segunda-feira, 22 de fevereiro de 2010

NAOM CRATO 2010: A PALAVRA AOS GRANDES VENCEDORES

.

Que o Norte Alentejano O’ Meeting foi uma bonita festa, já se percebeu por tudo quanto anteriormente foi descrito. Mas porque a história da competição se faz de vencedores e vencidos, cedemos o protagonismo precisamente aos vencedores.

Esteve presente na edição inaugural do Norte Alentejano O’ Meeting, onde foi cabeça de cartaz. Ocupava na altura o número 9 do ‘ranking’ mundial e as suas crónicas frequentes, acompanhadas de fotos belíssimas, faziam dele um dos mais lidos e procurados do World Of O. Hoje, Øystein Kvall Østerbø
continua a ser um dos nomes mais estimados da Orientação mundial. O 24º lugar que actualmente ocupa no ‘ranking’ provam que o norueguês ainda se mantém em excelente forma, o mesmo se podendo dizer no que à escrita diz respeito. O artigo que publicou hoje, intitulado NAOM em Portugalé até ao momento o mais visitado do World Of O e um excelente cartaz de propaganda da prova organizada pelo Grupo Desportivo dos Quatro Caminhos. Mas antes de ver o artigo, propomos que escute as palavras do atleta ao Orientovar.

Enquanto decorria a Cerimónia de Entrega de Prémios e aguardava a sua vez de ser chamado, Øystein Kvall Østerbø
aceitou falar para o Orientovar. E foi sentados na primeira fila das bancadas do Pavilhão Gimnodesportivo do Crato que escutámos as impressões do atleta. “Foi um enorme prazer para mim voltar ao Norte Alentejano O’ Meeting. Gostei imenso dos mapas e dos terrenos quando cá estive em 2007, tencionava ter voltado entretanto mas só este ano se proporcionou. Estou realmente muito contente por ter vindo.” Foram estas as primeiras palavras do atleta que, de seguida, se debruçou sobre as três provas que constituiram o evento: “As coisas correram dentro das expectativas. Fiz alguns pequenos erros em todas as provas mas sem comprometer em nenhuma delas. Foi uma bela competição e que juntou excelentes atletas. A luta foi dura, foi bonito e acabei por vencer no cômputo geral.” Recordando a sua presença em Nisa há três anos atrás, Øystein Kvall Østerbø não tem dúvidas: “As provas têm crescido muito. Já no ano passado, quando estive em Mora [POM 2009], tinha percebido essa evolução. Quanto ao NAOM 2007 e o deste ano, não há comparação possível.” A terminar: “Está nos meus planos regressar ao Norte Alentejo para o Portugal O’ Meeting do próximo ano. E para ganhar!”

"Tenho apreciado a forma como a Orientação tem crescido em Portugal nos últimos anos"

Eva Jureniková competiu pela primeira vez no Norte Alentejano O’ Meeting em finais de Janeiro do ano transacto. Não pontuável para o ‘ranking’ mundial, a prova atraiu apenas um pequeno número de atletas estrangeiros, entre os quais Eva Jureniková, cujo 19º lugar no ‘ranking’ mundial de então fazia dela a grande estrela do NAOM 2009. Sem deixar os seus créditos por mãos alheias, a atleta chegou, viu e venceu. Pelos elogios tecidos à prova no seu excelente blogue, percebia-se que Jureniková só não regressaria este ano se de todo não pudesse. Pois voltou e para subir novamente ao lugar mais alto do pódio, sendo até ao momento a única atleta a “bisar” na prova norte-alentejana. Ostentando o 17º lugar do ‘ranking’ mundial, a atleta checa bateu-se na primeira etapa WRE com as suecas Helena Jansson e Linnea Gustavsson e… perdeu. As suecas abandonaram o NAOM precocemente e Jureniková não se fez rogada, repetindo a vitória de Alter do Chão. Com inteiro mérito, acrescente-se.

Foi por aí que começámos a nossa conversa com Eva Jureniková, uma atleta franzina, extremamente tímida, mas com um coração e uma humildade enormes: “Com a Helena Jansson e a Linnea Gustavsson a disputarem o NAOM até ao fim as coisas teriam sido diferentes. Ontem na Longa Distância fiz uma prova muito boa e mesmo assim fiquei atrás delas e hoje tive um dia menos bom, cometi três erros duma assentada. Seguramente que com elas cá eu não teria ganho o Norte Alentejano O’ Meeting.” A verdade, porém, é que ganhou: “Tinha um excelente pressentimento acerca deste regresso ao Norte Alentejano O’ Meeting. Gosto imenso destes mapas e destes terrenos, comparativamente aos terrenos de areia e às dunas do litoral prefiro estes e as próprias condições de estadia são melhores. Na Suécia temos dois metros de neve de altura, estão quinze graus negativos e é impossível treinar na floresta. Por isso é muito bom vir aqui e para mim este é um momento muito importante para preparar a época, numa altura em que já vou focando as atenções nos Mundiais e na Taça do Mundo.” Referindo-se a Portugal e à Orientação portuguesa, a atleta não podia ser mais elogiosa: “Adoro Portugal, definitivamente. Tenho apreciado a forma como a Orientação tem crescido em Portugal nos últimos anos e a cada ano que passa este é um ponto de encontro dos melhores orientistas mundiais. Estive cá pela primeira vez em 2000, num Campo de Treino, e posso perceber bem o quanto têm evoluído. Há muito mais mapas, os clubes cresceram, as organizações são fantásticas. Se compararmos com a Suécia, onde acontece exactamente o contrário, é caso para dizer que estão de parabéns. Tanto o Portugal O’ Meeting como agora o Norte Alentejano O’ Meeting conseguiram reunir um conjunto notável de atletas e cada vez há mais gente a perceber que Portugal é um local privilegiado para treinar e competir nesta altura do ano.” O Portugal O’ Meeting do próximo ano vai trazer precisamente ao Norte Alentejo a fina-flor da Orientação mundial. Irá Eva Jureniková vencer pelo terceiro ano consecutivo nesta região: “Não consigo fazer planos a tão longo prazo, peço desculpa.”

Vencedores para todos os gostos

Porque todos foram vencedores e porque no Orientovar não é possível mencionarmos os nomes dos 1114 atletas contabilizados por nós (atenção, não são números oficiais!), aqui ficam, pelo menos, os dos vencedores nos vários escalões. Talvez deva acrescentar, para serenar algumas vozes, “velhinhos incluídos”.

H/D13 – António Ferreira (COC) e Tuva Bjerketvedt (Naz OK Moss); H/D15 – Mark Otto (TOLF Berlin) e Teresa Maneta (GafanhOri); H/D17 – Marek Minar (Magnus Orienteering) e Vendula Horcickova (Magnus Orienteering); H/D20 – João Mega Figueiredo (CN Alvito) e Adela Indrakova (Magnus Orienteering); H/D21A – Alexander Simanov (Legenda) e Pernille Brunstedt (JDNS Toluca L); H/D21B – Aidas Barkauskas (OK Fortuna) e Isabel Salgado (GafanhOri); H/D35 – Michael Granacher (Swiss Mixt) e Paula Nóbrega (OriMarão); H/D40 – Santos Sousa (ADFA) e Michela Conti (Swiss Mixt); Vet M/F B – Harild Heggeset (Freidig Spk) e Sónia Saramago (ATV); H/D45 – Mário Duarte (ADFA) e Lotti Spalinger (Swiss Mixt); H/D50 – Kestutis Abramikas (Saule) e Cejka Kati (OLC SKOG); H/D55 – Jean Dermine (Dauph-O) e Egle Krasuckiene(Labirintas OK); H/D60 – Bousser Etienne (CS EIS) e Elisabeth Borschorst (SunO / MFJOK); H/D65 – Inge Persson (Sun FK Boken) e Torid Kvaal (Freidig); H/D70 – Eric Boucher (Swiss Mixt) e Gudrun Broman (Sun GMOK); H/D75 – Peter Seward (SBOC) e Colette Lagoidet (BROS); H80 – Birger Garberg (TT-Tur Ringerike). Colectivamente, a classificação foi a seguinte; 1º ADFA, 4599,6 pontos; 2º COC, 4358,2 p; 3º Ori-Estarreja, 4239,6 p; 4º GafanhOri, 3910,4 p; 5º CPOC, 3900,2 p.

Saudações orientistas.

JOAQUIM MARGARIDO

.

1 comentário:

Ana disse...

Em nome de todos os esquecidos (não só os velhinhos...), aqui vai o meu sincero agradecimento ao autor do Orientovar. Lembrou-se de nós. Viva!