segunda-feira, 29 de março de 2010

NACIONAIS ORI-BTT 09/10: PAULO ALÍPIO E RITA MADALENO SÃO OS NOVOS CAMPEÕES NACIONAIS DE SPRINT

.

Os Campeonatos Nacionais de Orientação em BTT prosseguiram na tarde de sábado com a prova de Sprint. No escalão de Elite masculino, Paulo Alípio voltaria a ser o mais forte enquanto no sector feminino Rita Madaleno chegava ao título nacional pela primeira vez na sua carreira.


A improvisada esplanada em pleno Campo de Jogos de S. Martinho da Gândara, com vista para as Chegadas, mantinha um movimento constante de idas e vindas. “Recupere do esforço no Bar do Ori-Estarreja, aberto 24 horas por dia”, anunciava alto e bom som o ‘speaker’ de serviço nestes Nacionais, Jorge Fortunato. Com efeito, a retemperadora pausa entre as provas de Distância Média e de Sprint serviu para a lavagem e afinação das máquinas, um período de repouso ainda que curto e a degustação de uma excelente Sopa de Legumes e um bom prato de Esparguete à Bolonhesa.

Pouco passaria das 14h30 quando chegava a notícia de que Daniel Marques acabava de deixar o Hospital e, felizmente, as lesões sofridas não inspiravam cuidados de maior. A este propósito, o atleta – a quem desejamos rápidas melhoras – escreveria no seu blogue: “Se o arame estivesse colocado uns centímetros mais alto, corria o risco de ter danos irreversíveis nos braços com hemorragias brutais e provavelmente a estrutura óssea gravemente danificada. Se tivesse sido ao nível do pescoço era morte certa!” [leia a mensagem completa
AQUI].

“Não está cá o Daniel e isso faz a diferença”

Os ponteiros assinalam as 15h00 quando os primeiros atletas regressam ao terreno para a disputa do título nacional de Sprint. Um mapa similar - com trabalho de campo e desenho de Bruno Oliveira (Janeiro de 2010) -, as mesmas dificuldades, um número de participantes inferior ao da manhã (251 atletas, dos quais 235 nos escalões de competição e os restantes 16 nos escalões abertos) e, como veremos adiante, praticamente os mesmos vencedores. Em Elite Masculina, Paulo Alípio (COC) repetiu a vitória da prova de Distância Média, concluindo o seu percurso em 38.03. Joel Morgado e Luís Pires, também eles atletas do COC, alcançaram as segunda e terceira posições com os tempos de, respectivamente, 40.19 e 41.19. Paulo Alípio falava assim deste segundo título alcançado num tão curto espaço de tempo: “Tal como na prova da manhã, a questão aqui que marca a diferença são as condições do terreno. É um bom mapa, tem muitos caminhos mas o terreno lamacento introduz sempre uma dificuldade muito grande, tanto do ponto de vista físico como também técnico porque acabamos por ter uma dificuldade muito grande em ler o mapa em andamento. E depois a lama não está no mapa.” Quanto ao título propriamente dito, Paulo Alípio sente-o na mesma linha de pensamento da prova da manhã: “Não está cá o Daniel e isso faz a diferença. Ele é muito forte em todas as distâncias, mas em particular nas distâncias curtas. Sem ele aqui, o sabor de mais um título é igualmente estranho e não é a mesma felicidade.”


No sector feminino Rita Madaleno (ADFA) foi a grande vencedora, alcançando o primeiro título nacional da sua carreira. A atleta fez o tempo de 42.46, deixando atrás de si Susana Pontes (CPOC / Loja das Bicicletas) e Maria Amador (ATV), a respectivamente 2.55 e 7.46 de diferença. A propósito da vitória de Rita Madaleno, registe-se a emoção com que a atleta recebeu a notícia dada em primeira-mão pelo Orientovar e as suas declarações, ainda a quente: “É muito bom – obrigada pela notícia! – e vai-me dar algum alento. Pessoalmente, encaro isto como diversão e como desporto, muito mais do que propriamente como competição. Ao contrário da prova da manhã, em que parti o suporte do mapa, perdi a bússola e fiquei sem mudanças, esta prova correu-me bem. Não falhei nenhuma opção - ainda caí!... – e pronto, estou muito contente por este meu primeiro título nacional.” Quisemos saber se o facto de a atleta estar este ano muito mais voltada para a Pedestre terá tido alguma influência neste título. A resposta não se fez esperar: “Eu creio que sim. O tipo de Orientação é completamente diferente mas acaba por me fazer adquirir noções técnicas dos verdes e outras que me auxiliam muito na BTT quando estou completamente perdida. Mas faço Pedestre mesmo só por desporto. Tenho muitas dificuldades de ordem técnica e algumas limitações físicas e faço-o porque estou a gostar muito da modalidade. Mas é verdade que acaba por me ajudar na BTT.”

O primeiro título de Fernando Henrique

Quanto aos restantes dez títulos atribuídos, sete foram uma repetição da prova da manhã. Começando pelos escalões mais jovens, Mac-Mahon Moreira (BTT Loulé) e João Mega Figueiredo (CN Alvito) foram dois dos atletas que bisaram, respectivamente nos escalões H17 e H20. Em D20, Ana Filipa Silva (CPOC / Loja das Bicicletas) renovou o título nacional, o 10º da sua ainda curta carreira. Nos escalões de Veteranos, as novidades vêm da parte de Fernando Henrique (GDU Azóia) e Joaquim Patrício (CN Alvito), nos escalões de H35 e H55, respectivamente. Nos restantes escalões, cinco atletas a bisar: Ana Gomes (BTT Loulé) em D35, Leandro Silva (CN Alvito) em H40, José Silva (ATV) em H45, Alice Silva (GDU Azóia) em D45 e Luís Sousa (Clube TAP) em H50.

Por clubes, realce para a repetição das vitórias de COC e ADFA nos escalões de Elite masculino e feminino, respectivamente. Nos restantes três escalões em competição, três novos clubes a vencer: Em Juvenis Masculinos o triunfo coube à turma do BTT Loulé, enquanto em Veteranos Masculinos I venceu o DA Recardães e em Veteranos Masculinos II a turma da ADFA foi a mais forte.

Toda a informação relativa aos Nacionais de Ori-BTT 2009/2010 na página oficial do evento,
AQUI.

Saudações orientistas.

JOAQUIM MARGARIDO
.

1 comentário:

antunes disse...

“Não está cá o Daniel e isso faz a diferença. Ele é muito forte em todas as distâncias, mas em particular nas distâncias curtas. Sem ele aqui, o sabor de mais um título é igualmente estranho e não é a mesma felicidade.”
Boas Noites;
Para além de vir aqui dar os parabéns a todos os vencedores e uma palavra de apreço também para todos aqueles que por uma ou outra circunstância que naturalmente acontecem não conseguiram atingir os seus objectivos,venho acima de tudo congratular-me com a frase acima descrita e que foi pronunciada pelo Paulo Alípio num momento em que apesar da natural euforía da vitória,não deixou de na sua sincera humildade, reconhecer que a falta do super campeão Daniel tirou muito brilho á sua excelente vitória.
Parabéns Paulo e as melhoras para o Daniel e para todos os que tiveram qualquer lesão.

Cumprimentos
Antunes