS

A curto prazo (3 meses-6 meses) propomo-nos reatar o diálogo construtivo com todos os agentes da modalidade, levantar o ânimo aos nossos agentes desportivos (clubes, atletas, técnicos, funcionários, voluntários, ...), investir na constituição de uma equipa multidisciplinar profissional leve e ágil de suporte à modalidade (eventos, formação, administração,...), normalizar o registo de todos os praticantes da modalidade. Propomo-nos também normalizar a vertente competitiva através da aprovação dum Regulamento de Competições que dê resposta aos problemas mais prementes.

A médio prazo (6 meses-12 meses) propomo-nos reformar toda a regulamentação da modalidade no sentido de a tornar leve e inquestionável, propomo-nos construir, apresentar e negociar as propostas de financiamento dos nossos projectos de desenvolvimento desportivo e de eventos internacionais, propomo-nos desenvolver uma imagem agradável que comunique a Orientação com qualidade e relevo, normalizar e/ou reforçar as relações com os Organismos Públicos que são nossos parceiros.

A longo prazo (12 meses-24 meses) propomo-nos normalizar a alta competição e as selecções nacionais, propomo-nos desenvolver a vertente da economia da Orientação com parceiros credíveis e experientes, propomo-nos afirmar internacionalmente a Orientação, propomo-nos desenvolver novas candidaturas a grandes eventos internacionais.


MEDIDAS

Nos meios financeiros e materiais
- Criar proveitos financeiros decorrentes dos fluxos de capitais negociando boas taxas junto dos bancos.
- Aceder a capitais de investimento com taxas favoráveis.
- Exigir da tutela as contrapartidas financeiras normais que são concedidas às outras federações (normalmente acima de 10% do fluxo financeiro).
- Utilizar com normalidade e inteligência as ferramentas fiscais: do mecenato (extraordinariamente importante) e do donativo de imposto em sede de IRS.
- E procurar no sponsoring tornar-se atractiva para os parceiros comerciais - pequenos ou grandes, todos são de extrema importância para o desenvolvimento da modalidade.

Com vista a:
• receber condignamente os novos praticantes;
• dar o apoio necessários aos praticantes regulares,
• criar oportunidade de dar retorno efectivo aos patrocinadores e apoiantes do evento,
• criar condições para interagir com as populações locais estabelecendo laços e visibilidade para a modalidade.

Os meios mínimos que preconizamos são:
• 1 veículo (tipo autocaravana) para secretariado móvel da FPO (destinado sobretudo aos novos praticantes mas não só);
• 1 veículo (tipo autocaravana) para apoio social (destinado a babysitting e recepção a portadores de deficiência);
• 1 veículo (tipo autocaravana) para Apoio Sanitário (destinado a servir de Posto Médico - exames médicos. e resposta secundária a acidentes);
• 1 veículo de transporte de apoio logístico - produção de energia e transporte de estruturas metálicas e toldos;
• 1 grande tenda para o centro de recepção com infra-estrutura para suportar o secretariado da prova e espectadores sentados;
• 1 ecrã adequado à dimensão da tenda para apresentação de resultados, vídeos e simuladores de prova (tipo Follow My Team, Ori-Live, MultiSport Live,…)

Nos meios humanos
• Secretário Executivo - 1 colaborador a tempo inteiro (CTI);
• Secretário da Direcção - 1 colaborador a tempo inteiro (CTI);
• Responsável Técnico Arenas - 1 colaborador a tempo inteiro (CTI);
• Responsável Técnico de Formação - 1 colaborador a tempo inteiro (CTI);
• Responsável Técnico de Marketing e Comunicação - 1 colaborador a tempo inteiro (CTI);
• Responsável Técnico de Alta Competição - 1 colaborador a tempo inteiro (CTI);
• Responsável Médico - 2 colaboradores a tempo parcial (CTP);
• Técnicos de Arenas e Marketing - 2 colaboradores a tempo parcial (CTP).

Na sua notoriedade e relevância económica
- Apresentação obrigatória de candidaturas das provas internacionais da FPO à obtenção de financiamentos junto das seguintes entidades: - IDP, ITP (Turismo de Portugal), agências de desenvolvimento regional e local, Governos Civis e naturalmente às autoridades locais (Câmaras e Juntas de Freguesia).
- Construção e oferta de pacotes turísticos (em parceria com os operadores locais) para os estrangeiros com a criação de mais valias financeiras para a modalidade.
- Criação e distribuição de media kits e respectivos press releases, obrigatórios para todos os eventos internacionais e das Taças de Portugal (de tipo standard a definir pela FPO) pela imprensa nacional, especializada, regional e local (só para os meios das zonas de interesse).
- Estabelecimento de parcerias com empresas e marcas desportivas nacionais para o desenvolvimento de produtos adequados para a Orientação. Esta parceria deverá ser estabelecida no âmbito das selecções nacionais que serviram de laboratório de ensaio e desenvolvimento dos produtos, com óbvias vantagens para as selecções e para a modalidade.

No relacionamento institucional
-Normalização do relacionamento com o IDP, corrigindo as incorrecções referidas no estudo prospectivo e renegociando os planos de financiamento face a esta nova realidade.
- Desenvolvimento de um estudo aprofundado dos últimos 5 anos da modalidade (2005-2010) (o estudo prospectivo será um bom ponto de partida).
- Realização de uma cerimónia formal de tomada de posse dos novos órgãos da FPO com o endereço de convites a todas as instituições do desporto, as federações desportivas e as restantes partes interessadas da Orientação.
- Nomeação de representantes oficiais da FPO em todos os órgãos nacionais e Internacionais em que tem direito a assento.
- Candidatura a fundos especiais para a representação internacional das federações desportivas.
- Estabelecimento imediato de contactos com a CPLP, com a Federação de Orientação de Moçambique e com a Confederação Brasileira de Orientação para a realização de uma cimeira de fundação de uma Associação Lusófona (ou Lusíada) de Orientação.

No relacionamento com o nosso público
- Criar uma classe de filiação de Formação/ Aperfeiçoamento onde se integrarão todos os actuais não filiados e os futuros praticantes.
- Reformular os actuais OPTs de forma a cumprir os objectivos de formação e aperfeiçoamento que se estabelecerem para esta nova classe.
- Criar uma nova classe de filiação de Iniciação para jovens do 1º e 2º ciclos, que se irão captar sobretudo junto do Desporto Escolar.
- Criar um Projecto Especial no âmbito do Desporto Escolar, denominado O-AVENTURA, em que a Orientação e as Multi-actividades (Corridas de Aventura) se apresentem aos jovens de um modo muito simplificado e divertido.
- Implementar na Orientação um programa de voluntariado, enquadrado pelo Secretariado
Nacional para o Voluntariado.
- Implementar na Orientação um Regulamento de Mecenato atractivo para pessoas singulares e colectivas.
- Implementar na Orientação um programa de Novos Talentos que potencie a utilização plena e correcta dos apoios ao desporto juvenil.
- Criar um cartão de descontos de Participante/Família Frequente que permita o usufruto de benefícios vários (por ex: wireless Gratuita na Arena, babysitting, descontos nas inscrições, descontos no catering, ...).

No relacionamento com as entidades que nos apoiam
- Estabelecer acções de sensibilização e formação que permitam criar interesse e vocações em líderes e técnicos locais de modo a criar um efeito multiplicador na população.
- Estabelecer com as IPSS do local parcerias para levar os deficientes e os idosos a experimentar a Orientação em percursos adequados à sua mobilidade (Trail-O e Marchas de Orientação).
- Explorar sempre que possível a hipótese de lançamento de protocolos de colaboração ou contratos-programa com os municípios que envolvam o desenvolvimento de infra- estruturas (mapas) e de actividades (provas, acções de sensibilização, cursos de formação e iniciativas turísticas).
Para que estes objectivos sejam devidamente alcançados devem-se desenvolver:
• criação de um caderno de encargos tipo para todas as tipologias de actividade, de forma a que os vários negociadores da Orientação (FPO e Clubes) falem uma mesma linguagem quando se apresentam às entidade locais ou regionais;
• criação de um mecanismo automático de coordenação permanente de esforços entre negociadores para evitar sobreposições e conflitos de interesses;
• criação dum Caderno de Procedimentos para a Realização e Manutenção de “Infraestruturas Desportivas” da Orientação (Mapas);
• criação de um manual de Realização de Acções de Sensibilização e de Formação Inicial que homogeneíze a forma como a Orientação é apresentada a nível nacional.

No relacionamento com os media
- Privilegiar o impacto mediático local e regional em detrimento do impacto nacional.
- Incentivar a visita dos jornalistas aos locais de prova e proporcionar-lhes as melhores condições de trabalho, envolvendo nisso as entidades locais.
- Estabelecer um plano de comunicação coerente e viável.
- Identificação clara das marcas a divulgar, por ex: "Orientação" e "Aventura".
- Criação dos grande "chavões" da modalidade, por ex: "Orientação é Saúde", "Aventure-se Naturalmente", "Sustentabilidade Orientada pela Aventura", “Sinta a Aventura”, “Pratique Orientação”, ...
- Criação de modelos de comunicação ("templates") a ser utilizados por todos os agentes da modalidade para simplificar a vida aos meios e aos colaboradores.
- Disponibilização on-line de texto, foto e vídeo com qualidade para ser utilizada directa e autonomamente pelos meios.
- Criação de oportunidades de formação dos jornalistas e chefias na prática de Orientação: por exemplo: promovendo uma actividade anual para a Imprensa em conjunto com a Associação de Imprensa e Sindicato dos Jornalistas.
- Formação dos agentes da modalidade em comunicação e relações públicas.
- Criação de um protocolo de comunicação de crises/acidentes à imprensa.

Como investimento no futuro devemos
- Colar a imagem da Orientação a pessoas felizes e saudáveis de todas as idades.
- Acolher idosos e deficientes no seio da Orientação com dignidade e respeito, fazendo disso imagem de marca.
- Equilibrar a participação em termos de género (masculino/feminino) na prática da Orientação.
- Destacar o ambiente de prática desportiva em família utilizando os excepcionais exemplos que temos para apresentar.
- Apostar fortemente no planeamento: FPO, Clubes e atletas de alta competição devem ter objectivos e planos de acção bem determinados.
- Apostar na diversificação da oferta, segmentando as acções para públicos diferentes e com objectivos diferentes.
- Apostar na maximização da oferta de actividades simples que gerem impactos positivos nos utilizadores e vontade de aprender a resolver problemas (provas) mais difíceis.
- Apostar na maximização da exposição da nossa prática desportiva, incentivando os nossos “apaixonados" a partilharem nas redes sociais as suas experiências pessoais e criando interesse e curiosidade nas suas comunidades virtuais (hoje o poder do "boca a boca" é global).


VAMOS SER O DESPORTO DO SÉCULO XXI
.

Sem comentários: