terça-feira, 16 de fevereiro de 2010

PORTUGAL O' MEETING 2010: MIKHAIL MAMLEEV E SIMONE NIGGLI, OS ÚLTIMOS A RIR!

.

Mikhail Mamleev e Simone Niggli foram os grandes vencedores do Portugal O’ Meeting 2010. Uma edição que ficará para a história como a mais participada e de melhor nível em quinze anos do evento.

A Cerimónia de Entrega de Prémios terminara há escassos segundos e Paulo Franco, o ‘speaker’ de serviço, chamava para a foto da praxe todos quantos puseram de pé este Portugal O’Meeting 2010. Eis que alguém me toca no ombro, viro-me e era Alessio Tenani, com o olhar atónito: “Joaquim, conheces toda a gente, vê lá quem é que pode resolver isto, mas foi aqui o Mikhail que ganhou o Portugal O’ Meeting”. Nem queria acreditar… Uma assistência numerosa ovacionara com entusiasmo a suiça Simone Niggli e o britânico Scott Fraser, lado a lado no lugar mais alto do pódio. Mas isso tinha sido há minutos atrás. Agora que toda a gente partira e só o ‘staff’ ainda se mantinha por ali, num raro momento de descompressão antes de levantar a trouxa e zarpar, eis que aquele italiano franzino, de olhar vivo, aparentemente divertido com a situação, reclamava para si os louros da vitória. O homem tinha razão, o caldo estava entornado.
Com mil pedidos de desculpa à mistura, a Organização lá arranjou forma de remediar a situação. Mikhail Mamleev demonstrou um notável ‘fair-play’, aceitou ir ao pódio, falou com naturalidade sobre o assunto, mas…

Vou confessar que é por estas e por outras que sei que não sou jornalista. Vivo de mais a Orientação para manter o distanciamento necessário nestas alturas. Depois de tudo o que de bom se passou ao longo destes quatro dias, aquele olhar incrédulo de Vítor Rodrigues, Carlos Monteiro, Duarte Santo, Tiago Romão, José Jordão e todos quantos perceberam de imediato a gravidade da situação mexeu demasiado comigo. Mas será que este Portugal O’ Meeting foi pior por isso? Claro que não. Foi fantástico! E por isso mesmo é que o digo, com toda a clareza e frontalidade: Esta gente não merecia isto!
.
Partir em último e chegar em primeiro
.
Os ponteiros marcavam as 13h14 quando partiu o último atleta do escalão de Elite Masculina. O seu nome: Mikhail Mamleev (ITA). De origem russa mas naturalizado italiano, Mamleev não é um ilustre desconhecido. A atestar isso mesmo, entre um conjunto de resultados de grande valor, estão duas vitórias em provas da Taça do Mundo, a medalha de bronze na prova de Distância Longa do mais recente Campeonato do Mundo (Miskolc2009, Hungria) e o número 12 do ‘ranking’ mundial que ocupa actualmente. Pois bem, foi precisamente ele que acabou por levar a melhor sobre os seus mais directos adversários, recuperando a desvantagem para o britânico Scott Fraser (Tume) e arrecadando uma tão saborosa quanto merecida vitória. Para tanto bastou um 10º lugar na decisiva etapa, uma prova de Distância Média disputada junto à idílica Lagoa da Vela num dia absolutamente fantástico para a prática da modalidade.

Scott Fraser não conseguiria melhor que a 24ª posição na etapa de hoje, o que acabou por se revelar fatal para as suas legítimas aspirações a uma vitória no Portugal O’ Meeting. Quanto ao suíço Fabian Hertner (O-POR Swiss O-Team), manteve-se na senda dos excelentes resultados dos segundo e terceiro dias e foi 5º classificado na prova de hoje, ainda assim apenas suficiente para segurar o terceiro lugar no pódio. Rasmus Soes (IFK Lidingö), o dinamarquês que venceu no ano transacto o Portugal O’ Meeting, quedou-se este ano pelo 15º lugar. Ligeiramente melhor esteve o nosso bem conhecido Ionut Zinca (GD4C), segundo em 2009 e apenas 13º este ano.

Diogo Miguel, o melhor português

Quanto aos portugueses, Diogo Miguel (Ori-Estarreja) não esteve definitivamente no seu melhor dia. Terminou no 66º lugar, caiu 4 lugares na classificação final e terminou num, apesar de tudo, bastante honroso 22º lugar, o que fez dele o melhor português. Tiago Aires (GafanhOri), no 43º lugar da geral e Joaquim Sousa (COC), no 55º lugar, foram os portugueses classificados imediatamente atrás de Diogo Miguel. Finalmente, uma referência para Daniel Hubmann (O-POR Swiss O-Team), “apenas” o líder do ‘ranking’ mundial. O suíço terminou a sua participação no Portugal O’ Meeting tal como começou, ou seja, com nova vitória. Pelo meio ficou esse “mp” da prova WRE do segundo dia, como estarão recordados.

Resultados
Homens Elite
1º Daniel Hubmann (O-POR KOK) 33:53

2º Jerker Lysell (Rehns BK) 35:10
3º Baptiste Rollier (O-POR KOK) 35:13
4º Matthias Kiburz (Swiss Mixt) 35:29
5º Fabian Hertner ( O-POR SWISS OT) 35:32
6º Emil Wingstedt (COC TC Halden SK) 35:32
7º Martins Sirmais (Tume) 35:34
8º Tero Föhr (Vehkalahden Veikot) 35:38
9º Olav Lundanes (COC TC Halden SK) 35:53
10º Mikhail Mamleev (ITA ) 36:02

Resultados Gerais
PORTUGAL O' MEETING 2010
1º Mikhail Mamleev (ITA) 3805.88

2º Scott Fraser (Tume) 3772.81
3º Fabian Hertner (O-POR Swiss O-Team) 3697.35
4º Matthias Kiburz (Swiss Mixt) 3675.83
5º Gernot Kerschbaumer (HSVPIN) 3673.34
6º Jonas Vytautas Gvildys (IGTISA – LTU) 3670.38
7º Leonid Novikov (Delta RUS) 3652.85
8º Jerker Lysell (Rehns BK) 3644.35
9º Simonas Krepsta (IGTISA – LTU) 3618.23
10º Christian Bobach (IFK Göteborg) 3617.16
.
Luta até ao fim

No que às Damas Elite diz respeito, a última prova deste Portugal O’ Meeting reeditou os duelos dos três dias anteriores, com Simone Niggli (O-POR Swiss O-Team) e Helena Jansson (COC TC IF Hagen) a empatarem no número de vitórias em etapas, duas para cada lado. A grande diferença reside no facto de a atleta suiça ter feito hoje uma prova do outro mundo, ter vencido a decisiva etapa por uma margem que não deixa lugar a qualquer tipo de dúvidas e isso lhe ter valido a subida ao lugar mais alto do pódio deste Portugal O’ Meeting. O Clube de Orientação do Centro à frente duma Organização do Portugal O’ Meeting (desta feita em parceria com a Secção de Orientação do Ginásio Clube Figuirense) parece constituir um talismã para a actual número um do ‘ranking’ mundial já que este é o seu segundo triunfo na prova, reeditando o resultado de há oito anos atrás, na Praia da Vieira e Marinha Grande, num POM curiosamente também organizado pelo COC.

Terceira classificada na etapa, a russa Yulia Novikova (Delta RUS) fez um excelente POM e acabou por ganhar um lugar na geral, concluindo na terceira posição. É claro que, tendo pela frente as duas atletas anteriormente referidas, melhor era impossível. Pena foi que a sueca Lina Persson (O-POR KOK) tenha prescindido de correr hoje - ela que partia para a etapa derradeira na terceira posição – deixando as portas do pódio escancaradas para a russa. A espanhola Ona Rafols (GD4C) alcançou um excelente 12º lugar e foi uma das grandes surpresas deste POM 2010. Ao invés, a dinamarquesa Signe Soes, vencedora em Mora do ano transacto, passou praticamente à margem deste POM 2010, tendo alcançado hoje o 20º lugar (fez ‘mp’ na prova WRE e não participou na prova do terceiro dia). “Ausentes” deste grande evento estiveram também a norueguesa Anne Margrethe Hausken (COC TC Halden SK) ou a checa Eva Jurenikova (Domnarvets Go IF) que aproveitaram apenas para preparar a longa e desgastante época que se avizinha.

A relativa regularidade que manteve ao longo dos quatro dias do Portugal O’ Meeting valeu a Maria Sá (GD4C) o título de melhor portuguesa. Hoje quedou-se pela 37ª posição, o que lhe permitiu apenas segurar o 24º lugar que trazia do dia de ontem. Na 30ª posição final, Raquel Costa (GafanhOri) secundou a atleta nortenha enquanto a terceira portuguesa melhor classificada foi outra atleta do GafanhOri, Lena Coradinho, naquilo que constituiu, naturalmente, uma agradável surpresa.

Resultados
Damas Elite
1º Simone Niggli (O-POR Swiss O-Team) 32:39

2º Helena Jansson (COC TC IF Hagen) 35:17
3º Yulia Novikova (Delta RUS) 38:11
4º Sara Lüscher (O-POR Swiss O-Team) 38:38
5º Angela Wild (O-POR Swiss O-Team) 38:41
6º Vendula Klechova (COC TC Halden SK) 39:33
7º Sabine Hauswirth (O-POR Swiss O-Team) 39:42
8º Malin Sand (IFK Lidingö) 39:46
9º Grace Crane (BOK) 40:50
10. Elisabeth Hansson (IFK Lidingö) 41:09

Resultados Gerais
PORTUGAL O' MEETING 2010
1º Simone Niggli (O-POR Swiss O-Team) 3917.63

2º Helena Jansson (COC TC IF Hagen) 3901.95
3º Yulia Novikova (Delta RUS) 3467.51
4º Angela Wild (O-POR Swiss O-Team) 3431.20
5º sara Lüscher (O-POR Swiss O-Team) 3412.72
6º Sabine Hauswirth (O-POR Swiss O-Team) 3410.13
7º Vendula Klechova (COC TC Halden SK) 3404.04
8º Grace Crane (BOK) 3310.58
9º Sandra Pauzaite (IGTISA – LTU) 3268.46
10º Rachael Elder (Sheffield) 3265.59


"Obrigado Portugal"
.
No espaço dedicado às entrevistas, começámos por ouvir as opiniões de Martins Sirmais (Tume) acerca deste último dia do Portugal O’ Meeting: “Fiquei bastante contente com a minha corrida mas estou aqui com o meu clube num Campo de Treinos e não posso valorizar em demasia os resultados. Foi uma corrida foi bastante rápida e penso que, ao mesmo tempo, muito técnica, pelo que se tornou bastante interessante.” Referindo-se em particular a este mapa, o atleta da Letónia achou-o “mais parecido com o mapa do segundo dia, mas com zonas de vegetação diferentes, algo inesperadas. Em relação a esse mapa este era mais rápido, mais fácil, mas a requerer enorme atenção nos verdes junto à Lagoa.” A finalizar, uma referência elogiosa à Organização do POM 2010 e, dum modo geral, à Orientação portuguesa: “Se compararmos com aquilo que tem vindo a acontecer nos últimos anos, penso que cada vez tem sido melhor. Fiquei positivamente surpreendido no segundo dia quando vi, num circuito fechado de televisão, a passagem em directo dos atletas nalguns pontos. Acho que a Organização esteve muito bem e quero dizer 'obrigado Portugal' por tudo quando de tão interessante está a fazer pela Orientação.”
.
“Foi uma bela corrida. Parti bem, falhei o ponto 4 numa zona verde onde era necessário muito cuidado e perdi talvez uns 20 segundos. Mas depois disso foi uma boa corrida, uma corrida limpa, sem falhas e estou muito contente com a prova de hoje.” Foram estas as primeiras palavras do vencedor da última etapa do POM 2010, o suiço Daniel Hubmann (O-POR Swiss O-Team). No cômputo geral, o balanço é muito positivo: “Corridas desafiantes, terrenos muito bonitos, tudo muito bem organizado, foi perfeito tanto para treinar como para competir. Este é já um evento maior, estão aqui atletas de muito valor e julgo que isto é muito agradável para todos.” Lembrando que, apesar do ser o número 1 do ‘ranking’ mundial, o suíço começou a época passada por fazer “mp” na prova WRE do Portugal O’ Meeting, Daniel Hubmann ri e não se furta à questão: “É realmente um pouco como no ano passado. Mas estamos no início da época, os automatismos de leitura do mapa, de avaliação das curvas de nível, da própria corrida, tudo isso está ainda a ser afinado. E espero que, no final do ano, possa continuar no topo do ranking.”

“O POM 2011 vai ser um grande desafio para os 4 Caminhos”

Maria Sá (GD4C) conseguiu ser a melhor atleta portuguesa no cômputo geral das provas. Falando da etapa de hoje, a atleta confessa que “foi talvez o meu pior dia do Portugal O’ Meeting. O mapa não era muito complicado, o terreno era bastante acessível e obrigava a uma velocidade superior à dos dias anteriores. Fiz dois erros paralelos que me custaram cerca de cinco minutos, me desmotivaram bastante, mas o resto foi regular. A sensação com que fico é a de que podia ter feito muito melhor, falhei muito em todas as provas.” O desafio de organizar o POM 2011 está a cargo do GD4C ao qual a atleta pertence. Auscultamos também a sua opinião sobre o assunto: “É especialmente engraçado porque a minha primeira prova, já com a camisola dos 4 Caminhos mas ainda sem estar federada, foi em 2002, num Portugal O’ Meeting também organizado pelo COC. A evolução que o Portugal O’ Meeting tem sofrido é incrível. Não há comparação com aquilo que era há oito anos atrás, quando comecei. Especialmente no domingo foi uma coisa… Parecia um Campeonato do Mundo em ponto pequeno. Há muitos países na Europa que estão à nossa frente e não têm um evento assim e penso que eventos desta qualidade podem ajudar a Orientação portuguesa a crescer.” E a terminar, a Campeã Nacional Absoluta admite que “a fasquia organizativa foi colocada muito alto, já a anterior organização do GafanhOri foi excelente e, por tudo isto, o Portugal O’ Meeting 2011 irá ser um grande desafio para os 4 Caminhos.”
.
Klaus Schgaguler (ITA), o número 53 do ‘ranking’ mundial, deixou-nos igualmente as suas impressões: “A primeira parte da corrida foi boa, até ao ponto de ‘loop’ mas depois percebi que tinha exagerado na velocidade, senti-me muito cansado e fiz o resto da prova em ritmo de treino. Um excelente treino, devo dizer.” Para o italiano, o balanço do POM 2010 é muito positivo: “Uma organização sem falhas, terrenos desafiantes, mapas com muitos ‘loops’, um excelente nível de atletas… Só tenho pena de não ter vindo aqui melhor preparado mas estamos no início da época e foi muito bom. Espero sinceramente voltar no próximo ano.”
.
“Obrigado COC, obrigado Ginásio Figueirense por tudo”
.
Segundo classificado nas edições de 1999 (Tomar, CLAC), 2001 (Arcos de Valdevez, ARCCa) e 2004 (Évora e Reguengos de Monsaraz, ADFA) do Portugal O’Meeting, Joaquim Sousa (COC) é um dos quatro portugueses a figurar no Quadro de Honra masculino em quinze edições do evento (a título de curiosidade refira-se que os outros são Marco Póvoa, Tiago Aires e Mário Duarte). Também ele aceitou falar para o Orientovar e deixar-nos a sua opinião sobre a edição deste ano: “Eu sou um pouco suspeito, mas acho que está à vista de toda a gente que houve o mérito de combinar a boa organização com excelentes mapas. Portanto, se alguma coisa há a dizer é ‘obrigado COC, obrigado Ginásio Figueirense por tudo’.” Em termos pessoais, o atleta revelou-se muito satisfeito com as suas prestações: “Normalmente quando preparamos a época, os pontos altos são o POM e o NAOM, que são seis provas em oito dias. No primeiro dia não consegui entrar na cartografia. Os treinos foram em mapas de 1:7 500 ou 1:10 000 e este mapa de 1:15 000 foi um choque um bocado grande. Mas penso que fiz um bom Portugal O’ Meeting, atendendo às circunstâncias e às pessoas que cá estão, e estou satisfeito.” Uma última questão: “Até onde pode crescer o Portugal O’ Meeting?” O atleta é taxativo: “Ninguém estava à espera de tantos atletas de qualidade nesta edição mas, a verdade, é que estiveram cá. Temos de pensar que antigamente existiam 500 atletas em termos de ‘ranking’ mundial, agora existem 2000 e, se calhar, daqui a quatro ou cinco anos vão existir 10.000. Ou seja, desses 10.000, é possível que metade venha cá. Com toda a propaganda que tem sido feita, tanto nos outros POM como no WMOC em 2008, Portugal começa a ser uma referência a nível mundial. É natural que isto possa crescer muito rapidamente e atinja números inimagináveis. Temos que estar preparados e sensibilizados para podermos lidar com números muito superiores aos que já atingimos e podermos dar resposta ao nível de exigência que a situação poderá acarretar.”
.
Wojciech Dwojak (GD4C) foi outro dos entrevistados. Para o atleta polaco, “a única nota negativa foi mesmo o tempo que não esteve propriamente famoso como nos dois anos anteriores. De resto foi tudo perfeito.” Quanto às suas prestações, Dwojak confessou estar muito contente: “Devo dizer que, tecnicamente este POM foi muito exigente, os terrenos revelaram-se de grande qualidade e tivemos as condições ideais para treinar e competir. Ainda que fisicamente possa não estar muito bem preparado, fiz corridas muito técnicas e estou realmente muito satisfeito.” Em termos de balanço final, o atleta estabelece o POM 2009, em Mora, como termos de comparação: “Estive cá o ano passado e, por isso, já estava à espera duma organização de qualidade e de bons atletas. Mas este ano, no escalão de Elite, confessou que ultrapassou tudo aquilo que poderia esperar. O Portugal O’ Meeting está a crescer de ano para ano e espero poder voltar em 2011.”
.
“Voltaremos a encontrar-nos”

Quarta classificada do ‘ranking’ mundial, vencedora do Portugal O’ Meeting em 2005, a sueca Helena Jansson (COC TC IF Hagen) manteve com Simone Niggli um duelo impróprio para cardíacos, apenas decidido neste último dia. Disparámos a pergunta à queima-roupa: Esperava ganhar o Portugal O’ Meeting? “Não prestei muita atenção aos resultados, não sabia que estava tão perto de ganhar e apenas ontem me dei conta que uma boa prova poderia significar uma vitória no POM. Apesar de tudo estou muito contente com o meu resultado e este é um excelente prenúncio para a temporada que vai começar.” Recordando a sua presença no POM em 2005 e comparando a situação de então com a de agora, a atleta não tem dúvidas: “Foi muito melhor este ano, estes terrenos são fantásticos, há uma participação muito maior, foram quatro dias incríveis e estou particularmente contente porque vou continuar em Portugal até ao próximo domingo, a treinar e a competir. Estou muito feliz.”

Oito anos após a sua primeira vitória no Portugal O’ Meeting, voltamos a ver Simone Niggli (O-POR Swiss O-Team) no lugar mais alto do pódio. Irradiando felicidade e simpatia, a grande atleta suiça e líder do ‘ranking’ mundial voltou a falar para o Orientovar: “É muito bom estar de novo no topo. Antes da prova, não tinha a certeza de conseguir bater a Helena [Jansson] e, naturalmente, estou muito contente.” Em termos de balanço deste POM, a maior orientista mundial de sempre não tem dúvidas: “Devo dizer que foram quatro dias de excelente competição. Penso que a Organização está de parabéns, fizeram um excelente trabalho e, de ano para ano, vão melhorando. Tivemos excelentes mapas, excelentes terrenos, foi realmente muito bom. Para nós, atletas de Elite, isto constitui um desafio muito importante e é inquestionável a qualidade deste evento, a importância de estar cá, de competir contra outras grandes atletas.” E quanto ao POM 2011? “Veremos”, diz a atleta. “Tudo vai depender do programa de treinos da selecção suiça, mas gosto imenso de competir em Portugal e, provavelmente, voltaremos a encontrar-nos.”
.
“Posso compreender isso!”

Propositadamente deixamos para o fim as declarações de Scott Fraser e Mikhail Mamleev. Ambas foram recolhidas num contexto que, como explicámos no início desta notícia que já vai longa, não deveria ter acontecido. O certo é que aconteceu e, com a devida ponderação, atentemos nas palavras dos dois primeiros classificados deste POM 2010. Começando por Scott Fraser (Tume), o britânico tinha a felicidade estampada no rosto: “Estou muito contente e, tal como afirmara ontem, dei o meu melhor e foi incrível. Tenho treinado bem, sinto-me em excelente forma e depois encontrei aqui as melhores condições, bons mapas e terrenos, uma organização fantástica. Estou realmente satisfeito e, seguramente, vou voltar a Portugal no próximo ano.”

“Uma organização perfeita, muitos atletas, na verdade não esperava tanta qualidade num único evento.” Foram estas as primeiras palavras de Mikhail Mamleev (ITA), o grande vencedor do Portugal O’ Meeting 2010.” Falando um pouco de si e das suas prestações ao longo dos quatro dias de prova, o italiano mostrou-se naturalmente satisfeito: “Talvez possa dizer que isto é demasiado técnico para os primeiros treinos, as primeiras competições da temporada. Esperava uma Orientação mais simples, uma corrida mais fácil em termos técnicos. Tenho vindo a treinar bem, procurei manter o nível ao longo dos quatro dias de provas, não consegui grandes resultados mas corri com uma boa velocidade, com muita concentração e estou muito contente por, no conjunto final dos resultados, ter chegado em primeiro.” Era incontornável a questão da falha que impediu o italiano de receber a merecida ovação. Mas a demonstração de ‘fair-play’ de Mamleev é bem demonstrativa da sua classe como grande atleta que é mas também como pessoa: “Estou um pouco desapontado com… bem, com os últimos minutos duma grande competição. São coisas que acontecem… não sei… uma organização como estas onde há tanto que fazer... Posso compreender isso!” E, sem ressentimentos, uma confissão: “Gostava muito de voltar cá no próximo ano. Vai tudo depender do meu trabalho mas tenciono poder estar de novo em Portugal no próximo ano.”
.
Mais informações e resultados completos na página oficial do evento em www.pom2010.com.
.
Saudações orientistas.

JOAQUIM MARGARIDO
.

3 comentários:

Carlos Lourenço disse...

Olá Joaquim

Antes de mais muito Obrigado pelo seu blogspot, é mesmo super.

Olhe que tenha sido uma excelente prova eu concordo muito bem consigo, agora a melhor de todas organizada desde sempre, na minha opinião pessoal desculpa mas não concordo.

Até podemos falar de informações no site, se não fosse a existência do teu quem está de fora não sabia mesmo de nada do que se estava a passar, muito obrigado pelo teu

Um grande abraço

Carlos Lourenço

Daniel Catarino disse...

Particepei nos 4 dias do POM 2010 e acho que a prova esteve mt bem, correu td bem.
No 3ºdia não correu muito bem!=D mas pronto acontece. O meu lema é "Não desistir" e foi isso que aconteceu!Só houve uma coisa que não calhou muito bem: muita concorência =D.

Por fim: o blog está muito fixe e costumo frequenta-lo, pode continuar.

Daniel Catarino M15

TIXA disse...

Olá,
Não é por ter sido o meu clube a organizar mas a prova foi fantástica.

A etapa do WRE foi sem dúvida espectacular, muito graças ao percurso traçado. Foi uma das poucas provas que fiz onde senti que estava em constante desafio, onde 2” de desconcentração poderiam provocar muito tempo perdido. Por outro lado, a presença dos melhores atletas do mundo a partirem todos no final foi o momento alto do POM proporcionando a muitos espectadores a sensação de estarem num campeonato do mundo.

beijos,
TIXA