segunda-feira, 14 de junho de 2010

III TROFÉU TAPETE ESTÁ NA RUA 2010: TIAGO ROMÃO E LENA CORADINHO TRIUNFAM EM ARRAIOLOS

.

Pelo terceiro ano consecutivo, a Orientação marcou presença nas festividades d’ “O Tapete Está na Rua”, encontro de saberes e sabores à volta do Tapete de Arraiolos. Fazendo jus à condição de favoritos, Tiago Romão e Lena Coradinho foram os grandes vencedores do III Troféu Tapete está na Rua 2010.


Os historiadores referem o século XVII como o período em que surgiram os primeiros tapetes de Arraiolos. Bordados em lã, com um ponto de costura com o mesmo nome, terão sido fruto da curiosidade de artesãs isoladas ou do trabalho conventual alentejano. Com o passar do tempo, o tapete de Arraiolos tornou-se na imagem de marca da bonita vila alentejana, levando-a aos quatro cantos do mundo na harmonia dos seus conjuntos e no colorido dos seus desenhos.

Mas os tapetes de Arraiolos fazem igualmente as delícias dos amantes da Orientação. Não os tapetes convencionais de que atrás se fala, bordados sobre uma tela de juta, algodão ou linho, mas os tapetes verdejantes dos seus campos a perder de vista, bordados de mil flores, de mil amores. Aí se desenham percursos verdadeiramente colossais, em mapas de excepção, fruto do labor organizativo dum punhado de homens e mulheres que, à sua maneira, elevam também eles o nome de Arraiolos, espalhando-o por esse mundo fora.

João Mega Figueiredo vence primeira prova

Foi no âmbito das populares festividades arraiolenses que, uma vez mais, o Clube de Orientação da Gafanhoeira – Arraiolos ergueu sobre si a responsabilidade de organizar o III Troféu Tapete está na Rua 2010. Pontuável para a Taça FPO Continente 2009/2010, o evento contou com a participação de 230 atletas, distribuídos por 20 escalões de competição e por quatro escalões abertos. O vector competitivo foi composto por duas etapas de Distância Média e marcou igualmente o regresso do Campeonato Regional Sul de Estafetas, após um ano de interregno.

O Troféu abriu na manhã de sábado, com uma prova de Distância Média no mapa novo de Bardeiras NO, cartografado e produzido em Setembro de 2009 por Janne Weckman, Mário Rodriguez e Antti Harju, uma continuidade do tão badalado mapa com Cartografia Nórdica que serviu de ensaio ao “Meeting Internacional de Arraiolos”. Num terreno com muitos detalhes rochosos, muito plano e onde era possível correr bastante rápido, João Mega Figueiredo (CN Alvito) teve uma prestação impressionante, percorrendo os 6,2 km do percurso em 27.24 e batendo nomes consagrados como os de Tiago Romão (COC), Campeão Nacional em título de Distância Média, Distância Longa e de Estafetas, ou dos “europeus” Joaquim Sousa (COC), Jorge Fortunato (Ori-Estarreja) ou David Sayanda (GafanhOri). No sector feminino, Lena Coradinho (GafanhOri) alcançou confortável triunfo sobre Anabela Vieito (COC) e Adelindina Lopes (Equipa Militar), as suas mais directas adversárias.

Emoção até ao final

Da parte da tarde assistiu-se à realização do Campeonato Regional Sul de Estafetas, com a estreia de mais um mapa, o de Bardeiras Sul, da autoria dos já referidos Weckman, Rodriguez e Harju. Após uma sempre espectacular partida em massa, pode-se assistir a um duelo muito interessante até ao final entre a equipa do COC e a Equipa Militar (não oficial, por incluir elementos de diversos clubes). A prova teve um final absolutamente impróprio para cardíacos, acabando por se decidido praticamente ao sprint, com Albino Magalhães a conseguir segurar a vantagem depois de uma extraordinária recuperação de Tiago Romão. O título regional de Estafetas acabou, apesar de tudo, nas mãos do COC, tendo a equipa do GafanhOri (com três atletas juniores) ficado na segunda posição e cabendo o 3º lugar ao Clube Ori-Estarreja. No sector feminino, um ‘mp’ de Lena Falcão retirou ao GafanhOri a possibilidade de chegar ao título, disso se aproveitando o Clube Ori-Estarreja, graças às prestações de Sandra Barbosa, Olga Pirrolas e Manuela Nogueira.

O derradeiro dia de provas começou com um contratempo, obrigando à deslocação da Arena, sem que o facto acarretasse quaisquer problemas ao traçado dos percursos. Num terreno completamente diferenciado e particularmente desafiante, na zona mais a Este do mapa de Distância Longa do Meeting de Arraiolos (onde apenas os percursos maiores desse evento passaram na altura) teve lugar então a segunda prova de Distância Média. Apenas inscrito no segundo dia e partindo na última posição, Pedro Nogueira (ADFA) foi o grande vencedor ao bater o que parecia um tempo "impossível" de Tiago Romão por um escasso segundo. No sector feminino, Lena Coradinho voltou a ser a mais forte, batendo desta feita Lídia Magalhães (Equipa Militar), tal como na véspera por larga margem.

Resultados
Seniores M A

1º Tiago Romão (COC) 1981.5
2º João Mega Figueiredo (CN Alvito) 1894.9
3º Tiago Gingão Leal (GafanhOri) 1868.8
4º David Sayanda (GafanhOri) 1862.9
5º Joaquim Sousa (COC) 1797.0
6º Armando Sousa (Equipa Militar) 1753.8
7º Paulo Franco (COC) 1732.3
8º Pedro Duarte (Equipa Militar) 1687.3
9º Jorge Correia (Equipa Militar) 1683.7
10º Alberto Branco (Equipa Militar) 1578.7

Seniores F A
1º Lena Coradinho (GafanhOri) 2000.0
2º Adelindina Lopes (Equipa Militar) 1551.4
3º Suati Almeida (Equipa Militar) 1444.5
4º Lídia Magalhães (Equipa Militar) 873.9
5º Florbela Ribeiro (Caminheiros Portela) 868.5
6º Anabela Vieito (COC) 826.0
7º Carla Carvalho (Equipa Militar) 617.6
8º Olga Pirrolas (Ori-Estarreja) 380.2

Outros escalões
Infantis M/F – Pedro Pereira (GafanhOri) e Rita Prates (GafanhOri)
Iniciados M/F – João Pedro (GafanhOri) e Catarina Reis (ADFA)
Juvenis M/F – Filipe Augusto (ADFA) e Patrícia Arromba (COAC)
Juniores M/F – Jorge Coelho (GafanhOri) e Vera Alvarez (CPOC)
Seniores M/F B – Miguel Gualdino (COAC) e Catarina Santos (Clube EDP)
Veteranos I M/F – José Manuel Martinez (Adolince) e Erminia Farenfield (CAOS)
Veteranos II M/F – Mário Marques (COA) e Assunção Almeida (GafanhOri)
Veteranos III M/F – Manuel Dias (Individual) e Ana Carreira (Individual)
Veteranos M/F B – Sérgio Mónica (CIMO) e Paula Ferreira (COA)

Algumas opiniões

“O Gafanhori tem-nos vindo a habituar a excelentes organizações, bons terrenos, bons mapas e traçados. É com muito agrado que vejo o empenho dos elementos da organização, em geral, a trabalharem para que os atletas se sintam bem no concelho de Arraiolos e com vontade de voltar. O evento em causa foi, sem dúvida, fascinante, com Arenas bem preparadas (mesmo com as dificuldades que surgiram), um ‘speaker’ à altura dos acontecimentos e o convívio nas horas que interrompem as competições. As estafetas no sábado à tarde e duas Distâncias Médias em terrenos muito variados contribuíram para um fim-de-semana agradável e muito bem passado."
João Mega Figueiredo

“Este fim-de-semana o GafanhOri brindou-nos com mais três etapas de elevada qualidade. Mapas rápidos com zonas ricas em pormenores técnicos rochosos foram um verdadeiro quebra-cabeças. Os mapas são excelentes e sinto-me já mais à vontade com este tipo de cartografia. Estou certo que poderiam inclusive ser utilizados para treinar para provas de Sprint, esta que é uma disciplina na qual deveríamos apostar mais em Portugal já que é aquela em que temos maior possibilidade de obter resultados internacionais. Gostei do traçado da prova de Estafetas, com pernadas longas e boa dispersão dos atletas, foi um prazer competir assim! O resultado esteve à vista com duas equipas a baterem-se na meta ao segundo. Pessoalmente penso que a primeira etapa poderia ter menos 4 a 5 pontos. Existem pernadas que se poderiam tornar mais interessantes se fosse removido um ou outro ponto intermédio. A organização esteve mais uma vez irrepreensível, com o ‘speaker’ a fazer um trabalho fundamental ao dar vida e emoção às arenas. Mais uma vez obrigado e até breve!”
Paulo Franco

“Penso que já não existe qualquer tipo dúvida acerca da qualidade organizativa do GafanhOri - quer sejam provas locais ou internacionais! -, mas nunca é demais salientar o que foi feito pelo Gafanhori mais uma vez. Gostei bastante do mapa, tanto do Sábado como do Domingo, e só é mesmo pena que a prova do Domingo tenha sido tão curta pois o mapa era mesmo muito agradável e um constante desafio. Gostaria também de destacar o facto do GafanhOri se ter proposto a organizar o Regional Sul de Estafetas, pois apesar da fraca adesão que esta vertente normalmente tem, para mim as Estafetas são a disciplina de maior espectacularidade da Orientação. Um muito obrigado ao GafanhOri por mais este excelente fim-de-semana de Orientação!”
Tiago Romão

Resultados completos em http://www.gafanhori.pt/ter10/resultados.html

[foto gentilmente cedida por César Conceição]

Saudações orientistas.

JOAQUIM MARGARIDO
.

2 comentários:

antunes disse...

Bom Dia;

Tive o privilégio de estar presente somente no 1º dia, e estou plenamente de acordo com o que disseram alguns dos participantes que se pronunciaram sobre este evento e por isso também o meu muito obrigado á organização.
Terrenos interessantíssimos(talvêz demasiado rápidos),e mapas fantásticos.Sobre os mesmos e sem retirar nada ao que atráz escrevi, acho que é muito discutível a diferênça(ou não diferênça) entre os pontos de cota(pelo menos alguns)que estão marcados no mapa e aquilo que salta á vista no terreno para quem vai em progressão.Eu pelo menos via pedras em quase tudo semelhantes a tantas outras.Talvêz seja por isso que decidiram chamar a este tipo de cartografia, Nórdica já que no restante, não vejo quaisquer diferênças.
Também penso que não nos devemos iludir com os tempos efectuados pelos melhores atletas presentes, mas sim tentar entender o porquê dos sucessivos insucessos quando se deslocam para as participações internacionais.É preocupante para quem gere a modalidade?Têm procurado em sintonia com os clubes, treinadores e atletas causas e soluções para este impasse?A mim não me parece.

Cumprimentos
Rui Antunes-COC

José disse...

Só me posso referir à 1ªjornada da manhã de Sábado.

Quanto à organização podemos considerá-la melhor que muitas da Taça, muito boa para uma prova regional. Boas organizações são apanágio do Gafanhori.

O terreno plano, aberto com pernadas curtas a vermos à distância o pessoal a picar, formarem-se molhadas... bem, assim não hà grandes erros técnicos, proporcionando boas corridas e melhores tempos a quem tem pernas.

Mas não se iludam, porque nos terrenos do Mezio ou Miranda a realidade é outra, isto para não falar do estrangeiro, aqui é que a porca torce o rabo.