quinta-feira, 17 de dezembro de 2009

PELO BURACO DA FECHADURA...


À entrada do novo ano, a Orientação estará de regresso com um importante evento. Falamos do 1.º Meeting Internacional de Arraiolos, pontuável para a Taça de Portugal de Orientação Pedestre 2009 / 2010 e para o ‘ranking’ mundial (WRE) da modalidade. A responsabilidade da prova cabe ao Clube GafanhOri, naquela que representa a grande estreia nas lides organizativas ao mais alto nível. São muitos e bons, pois, os motivos que nos levam ao encontro do timoneiro desta grande nau. Tiago Aires ajuda-nos a espreitá-la pelo buraco da fechadura.


Orientovar - O Meeting Internacional de Arraiolos constitui o maior desafio organizativo colocado até hoje ao GafanhOri. Como encara esta prova de confiança por parte da tutela da modalidade ao atribuir a um clube tão jovem a responsabilidade da organização duma prova da Taça de Portugal?

Tiago Aires - Sentimo-nos orgulhosos e é o reconhecimento do trabalho que temos vindo a realizar. Somos sem duvida um dos clubes que mais eventos têm organizado nos últimos dois anos e mais mapas novos tem produzido. Confesso que as provas que temos organizado têm-se sucedido umas a seguir às outras, sempre com um enorme entusiasmo dos atletas e das gentes locais, e que têm sido um sucesso. Mas neste momento é que seremos verdadeiramente colocados à prova.

Orientovar - Com que expectativas aguarda o dia 9 de Janeiro?

Tiago Aires - Esperamos ter cerca de 800 atletas no evento, pois infelizmente o número de estrangeiros inscritos é muito reduzido. Divulgámos a prova durante todo o Verão um pouco por todos os grandes palcos internacionais da Orientação, mas nunca como World Ranking Event (WRE), pois só em Setembro é que nos foi atribuído como tal. Acabou por ser demasiado tarde para captar atletas estrangeiro que planeiam os seus calendários com muita antecedência. De qualquer forma temos grande satisfação em ter o atleta Tero Fohr, da selecção da Finlândia, inscrito na Elite Masculina.

O nosso clube continua muito entusiasmado para organizar um evento de qualidade e que deixe uma boa imagem do concelho de Arraiolos. Não estamos particularmente preocupados por ter poucos atletas estrangeiros inscritos, pois temos de dar um passo de cada vez e esta prova é, acima de tudo, o nosso primeiro evento de nível nacional. Em 2011 já nos foi atribuída outra prova do WRE, com o 2º Meeting Internacional de Arraiolos, nos dias 12 e 13 Março, no fim-de-semana imediatamente a seguir ao Portugal O Meeting de Portalegre e Alter do Chão. Aí sim, pensamos obviamente em receber os principais atletas do Mundo na nossa prova.

Orientovar - Seria possível, em traços muito gerais, enumerar os principais momentos da caminhada organizativa deste Meeting?

Tiago Aires - Desde o primeiro momento em que começámos a organizar eventos locais no concelho de Arraiolos que era nosso objectivo (inicialmente Sociedade S. Pedro da Gafanhoeira, depois clube Gafanhori) conseguir organizar eventos nacionais de qualidade. Desde que estou a viver em S. Pedro da Gafanhoeira que tenho procurado terrenos interessantes para a Orientação e nos quais temos vindo a organizar eventos. O local onde será a prova de Distância Média (WRE) foi-me mostrado assim que vim trabalhar para Arraiolos e elegi-o, desde logo, como um bom sítio para uma prova nacional. Os proprietários dos terrenos têm sido acessíveis às nossas iniciativas e isso não foi excepção neste Meeting. As tarefas da prova estão distribuídas desde Agosto e as equipas estão a trabalhar nas suas áreas. Foi tarefa de todos os elementos divulgarem a prova junto de diversas entidades da região e angariar apoios. Algumas empresas já se juntaram a este Meeting, mas esperamos que possam aparecer mais.

Orientovar - Tem sido uma imagem de marca do Clube GafanhOri a implicação de todos os seus elementos – dos mais novos aos mais veteranos – no processo organizativo. Quer falar-nos um pouco dessa distribuição de tarefas?

Tiago Aires - Lembro-me bem da primeira prova que organizámos em mapa de floresta, no Monte da Pastaneira, acerca da qual recebemos muitos e-mails e comentários dos participantes do evento, demonstrando a sua admiração pelo facto de só se verem praticamente crianças e jovens na Organização. Este sempre foi um ponto ao qual que dei e dou muita importância. Se são os jovens que fundamentalmente se dedicam à modalidade, pensam na modalidade e vivem a modalidade, então porque é que não haverão de ser eles a ter a responsabilidade de organizar, de liderar, de pensar e decidir. Penso ser muito importante para o seu futuro como indivíduos e até como atletas.

Mas as nossas organizações não têm só jovens, muito longe disso. No total estão 102 pessoas na Organização ligadas ao clube, às quais se devem acrescentar os técnicos da Câmara Municipal de Arraiolos . Não participará na prova nenhum atleta do Gafanhori, mas estão muito empenhados em dar o seu contributo para que tudo corra pelo melhor. Cada equipa é autónoma e deve inovar e ter criatividade na sua área. A partir daqui temos reuniões regulares da Organização, para ir “limando arestas”.

Orientovar - Depois do ensaio da prova de Bardeiras, a cartografia nórdica terá aqui a sua verdadeira prova de fogo. Que avaliação faz deste vital aspecto e que resultados esperam colher da experiência? Não teme a “resistência à mudança” e uma rejeição em bloco deste tipo de cartografia?

Tiago Aires - Não estou demasiado preocupado com isso. Esta cartografia não tem nada a provar, pois é já implementada há muitas dezenas de anos em quase todos os países. O que esperamos com esta cartografia é mostrar que, com a melhoria generalizada na escolha de terrenos em Portugal, não podemos querer continuar a desenhar mapas que se tornam elegíveis e que não respeitam minimamente o ISOM, nas dimensões dos próprios símbolos no mapa e nas dimensões mínimas reais no terreno, para serem marcados no mapa. Compreendo que em muitos locais, se não se marcar com muito detalhe a vegetação ou pedras de 30 cm, pode não aparecer nada num mapa. E estou à vontade para falar disto pois desde que tive a oportunidade de cartografar com os finlandeses, tenho sido bastante crítico dos mapas que eu próprio já produzi na região antes deste contacto.

Quanto à resistência à mudança, não me parece que possa ser em bloco, pois a Orientação portuguesa está numa fase de grande evolução em todos os seus quadros técnicos e este poderá ser um pequeno contributo para mais uma reflexão. Exemplo da boa adaptação foi sem dúvida a prova nas Bardeiras, na qual 95% das pessoas se demonstraram bastante agradadas com a cartografia e em particular os Veteranos que têm dificuldade em interpretar os mapas de muito detalhe.

Orientovar - Que outros atractivos estão previstos para o Meeting Internacional de Arraiolos?


Tiago Aires - Esperamos, sem dúvida, que os mapas, arenas e percursos dos dois dias de evento possam constituir as grandes atracções. Foram cartografados 15 km2 de mapas novos para este evento. Para conseguir potenciar ao máximo estes três aspectos, as arenas são longe do estacionamento (1,5km sábado e 1,0km no domingo). No entanto os mapas de aquecimento são uma boa oportunidade de realizar esses trajectos, contactando com o tipo de terreno e visualizando os locais onde se situam a arena e a partida. Nas arenas estarão cerca de 200 cadeiras e 40 mesas junto ao ponto de espectadores, casa de banho, sistema de som, bar, secretariado, informática, ‘baby-sitting’, tenda dos resultados, o jogo do presunto e claro,
o funil de chegadas.

Decorrerá ainda na noite de sábado, às 18h00, um sprint na bela vila de Arraiolos, com passagem pelo castelo. Será oferecido a todos os participantes o Jantar Tradicional no sábado com programa cultural associado e o almoço no Domingo, antes da entrega de prémios, ambos numa gentileza da Câmara Municipal de Arraiolos e a decorrer no Multiusos de Arraiolos. O campo de treinos “New Year” de 2 a 7 de Janeiro será certamente uma boa oportunidade para treinar Orientação, duas vezes por dia (uma das quais com SportIdent) com técnicas específicas.


Orientovar - Até ao dia 9 de Janeiro vai poder dormir descansado ou ainda há uma série de requisitos para conferir no “check list” organizativo do Meeting Internacional de Arraiolos?

Tiago Aires - Quanto aos mapas e percursos, já estão marcados no terreno todos os pontos da prova com estacas de madeira. O Juiz controlador já visitou os 156 pontos. No mapa da Distância Longa foram feitos oito treinos de Orientação desde Setembro e seis no mapa da Distância Média. As equipas estão todas a trabalhar muito bem, reunindo materiais e construindo outros. Nesta fase, espera-se pelas inscrições, pelo Natal, Ano Novo e claro, que possamos ter dois dias sem chuva, a 9 e 10 de Janeiro de 2010, embora tenhamos tudo igualmente planeado no caso de mau tempo.

Orientovar - Bom gosto, simpatia no acolhimento, bem comer e melhor beber são algumas das imagens de marca da “vila branca de tapetes colorida”. À margem da competição quer deixar alguma sugestão de carácter social, cultural ou turístico?

Tiago Aires - Para quem vem só durante o fim-de-semana, não será fácil estar presente em mais eventos, com o programa do Meeting tão preenchido. O Multiusos de Arraiolos será um palco de demonstração cultural com diversos stands, onde estarão representadas algumas entidades locais.

Orientovar - Se é que ainda existem, deixaria alguma mensagem aos indecisos?

Tiago Aires - Venham participar! Atletas de Elite, competidores, caminheiros e quem nunca ouviu falar de Orientação. Há percursos para todos.

Acompanhe toda a informação na página oficial do evento em
http://www.gafanhori.pt/meeting10/.

Saudações orientistas.

JOAQUIM MARGARIDO

.

3 comentários:

Toño disse...

Well, We are not elite but we will be there. Testing our orienteering skills with "nordic-iberian" maps will be fun.
We are close to young orinenteering clubs, future is yours.
9 orienteers from Castilla y Leon, Spain.

Joaquim Sousa disse...

Parabéns ao Gafanhori, organiza um WRE em ano de estreia a organizar provas da Taça de Portugal e já tem outro WRE atribuído para a próxima época, realmente um feito ao nível de poucos clubes...

Joaquim Sousa

José disse...

Parabéns pelo trabalho desenvolvido na formação e na organização de provas.
Dei-me bem com o novo mapa,aliás já o tinha experimentado em Espanha.
(Só não gostei da cor cerize do traçado entre os pontos no mapa de Bardeiras).
A introdução deste tipo de mapa é inovação dum clube que se quer actualizado.
Gafanhori é um exemplo a seguir.