domingo, 28 de março de 2010

NACIONAIS ORI-BTT 09/10: TÍTULOS DE DISTÂNCIA MÉDIA PARA PAULO ALÍPIO E SUSANA PONTES

.


Estão atribuídos os primeiros títulos nacionais da presente temporada. Foi este fim-de-semana, em Oliveira de Azeméis, com a disputa do Campeonato Nacional de Orientação em BTT 2009/2010.

Disputaram-se este fim-de-semana os Campeonatos Nacionais de Orientação em BTT 2009/2010. No dia de ontem, S. Martinho da Gândara assistiu à consagração de dois estreantes nestas andanças: Paulo Alípio (COC) e Rita Madaleno (ADFA). Com efeito, Paulo Alípio não fez por menos e conquistou os dois títulos em disputa no escalão de Elite – Distância Média e Sprint – enquanto Rita Madaleno venceu a prova de Sprint. O restante título de Elite Feminina na Distância Média foi parar às mãos de Susana Pontes (CPOC / Loja das Bicicletas), pela quarta vez consecutiva. Já hoje, em Palmaz, Paulo Alípio e Rita Madaleno chegaram de novo ao lugar mais alto do pódio, desta feita na prova de Distância Longa.

Estes Nacionais ficam igualmente marcados pela lesão de Daniel Marques no primeiro dia de provas. O melhor atleta português de sempre, nº 19 do ‘ranking’ mundial e vencedor da Taça de Portugal por seis vezes nos últimos sete anos no escalão de Elite, viu-se afastado de forma bem precoce destes Nacionais e impedido de defender os seus títulos de Distância Longa e Distância Média e de alcançar, pela primeira vez na sua carreira, o título nacional de Sprint. Com ele, por inerência, abandonaram também a competição o irmão Guilherme Marques e os pais, Pedro Serralheiro e Luísa Mateus, eles que também aqui defendiam títulos nacionais.

Lama, a dura realidade

A jornada dupla de ontem abriu com a prova de Distância Média, disputada por 278 atletas, dos quais 257 distribuídos por 16 escalões de competição, 3 nos escalões de Formação e 18 nos escalões abertos. Extra-competição participaram alguns nomes sonantes da modalidade a nível mundial, casos das austríacas Michaela Gigon (1ª classificada do ‘ranking’ mundial) e Sonja Zinkl (4ª), das suíças Christine Schaffner (3ª), Ursina Jäggi (19ª) e Maja Rothweiler (22ª), da lituana Karolina Mickeviciuté (19ª) ou da britânica Emily Benham (24ª), no sector feminino. Quanto ao sector masculino, o russo Ruslan Gritsan (2º do ‘ranking’ mundial) foi a presença mais marcante em prova, devidamente secundado pelos suíços Beat Oklé (7º), Beat Schaffner (8ª) e Simon Seger (22º) e pelo austríaco Tobias Breitschädel (12º). O mapa utilizado contou com trabalho de campo e desenho de Bruno Oliveira (Maio de 2009), percursos de Bruno Oliveira, Fernando Silva e João Amorim e homologação de Alexandre Reis, o Supervisor da Prova.

A pacata localidade de S. Martinho da Gândara acordou com uma animação pouco habitual junto ao Parque de Jogos, com a enorme azáfama nos preparativos, o cuidado e atenção postos na afinação das máquinas e o salutar convívio entre todos na expectativa duma jornada inesquecível. Já no terreno e em pleno triângulo, porém, a dura realidade da lama apanhou de surpresa a generalidade dos participantes. Face às chuvadas que se abateram no Norte do País ao longo dos últimos dias, ninguém duvidava que ela estaria algures para criar problemas acrescidos à progressão. Do que não se estava à espera era de tamanha abundância. Bastava descer a um ponto mais baixo e os caminhos transformavam-se imediatamente em autênticos lamaçais ou pequenos ribeiros, pondo à prova as mais valias físicas de todos e de cada um.


Vencedores de Elite

Foi neste cenário que Paulo Alípio soube impor-se à concorrência. Com o tempo de 1.30.23, o atleta do COC alcança, como já referimos, o seu primeiro título de Campeão Nacional, batendo Mário Guterres (ADFA) por um minuto exacto e deixando José Marques, também da ADFA, a 3.18. Para Paulo Alípio este é um título que provoca “um sentimento um bocado estranho”. Concretizando: “Obviamente que é bom ganhar, mas nestas circunstância o sabor é amargo. O Daniel Marques está uns pontos acima de nós e, em circunstâncias normais, ganhava. Assim, a vitória não tem o mesmo sabor, ainda para mais sabendo que se trata dum amigo que se aleijou com alguma gravidade. Gostaria de ganhar em situação normal e com o Daniel em prova. Isso sim, seria certamente uma grande vitória.”

Quanto à Elite feminina, a prova foi dominada de forma absolutamente esmagadora por Susana Pontes que concluiu o seu percurso em 1.28.38. Só 13.53 mais tarde chegaria Joana Frazão (ADFA) enquanto Rita Madaleno (ADFA) fecharia o pódio com o tempo de 1.44.19. No final, Susana Pontes estava naturalmente satisfeita com mais um título no seu já vasto pecúlio: “Sinceramente não estava à espera, depois duma semana em que estive adoentada, a tomar antibióticos e em que ponderei mesmo não vir. A verdade é que não consigo ficar em casa sem fazer nada, vim tentar, doeram-me muito as pernas e sofri neste terreno cheio de lama. Mas claro, depois do que aconteceu, é muito bom ter ganho.”

Restantes escalões

Nos restantes escalões, realce para os primeiros títulos nacionais de Mac-Mahon Moreira (BTT Loulé) em Juvenis Masculinos e Margarida Colares (CAOS) em Juniores Femininos, enquanto João Mega Figueiredo (CN Alvito), em Juniores Masculinos, alcançou o primeiro título da sua carreira neste escalão, depois dos quatro títulos alcançados como Juvenil nas duas temporadas passadas.

Quanto aos escalões de Veteranos, sete atletas de clubes diferentes para sete títulos. Destaque para as vitórias de Carlos Simões (COALA) em H35, Ana Gomes (BTT Loulé) em D35, Leandro Silva (CN Alvito) em H40, José Silva (ATV) em H45, Alice Silva (GDU Azóia) em D45, Luís Sousa (Clube TAP) em H50 e Armando Santos (Clube EDP) em H55. Refira-se ainda que todas as vitórias terão tido um sabor especial, naturalmente, mas com diferentes nuances. As de Carlos Simões, Leandro Silva e José Silva, por terem sido alcançadas pela primeira vez; a de Ana Gomes, porque vem na sequência do seu domínio esmagador na última edição da prova; e as de Alice Silva, Luís Santos e Armando Santos, por constituírem a reafirmação da vitalidade de três atletas que no seu conjunto, são possuidores de 16 títulos nacionais e, no caso concreto de Armando Santos, por ser um título atribuído pela primeira vez com a contemplação do escalão H55 para efeitos da própria competição.

Os títulos de clubes apenas foram atribuídos em cinco escalões, com natural destaque para as vitórias de COC e ADFA nos escalões de Elite masculino e feminino, respectivamente. Em Juvenis Masculinos triunfou o CN Alvito, enquanto o CLAC venceu em Veteranos I e o Milennium BCP levou a melhor em Veteranos II.

Toda a informação sobre os Campeonatos na página oficial do evento
AQUI.

Saudações orientistas.

JOAQUIM MARGARIDO
.

Sem comentários: