sábado, 6 de março de 2010

A MINHA ESCOLA: ESCOLA SECUNDÁRIA COM 3º CICLO DO ENSINO BÁSICO DE CARLOS AMARANTE

.

A rubrica “A Minha Escola” regressa ao espaço quinzenal do Orientovar, rumando hoje ao coração do verde Minho e à Cidade dos Arcebispos. Em Braga, com a ajuda da Professora Paula Serra Campos, vamos conhecer o Grupo-Equipa de Orientação da Escola Secundária com 3º Ciclo do Ensino Básico de Carlos Amarante.

Situada na cidade de Braga, não muito longe da Universidade do Minho, a Escola Secundária com 3º Ciclo do Ensino Básico de Carlos Amarante pretende ser uma escola para todos, sendo este objectivo bem visível na diversidade da oferta educativa. Nos últimos anos, esta escola tem sido frequentada por alunos do Ensino Secundário, dos cursos vocacionados para o prosseguimento de estudos e ainda dos cursos tecnológicos e profissionais, que possibilitam o acesso ao Ensino Superior. Para além disso, e no que toca ao ensino de adultos, integra o ensino recorrente e as modalidades de formação associadas ao Centro de Novas Oportunidades.

Numa pequenina parcela deste universo de saber e oportunidades, vamos encontrar o Grupo-Equipa de Orientação, cujo responsável é a Professora Ana Paula da Silveira Serra Campos. Nascida em Moçambique, em 29 de Junho de 1968, a Professora Paula Serra Campos reside em Braga, é Licenciada em Ensino de Educação Física pela Faculdade de Ciências do Desporto e de Educação Física da Universidade do Porto (1986/1991) e possui o Mestrado em Gestão do Desporto pela Faculdade de Desporto da Universidade do Porto (1999/2002). Docente desde 1991 em diversas escolas - ES Sá de Miranda, ES Arcos de Valdevez, ES Maximinos, EB2,3 de Prado, ES Póvoa de Lanhoso – é professora na ES Carlos Amarante desde o ano lectivo 1995/1996, com uma pequena interrupção entre 2001/2004, altura em que leccionou na ES Póvoa de Lanhoso.


"Assumi como um projecto pessoal trabalhar a modalidade a nível escolar e local"

Orientovar - O que surgiu primeiro na sua vida: A Escola ou a Orientação?

Professora Paula Serra Campos - A Escola. Aliás, foi na Escola, concretamente em 1994, quando leccionava na EB2,3 de Prado, que tive o primeiro contacto com a modalidade. Na altura frequentei uma Acção de Formação sobre abordagem da Orientação na Escola, cuja formadora foi a Professora Cristina Santos. Achei um desafio interessante e de imediato inscrevi-me, com uma amiga, numa prova aberta do Inatel em Viseu. Foi realmente uma aventura interessante! Perdemo-nos! Saímos dos limites do mapa! Não terminámos a prova!

Orientovar – Mas isso não parece tê-la desmotivado…

Professora Paula Serra Campos – De forma alguma. Depois da primeira Acção de Formação vieram outras. Comecei também a fazer com alguma regularidade provas de multiactividades que incluíam orientação pedestre e em BTT. No ano lectivo de 1994/1995 assumi na EB2,3 de Prado um Grupo-Equipa de Actividades de Ar Livre (Canoagem, Escalada e também Orientação). Nos dois anos seguintes, já na ES Carlos Amarante, lancei o projecto criando um Grupo-Equipa de Actividades de Ar Livre. Nessa altura tive contacto com a ARCCa (Gerês) e passei a dedicar um pouco mais do meu tempo à Orientação. Assumi como um projecto pessoal trabalhar a modalidade a nível escolar e local e, a partir de 1997 tenho tido sempre Grupos-Equipa de Orientação.


"Comecei com um projecto no âmbito do Voleibol"

Orientovar - Porquê dinamizar um Grupo-Equipa de Orientação e não de Voleibol, Futsal ou Ginástica Rítmica, por exemplo?

Professora Paula Serra Campos - É curioso referir o Voleibol porque estive ligada à modalidade como praticante federada. Aliás, no Desporto Escolar comecei com um projecto no âmbito do Voleibol. Foi quando conheci a Orientação e me envolvi que o meu foco de interesse mudou. Gosto realmente de praticar desporto ao ar livre, gosto do contacto com a natureza, gosto de correr... O desafio sempre presente de vaguear por um terreno desconhecido, em função da leitura e interpretação de um mapa, é também algo que me fascina. E é isto que pretendo proporcionar aos meus alunos. Reconheço à modalidade muitos outros méritos, designadamente constituir-se como um meio óptimo para o desenvolvimento da auto-confiança, autonomia, tomada de decisões e também para a sensibilização para a necessidade de protecção ambiental.

Orientovar - Como é que tem acompanhado a evolução do Grupo-Equipa de Orientação da ES Carlos Amarante e que ponto da situação faz no presente ano lectivo?

Professora Paula Serra Campos - No presente ano lectivo, o Grupo-Equipa da ES Carlos Amarante tem essencialmente alunos Juniores Masculinos e Juvenis Femininos. A maioria das Juvenis está a iniciar a modalidade. Dos Juniores, três já estão federados no .COM – Clube de Orientação do Minho. Em parceria com a ES Maximinos, durante a semana dinamizamos três sessões de treino em mapa de modo a cobrir a disponibilidade de horário escolar dos alunos envolvidos. Ao sábado, uma a duas vezes por mês, temos um treino mais vocacionado para o nível avançado, no qual por vezes participam também alguns alunos de iniciação quando existe disponibilidade de transporte. Uma vez por semana, à terça-feira depois das aulas, realizamos uma sessão de treino físico destinada a todos os alunos. Em média, nas sessões em mapa, temos cerca de 12 alunos. No treino físico habitualmente estão presentes 10 a 15 alunos.


"Aposta e investimento no Desporto Escolar"

Orientovar - Que gestão faz do tempo disponível para treinos e provas?

Professora Paula Serra Campos - Ao nível da actividade do Desporto Escolar, o tempo disponibilizado para treinos pelo programa do Desporto Escolar (3 tempos lectivos de quarenta e cinco minutos cada) é claramente insuficiente para qualquer modalidade. Para a Orientação, que se desenrola fora da escola, mais ainda... Na ES Carlos Amarante tenho outros tempos não lectivos que dedico à modalidade. Gostaria de ter ainda mais tempo disponível, mas outros compromissos não o permitem, designadamente a família.

Orientovar – Que mecanismos serão necessários para que a modalidade cresça ao nível do Desporto Escolar?

Professora Paula Serra Campos - Na minha opinião, o crescimento da modalidade ao nível do Desporto Escolar implica parcerias com o sistema federado. As Escolas, por si só, não dispõem da estrutura fundamental, "os mapas". Do mesmo modo, a maioria das escolas não dispõem de mapas acessíveis a pé, o que implica o recurso a transportes que as escolas também não possuem. Em alguns meios será fácil o apoio de estruturas autárquicas, noutros não. Julgo que estes dois problemas têm sido o maior entrave ao aparecimento de mais escolas com a modalidade. Contudo, julgo que a melhor estratégia para o desenvolvimento da modalidade passa pela aposta e investimento no Desporto Escolar.


"Começar a prática de uma modalidade no 10º ano de escolaridade é demasiado tarde"

Orientovar - Os quadros competitivos são os ideais ou, no seu entender, mereceriam reajustes pontuais ou mesmo uma profunda revolução?

Professora Paula Serra Campos - Os quadros competitivos do Desporto Escolar são diferentes nas diferentes Direcções Regionais de Educação. o que concerne ao Quadro de Competições da Direcção Regional de Educação do Norte, um Ranking Regional Norte com apenas quatro provas parece-me pouco. Por diversas vezes sugeri um alargamento para seis provas mas existem limitações financeiras. No âmbito da actividade da EDOM – Escola Desportiva de Orientação do Minho, os nossos alunos (ES Carlos Amarante e ES Maximinos) participam no Quadro de Competições do Desporto Escolar e nas provas do torneio .COMmapa.

Orientovar - Regressando à Carlos Amarante, que meios e apoios dispõe para desenvolver as actividades ligadas ao Grupo-Equipa de Orientação e quais aqueles de que não dispõe e que mais falta fazem?

Professora Paula Serra Campos - Perante as dificuldades com que nos deparamos nas escolas inerentes à criação e manutenção da infra-estrutura elementar para a prática da modalidade (mapa de orientação), à logística necessária para a deslocação dos jovens até aos locais de prática e o interesse do clube (.COM) em desenvolver a modalidade e fazer a formação e captação de jovens, surgiu a ideia de articulação. A EDOM - Escola Desportiva de Orientação do Minho resulta dum protocolo de parceria entre o Federado (.COM) e o Desporto Escolar (ES Carlos Amarante e ES Maximinos). Dentro de uma mesma estrutura, que é a EDOM (secção do .COM), temos assim dois subsistemas em articulação. Desde logo, com recurso aos professores de Educação Física afectos às Escolas Secundária Carlos Amarante e Secundária de Maximinos, é ministrada a formação elementar, ao longo de todo o ano lectivo, no âmbito do Desporto Escolar; e depois, com recurso a técnicos do .COM, é executado o módulo avançado, garantindo a continuidade do processo de formação e o desenvolvimento desportivo dos jovens que pretender investir na modalidade. Com a criação da EDOM, as escolas passaram a ter a infra-estrutura de trabalho (os mapas) e outros materiais cedidos pelo clube. O problema que subsiste está relacionado com o transporte dos alunos para as sessões de treino. A EDOM não tem transporte próprio. Utiliza uma carrinha cedida pela Junta de Freguesia de S.Victor, para os treinos de sábado. Durante a semana (treinos do nível elementar), o transporte é efectuado através de transporte público, veículos dos professores e veículos dos encarregados de educação. A EDOM tem encetado esforços no sentido de resolver o problema e garantir melhores condições mas ainda se aguardam resultados. Outro problema reside na captação e na formação de base. Numa Escola exclusivamente secundária, começar a prática de uma modalidade no 10º ano de escolaridade é demasiado tarde.


"Motivada para continuar envolvida neste projecto de desenvolvimento da modalidade"

Orientovar - Quais os grandes objectivos para a temporada que já decorre?

Professora Paula Serra Campos - Os grandes objectivos para a presente época são a criação das bases para avançar no próximo ano lectivo com o trabalho de Orientação em duas EB1 de Braga (3º/4º ano); a divulgação da modalidade ao nível do 2º ciclo (acções de divulgação e captação); e, eventualmente, apurar 4 ou 5 alunos para os Nacionais (lutar por títulos será impossível pois a maioria dos alunos são Juvenis e estão a iniciar a prática este ano).

Orientovar -Para terminar, gostaria que formulasse um desejo a longo prazo, digamos daqui a dez anos, para a escola e para a sociedade dum modo geral e, em particular, para a Orientação do Desporto Escolar na Secundária Carlos Amarante.

Professora Paula Serra Campos - Desenvolvimento e crescimento sustentado da modalidade em Portugal, estar motivada para continuar envolvida neste projecto de desenvolvimento da modalidade em Braga e obter resultados no Grupo-Equipa de Orientação da ES Carlos Amarante provenientes do investimento no projecto do 1º e 2º ciclos.

.
.






Escola Básica dos 2º e 3º Ciclos, D. Afonso, IV Conde de Ourém

[fotos gentilmente cedidas pela Professora Ana Paula Serra Campos]


Saudações orientistas.

JOAQUIM MARGARIDO
.

1 comentário:

Asociación Uruguaya disse...

Buenas noches para Joaquim y para todos los Orientistas de Portugal. Nuestros más cálidos saludos desde Uruguay. Agradezco la publicación de este artículo, cuyo contenido y enfoque nos ayudan en el trabajo de instrumentación de la primera escuela de la modalidad en nuestro propio país de América del Sur. Que tengan Uds. una buena semana y que se cumplan vuestros sueños y esperanzas. Atte.Winston Robilotta. Asociación Uruguaya de Orientación