domingo, 6 de dezembro de 2009

ENTREVISTA: PROFESSOR JORGE CARVALHO


Assinalando o Dia Internacional da Pessoa com Deficiência, o Centro de Medicina e Reabilitação da Região Centro – Rovisco Pais abriu as portas à comunidade escolar, recebendo centena e meia de alunos e professores de Cantanhede, Montemor-o-Velho, Soure e Vagos. Presente, entre outras individualidades, o Professor Jorge Carvalho, responsável do Gabinete Coordenador do Desporto Escolar na particular vertente dos Alunos com Necessidades Educativas Especiais em geral e, em particular, do projecto “O Bicas na Escola”. Da conversa que com ele mantivemos aqui se dá conta.

Habituámo-nos a vê-lo, ao longo dos anos, ligado ao Desporto para a Deficiência, onde assumiu o cargo de Director Técnico Nacional da respectiva Federação. Abandonou esse cargo muito recentemente mas não deixou de continuar ligado àquilo que mais gosta e onde tem desenvolvido um trabalho notável. Falamos do Professor Jorge Carvalho, desde o passado dia 1 de Setembro a exercer funções no Gabinete Coordenador do Desporto Escolar onde é o titular das pastas referentes aos “Alunos com Necessidades Educativas Especiais”, “Gestão de Patrocínios”, “Estudos e Publicações” e a esse autêntico desafio que é o projecto “O Bicas na Escola”.

Aproveitando a sua presença no Centro de Medicina e Reabilitação da Região Centro – Rovisco Pais, numa altura em que aquela unidade hospitalar assinalou o Dia Internacional da Pessoa com Deficiência, quisemos saber mais acerca da pessoa em si, dos projectos do Gabinete Coordenador do Desporto Escolar, deste tipo de iniciativas e daquilo que o futuro nos poderá reservar. Na base da nossa conversa, um tema recorrente: Orientação de Precisão.

“Uma primeira iniciativa envolvendo várias parcerias”
Orientovar – Seria possível situar-nos um pouco mais em relação à sua esfera de intervenção no Gabinete Coordenador do Desporto Escolar?

Professor Jorge Carvalho - O Gabinete Coordenador do Desporto Escolar promove e desenvolve mais de uma dezena de Projectos Especiais e 20.000 eventos de âmbito Local, Regional, Nacional e Internacional em 54 modalidades desportivas. Globalmente, as actividades desenvolvidas mobilizam um conjunto de 130.000 alunos, de 1.312 Escolas, enquadrados em 6.550 Grupos /Equipa por outros tantos Professores responsáveis nas áreas do Ensino e do Treino. São 900.000 alunos, dos 9 aos 18 anos, e cerca de 1.500 Escolas dos 2º e 3º Ciclos dos Ensinos Básico e Secundário, a nível público e privado (Ensino Particular e Cooperativo, Escolas Profissionais, Centros de Recuperação e Instituições de Ensino Especial), que constituem o público-alvo do Desporto Escolar, num universo de 1.500.000 alunos e 7.500 Escolas.

O Gabinete Coordenador do Desporto Escolar encontra-se empenhado em criar as condições para que, já a partir deste Ano Lectivo, um maior número de alunos com Necessidades Educativas Especiais - onde se incluem os alunos com deficiência - tenham acesso e condições de prática de uma actividade física desportiva no âmbito do Desporto Escolar. Esta é a razão pela qual o Gabinete decidiu, pela primeira vez, integrar um profissional com formação, conhecimentos e experiências no domínio do Desporto para Pessoas com Deficiência em geral, e Paralímpico em particular.
Orientovar – Que balanço faz da actividade desenvolvida aqui no CMRRC – Rovisco Pais, assinalando uma data tão especial?

Professor Jorge Carvalho – Foi um dia bastante importante. Podemos dizer que esta é uma primeira iniciativa envolvendo várias parcerias – a Federação Portuguesa de Orientação, a Federação Portuguesa de Desporto para as Pessoas com Deficiência, o Comité Paralímpico de Portugal, o Gabinete Coordenador do Desporto Escolar e, naturalmente, o Centro de Medicina e Reabilitação da Região Centro – Rovisco Pais. Como resultado desse esforço integrado, pude ver centenas de alunos utilizando uma cadeira de rodas naturalmente, partilhando ao mesmo tempo com os utentes desta instituição a presença numa actividade de Orientação de Precisão.

“Uma modalidade riquíssima”

Orientovar – Poderia ter sido outra modalidade, mas a opção foi claramente no sentido da Orientação de Precisão. Que virtudes reconhece nesta modalidade em particular?

Professor Jorge Carvalho - Sendo a Orientação uma modalidade que faz parte do quadro de modalidades do Desporto Escolar, existe uma natural preocupação para que todos os alunos, nomeadamente aqueles com Necessidades Educativas Especiais, possam ter acesso à sua prática. Isto não apenas em termos de objectivos desportivos, mas também em termos de objectivos pedagógicos. Em termos da Escola direi que é uma modalidade riquíssima onde se percebe a interacção com várias disciplinas lectivas, nomeadamente a Geografia, a Matemática e as Ciências Naturais. Há também essa vertente da “Caça ao Tesouro”, essa magia da descoberta do brinde, do prémio.

Recordo-me dos meus tempos de juventude onde tinha a oportunidade dum maior contacto com a natureza. Nessa altura conseguíamos ler o céu e perceber se ia chover ou estar bom tempo, o mesmo acontecendo através do cheiro do ar. Em relação às crianças de agora, esta sensibilidade e estas qualidades estão a desaparecer. Julgo que a Orientação poderá ajudar a desenvolver essas capacidades e a recuperar algo daquilo que se foi perdendo.

Quanto à Orientação de Precisão, trata-se duma disciplina onde tive já oportunidade de fazer formação e desenvolver actividades não apenas no seio da Federação mas também no meio escolar. Sobretudo, não estando em causa competências de natureza física, é possível o desenvolvimento do espírito de equipa através da participação em grupo como ficou hoje aqui demonstrado. Há ainda essa possibilidade da própria família ou daqueles que mais directamente lidam no dia-a-dia com a pessoa deficiente poderem participar. Tudo isto atesta, de facto, a importância desta modalidade.

“Há todo um interesse em que muitas iniciativas do género possam surgir”
Orientovar – Falou já das várias parcerias envolvidas na iniciativa. Em particular no que à Federação Portuguesa de Desporto para as Pessoas com Deficiência, ao Gabinete Coordenador do Desporto Escolar e à Federação Portuguesa de Orientação diz respeito, que iniciativas se poderão continuar a desenvolver no sentido da consolidação do Trail-O / Orientação de Precisão em Portugal?

Professor Jorge Carvalho – É importante esta parceria, em primeiro lugar pelo exemplo dado no sentido de acompanhar os esforços desenvolvidos a nível internacional no particular capítulo da inclusão. Temos de reconhecer a competência da Federação Portuguesa de Orientação como entidade que tutela a Orientação de Precisão e tem os instrumentos para levar por diante este tipo de actividades. A Federação Portuguesa de Desporto para as Pessoas com Deficiência pode também trabalhar junto dos seus clubes e associados, divulgando e promovendo as várias iniciativas que possam vir a ter lugar. E, naturalmente, também no Gabinete Coordenador do Desporto Escolar há todo o interesse em que muitas iniciativas do género possam surgir, uma vez que também aqui se podem desenvolver competências junto dos praticantes com diversos graus de incapacidade de mobilidade, desde as mais tenras idades até se atingirem patamares mais avançados, ao nível da própria competição.Orientovar – Um desejo particular para a modalidade no futuro?

Professor Jorge Carvalho – Esperamos receber em Portugal o Campeonato do Mundo de Orientação do Desporto Escolar em 2013 e, nesse âmbito, projectamos já, pelo menos num quadro de modalidade de demonstração, uma prova de Trail-O / Orientação de Precisão. Em primeiro lugar porque vemos todos os organismos internacionais a trabalhar no sentido da inclusão; e depois porque, mesmo que apenas ao nível da demonstração, uma actividade destas num Campeonato do Mundo acarreta essa possibilidade de se trabalhar no sentido da sensibilização de todos – participantes, entidades envolvidas e público em geral – para esta particular problemática da Pessoa com Deficiência. Numa modalidade reconhecidamente inclusiva e tão fortemente vocacionada para um determinado tipo de limitações ao nível da mobilidade, este será um desejo legítimo e que faz todo o sentido.
Saudações orientistas.

JOAQUIM MARGARIDO

.

Sem comentários: