quarta-feira, 14 de abril de 2010

DUAS OU TRÊS COISAS QUE EU SEI DELA...

.
1. UMA SEMENTE QUE FICOU POR LANÇAR
Na tarde quente da vila, o anfiteatro verdejante do Jardim Municipal de Vinhais foi um verdadeiro oásis para todos quantos participaram no Campeonato Nacional de Sprint do passado sábado. Ali estavam, numa animação festiva, cerca de meio milhar de pessoas vindas de todo o País. Todavia, em boa verdade, a população de Vinhais esteve ausente do evento e professores e alunos das escolas de Vinhais e dos concelhos limítrofes perderam uma excelente oportunidade de contactar com a modalidade. Ora, do meu modesto ponto de vista, este particular aspecto marca sempre pela negativa toda e qualquer prova de Orientação. A verdade é que as entidades organizadoras, salvo raras e honrosas excepções, continuam a não incluir no seu “caderno de encargos” aquilo que constituiria um verdadeiro “lançar da semente”, desperdiçando oportunidades únicas de promover e divulgar a modalidade. Fica, como diria Américo Pereira, Presidente da Câmara Municipal de Vinhais, a “breve estadia na nossa terra”. E, naquilo que me toca, o desejo de voltar para melhor conhecer uma região que vale a pena!

2. DANIEL PIRES, O GRANDE OBREIRO
Daniel Pires anda na Orientação há cerca de vinte anos, já assistiu a grandes organizações, mas também já viu algumas menos conseguidas, seguramente. Na qualidade de Director da Prova, considera o balanço destes Nacionais “bastante positivo”, embora com a noção “de que houve pequenas falhas, como as haverá, sempre!” Em termos pessoais, “é claro que estou muito feliz! Depois de tantos dias a preparar tudo, parece-me que a ADFA e todas as pessoas que a representam, estão de parabéns.” A terminar, lacónico: “Quanto ao facto de ser Director, prefiro muito mais o papel de atleta...” O Orientovar gostaria de cumprimentar publicamente Daniel Pires, transmitindo-lhe uma palavra de admiração e apreço pelo hercúleo trabalho que desenvolveu. Na verdade, percebeu-se o seu “dedo” em todo a máquina organizativa e foi possível vê-lo, ao longo do fim-de-semana, desdobrando-se em múltiplas tarefas para levar a bom porto uma prova que assumidamente, foi sua. Registe-se ainda a emoção e o carinho com que as gentes da terra falaram dele, numa demonstração de gratidão verdadeiramente tocante. Para o Daniel Pires vai um forte abraço de parabéns pelo seu esforço e pela demonstração de amor a uma terra que é a sua, Vinhais!

3. DÚVIDAS
Que falhas houve nestes Nacionais, disso ninguém duvida. Os dedos acusadores à Cartografia e ao Traçado de Percursos, sobretudo na prova de Distância Média, são muitos e partem logo dos próprios Campeões Nacionais. A verdade desportiva foi colocada em causa? A justiça dos resultados merece contestação? Estas e outras questões estão aí à consideração de todos. Uma coisa é certa e, sobre essa, gostaria de me pronunciar publicamente. Nos patamares competitivos mais elevados, a nossa modalidade está a evoluir duma forma surpreendente. O trabalho desenvolvido ao nível dos Grupos de Selecção é o grande responsável pelo acréscimo no grau de exigência dos nossos melhores atletas, o que se saúda e deve reconhecer como altamente meritório. Daí os reparos - construtivos, diga-se! - que se vão multiplicando, visando melhorar aspectos que, efectivamente, devem ser melhorados. E aqui as perguntas impõem-se: Estarão as organizações de provas, na sua generalidade, a acompanhar este crescimento? Cartógrafos, Traçadores de Percursos e Supervisores das Provas, começarão a estar ultrapassados pelo desenrolar dos acontecimentos? Um certo conservadorismo, garante para alguns dos princípios da modalidade, estará a constituir entrave a todo este processo evolutivo? Eis um belo tema de reflexão!

4. MAIS UM ATROPELO AOS REGULAMENTOS (?)
Ao tomar conhecimento do título nacional colectivo de Distância Média, no escalão de Veteranos III, assalta-me uma dualidade de sentimentos. Por um lado, é com natural satisfação que vejo o clube GafanhOri- Clube de Orientação da Gafanhoeira – Arraiolos, ser premiado, sobretudo tendo em conta a beleza de ver três “jovens” como o Ronald, o Norman e o Reyes unidos pelo espírito da Orientação no lugar mais alto do pódio. Todavia, há aqui um aspecto que me parece importante esclarecer e que tem a ver com aquilo que diz o Regulamento de Competições da Federação Portuguesa de Orientação relativo à época de 2009/2010 (versão 2 – corrigidos pequenos erros em 22 Out 2009). No seu Capítulo III – Campeonatos Nacionais, Secção I – Campeonatos Nacionais de Distância Longa, de Distância Média e de Sprint, Artigo 27º - Campeonatos Nacionais, o ponto 7 parece-me suficientemente explícito e reza assim: “Atletas estrangeiros mesmo que filiados na FPO não são classificados em nenhum dos Campeonatos Nacionais individuais (incluindo o Absoluto), podendo participar extra-competição. Não participarão também na classificação de clubes para apurar o clube campeão em cada categoria. A sua pontuação será incluída nos rankings individuais e colectivos, desde que sejam filiados na FPO.” A palavra aos senhores Presidente da Federação Portuguesa de Orientação e ao senhor Supervisor da Prova, a fim de esclarecerem o porquê de terem permitido a atribuição do prémio. E se é para cumprir o que dizem os Regulamentos e retirar o título ao GafanhOri, não posso deixar de manifestar desde já o meu lamento. O Ronald, o Norman e o Reyes não mereciam tamanha “gaffe”!

5. LOUVOR DA SEMANA
Foram momentos de particular emoção, aqueles vividos aquando das prolongadas ovações a Joaquim da Costa, o “veteraníssimo” Campeão Nacional de Sprint e de Distância Média 2009/2010. A sua força, coragem e determinação são uma autêntica lição de vida e constituem insuperável exemplo para todos. A 48 horas de ser submetido a uma delicada intervenção cirúrgica , o Orientovar envia-lhe uma palavra de alento em mais uma grande prova, na certeza de que saberá superá-la com a mesma força, determinação e coragem com que tem enfrentado toda e qualquer prova no seu dia-a-dia. É para este notável campeão que vai, muito justamente, o Louvor da Semana!

Saudações orientistas.

JOAQUIM MARGARIDO
.

7 comentários:

José disse...

Quero associar-me ao LOUVOR DA SEMANA,desejando ao meu companheiro de escalão e amigo, JOAQUIM DA COSTA que ultrapasse com êxito essa outra prova a que vai ser sujeito.
Queremos vê-lo, rapidamente, de novo na floresta.
Ele é um exemplo para todos.
Um abraço.
José Grada

Ricardo Telmo disse...

Um grande Abraco ao Joaquim Costa, e que volte depressa com o seu alto espirito e boa disposicao!

R.F.
UK

José disse...

Um homem com prestígio na orientação, organiza uma prova no distante nordeste transmontano, louvemos o seu esforço.
Concluímos que essa prova não contribuiu, minimamente para a expansão da modalidade a nível local ou distrital,
é uma frustração...
Onde estavam os profs de educação física e os alunos das escolas do distrito de Bragança?
Perderam uma oportunidade única de contactar com a modalidade.
É uma pena!

antunes disse...

Tendo em conta a obrigatoriedade da apresentação do mapa homologado e percursos aprovados pelo Supervisor com 30 dias de antecedência para provas da taça de Portugal o Departamento de Cartografia com o aval da Direcção da FPO, convida todos os cartógrafos a partir do nível III para fazerem parte dum pacote que divulgamos aos clubes com o intuito destes estarem a qualquer momento familiarizados com o nível, qualidade de trabalho, contacto e disponibilidade de cada um. Naturalmente que o mercado continuará a ser livre e os clubes contratarão quem muito bem entenderem, deixando no entanto de servir como justificação a falta de cartógrafos disponíveis para o não cumprimento dos prazos exigidos e que atrás referimos, assim como para o grau de excelência ao nível de qualidade dos mapas que este Departamento irá exigir.

Qualquer cartógrafo de nível III ou superior que pretenda ser incluído nesta lista, deve fazer o pedido para o Departamento de Cartografia da FPO.

Foi assim que no ano de 2006 e na altura em que era um dos responsáveis(infelizmente o único) do Departamento de Cartografia, sugeri que fosse e foi criado um pacote de cartógrafos, com o objectivo de tentar terminar um longo período em que praticamente todos os trabalhos de cartografia, estavam confinados a apenas um cartógrafo, quando e como se veio a provar havia outros com a mesma qualidade em Portugal.
Esta introdução a propósito de um dos temas colocado e muito bem à discussão e que se prende com a qualidade da Cartografia em determinados mapas de determinadas provas.
Todos sabemos que o caminho mais fácil neste como noutros casos, é continuar a ignorar as críticas e seguir o mesmo caminho até nos voltarmos de novo a deparar com as mesmas situações.Eu chamo a isto no caso da orientação deixar-mo-nos empobrecer alegremente.
Todos nós cartógrafos, organizadores, supervisores, directores, etc estamos expostos sempre que fazemos algo.Mas não podemos igualmente colocar um cartógrafo em igualdade de circunstâncias com os outros agentes da modalidade, na medida em que o seu trabalho é devidamente pago.
Acreditem que por muito que se evolua a nível tecnológico, nunca haverá mapas perfeitos já que grande parte da sua elaboração continuará sempre a depender da perícia humana.Por consequência também será impossível encontrarmos o cartógrafo perfeito.
Mais uma vês e alguns anos passados, volto a relembrar aos clubes organizadores, que em Portugal existem vários cartógrafos com valor e que se os trabalhos forem distribuídos equitativamente entre eles, será possível uma maior exigência qualitativa de todos os mapas já que o tempo disponível para a sua elaboração será muito maior.
Termino, relembrando de novo que por muito que se tente nunca haverá um mapa perfeito"Mas que há uns melhor que outros isso com toda a certeza que haverá" e acreditem que neste trabalho como em tantos outros se aplica bem o velho ditado que diz:DEPRESSA E BEM NÃO EXISTE QUEM"

Cumprimentos
Rui Antunes

Mário Duarte disse...

boa noite, quando da entrega de prémios, constatei que algo poderia não estar bem com a classificação coletiva de vet III, imediatamente questionei o sr presidente da FPO e o sr Supervisor, os quais me indicaram que poderia entregar o prémio, como é lógico constatei depois que o não deveria ter feito, no entanto cabe à FPO ratificar os resultados, e ao abrigo do regulamento e sem atropelos ou outros elos, o título nacional de equipas em vet III irá naturalmente para o Clube TAP, eu ou o meu clube não atribuimos títulos apenas entregámos erradamente um prémio o que ainda assim lamentamos, porque como humanos que somos podemos errar.

jcsantos disse...

Nestas "andanças " da orientação sou um noviço.Mas rápidamente me apercebi de que pela sua alegria contagiante e pela sua postura lhe vinha de um tão genuíno Companheirismo, que o J. COSTA , era um elo imprescindivel na vivência nesta nossa Aldeia Global.A poucas horas de enfrentar uma "prova " de caracteristicas especiais , ao dizer : "daqui a dois mezitos cá estarei de novo " demonstra bem a FORÇA que lhe brota das entranhas.
Para ele aqui fica um meu abraço fraterno e .... ATÉ BREVE !!!
joao coelho santos

Ana disse...

Parabéns ao Joaquim Costa por mais esta vitória e este Louvor atribuído pelo "nosso" Orientovar!
Votos de rápida recuperação para nos voltar a fazer companhia, neste nosso maravilhoso desporto, por muitos e muitos...mais anos.