domingo, 6 de setembro de 2009

NA ORDEM DO DIA: CORRIDAS DE AVENTURA


No seguimento da reunião de 11 de Julho sobre a evolução da Taça de Portugal de Corrida de Aventuras, eis que a discussão conhece agora uma segunda fase, quiçá mais importante, com as propostas de alteração do Regulamento respectivo a serem lançadas para cima da mesa. Um assunto que merece a nossa maior atenção e que está, naturalmente, na ordem do dia.

No passado dia 11 de Julho, a FPO promoveu uma reunião aberta a todos os clubes, atletas e interessados em discutir as várias problemáticas presentes e futuras referentes às Corridas de Aventura. Em cima da mesa muitos assuntos sensíveis, do modelo competitivo das Corridas de Aventura ao preço das inscrições, da Comunicação e Divulgação aos patrocínios, protocolos e apoios, passando pela Formação, Supervisão, Comissão de Avaliação de Provas, iniciativas internacionais e outros. A reunião foi coordenada pelos elementos da actual Comissão de Acompanhamento das Corridas de Aventura da FPO e, do seu desenvolvimento e demais conclusões, nos deu testemunho Eduardo Oliveira, em mensagem publicada no forum FPO em 3 de Agosto e que pode ser recuperada AQUI
.

A criação dum ‘mailing group’ abriu então caminho a várias intervenções de fundo, com os pontos de vista de dezenas de interessados a serem lançados à discussão, numa troca de opiniões que se estendeu ao longo duma produtiva quinzena. José Marques, Rui Marques, Eduardo Ferreira, Jorge Baltazar, José Manta, Luís Santos, Pedro Sampaio, António Neves, Miguel Fernandes, Sílvia Araújo, Raul Silva, Vitor Milheiro, Filipe Gomes, Jorge Pimentel, Maria Amador, João Monteiro, André Ribeirete, Pedro Martinho, Nuno Rapaz, José Neves, Sandra Pacheco, Luís Figueredo, André Herdade e Alexandre Guedes da Silva são apenas alguns dos nomes que juntaram a sua voz à discussão, enriquecendo sobremaneira o debate.

Agora a Comissão de Acompanhamento das Corridas de Aventura da FPO, pela voz de Rui do Vale Gomes, declara-se pronta a apresentar a proposta de alteração do Regulamento da Taça de Portugal de Corridas de Aventura 2009/2010. Uma proposta que, pretendendo ser consensual, leva o Orientovar a juntar a sua voz à da Comissão de Acompanhamento das Corridas de Aventura da FPO, divulgando aqui o documento. Para que todos o possamos analisar e, se assim o entendermos, emitirmos igualmente a nossa opinião.


DOCUMENTO

Caros amigos,

A Comissão de Acompanhamento das CA´s das FPO, reuniu ontem para analisar as diversas propostas que fomos recebendo nestas últimas semanas, com vista à adequação do Regulamento da TPCA para 2009/10.

Para já, pretendemos antes de mais agradecer a todos aqueles que perderam o seu tempo na reflexão e contribuição com ideias e sugestões. É com a colaboração e entreajuda de todos que podemos dar a volta à situação e devolver à disciplina a tendência de crescimento e desenvolvimento que se registou há alguns anos atrás.

Efectivamente, foi este objectivo final de crescimento que balizou as decisões da Comissão de Acompanhamento das Corridas de Aventura da FPO, tomadas numa reunião que se realizou na passada quarta-feira, da qual resultou uma proposta de base de regulamento, para o qual gostaríamos de ouvir as vossas criticas e eventuais considerações, antes de ser fechado o Regulamento.

A crise na disciplina é notória, com a redução significativa de equipas inscritas em cada evento, mas também, com a crescente dificuldade de angariação de organizadores competentes e devidamente capacitados para a realização de provas com a qualidade e rigor que se exige duma competição nacional de atribuição de títulos.

Deste modo, considerámos importante aligeirar algumas regras que serviriam de obstáculo a uma maior participação de equipas já familiarizadas com a disciplina, bem como, manter e reforçar escalões de introdução que permitam o aparecimento de novas equipas. Do mesmo modo, pensamos que um maior número de provas de um dia de duração, poderá permitir o aparecimento de novos organizadores, bem como, de novas equipas que procuram eventos menos complexos para se experimentarem nestas lides.

Ora este aligeiramento, pretendemos que seja compensado com uma maior competitividade e reforço dos factores motivacionais, algo que acreditamos ser possível através de diversas alterações propostas, nomeadamente no funcionamento dos escalões de elite.

Deste modo, e de forma muito resumida, as alterações que se pretendem implementar são as seguintes:


Época 2009/10

1. Fusão dos Escalões de Elite (Masculina e Mista) num único escalão.


2. Manutenção do Escalão Aventura e do Escalão Promoção, em moldes idênticos aos dos anos anteriores.

3. Atribuição de uma bonificação de 5% (em CP´s) às equipas que tenham na sua constituição pelo menos um elemento feminino ou um atleta jovens (menos de 23 anos). Esta bonificação será atribuída apenas aos CP´s realizados pelo atleta feminino ou jovem. Deste modo, a pontuação final da equipa para efeitos de classificação na prova, passará a ter um arredondamento às centésimas. Esta bonificação será atribuída em todos os escalões, às equipas que cumpram os critérios acima mencionados.

4. As equipas que participarão no escalão de Elite terão a seguinte composição:
- No Campeonato Ibérico e Campeonato Nacional de CA´s – três elementos sempre em prova e um elemento exclusivamente para assistência.
- Nas restantes provas da TPCA – quatro elementos por equipa, sendo que haverá sempre três atletas em prova, podendo rodar livremente entre etapas. Não será permitida a participação dos quatro elementos numa única etapa (mesmo em casos de etapas circulares, score, etc…).

5. As equipas que participarão no escalão de Aventura terão a seguinte composição:
- Em todas as provas da TPCA – três elementos por equipa, sendo que haverá sempre dois atletas em prova, podendo rodar livremente entre etapas.

6. Excepcionalmente a época 2009/10 será estendida até Dezembro de 2010, dado que a partir de 2011 a FPO passará a coincidir as épocas desportivas com os anos civis. Deste modo, a FPO irá abrir candidatura à organização de duas provas pontuáveis para a época 2009/10, que se realizarão nos fins-de-semana de 11 e 12 Setembro e 19 e 20 Novembro de 2010, e que poderão ser provas de Distância Longa (dois dias) ou Distância Média (um dia), de acordo com as candidaturas recebidas.

7. Todas as provas terão o mesmo peso no ranking final, independentemente de serem provas de Distância Longa (dois dias) ou Distância Média (um dia).

8. Serão atribuídos, em cada prova e apenas para efeitos de pontuação no ranking:
a) +5 pontos ao vencedor na prova
b) +3 pontos ao segundo classificado na prova
c) +1 ponto ao terceiro classificado na prova

9. Será regulamentado que as provas deverão ter um número médio de CP´s equivalentes, considerando determinado escalão e duração da mesma, deste modo:
a) Nas provas de Distância Longa, o número total de CP´s deverá ser compreendido entre:
i. Elites – 70 a 90 CP´s
ii. Aventura – 55 a 70 CP´s
iii. Promoção – até 40 CP´s
b) Nas Provas de Distância Média, o número total de CP´s deverá ser compreendido entre:
i. Elites - 40 a 60 CP´s
ii. Aventura – 35 a 50 CP´s
iii. Promoção – até 30 CP´s

10. Será regulamentado que os traçadores de percursos deverão criar percursos onde se privilegie a estratégia e capacidade de decisão, e que a equipa vencedora da prova deva realizar pelo menos 90% dos CP´s existentes no percurso e que este, idealmente, seja completamente exequível apenas por uma equipa.

11. Será regulamentado que os percursos de Elite, Aventura e Promoção, deverão ter na sua essência, distâncias e níveis de dificuldade significativamente distintos, pelo que os traçadores de percursos serão sensibilizados no sentido de criar percursos distintos que permitam criar patamares de competitividade e exigência bastante distintos, podendo no entanto ser usados vários CP´s em comum para todos os percursos.

12. A FPO irá propor à FEDO, que a partir do Campeonato Ibérico de 2010, inclusivamente, as representações nacionais sejam asseguradas por três equipas previamente escolhidas (seleccionadas) para cada país participante. Caso essa proposta seja aceite, a FPO irá proceder à selecção das 3 equipas que irão representar Portugal, segundo os seguintes critérios (por ordem de prioridade):
a) Equipa que seja campeã nacional de Elites
b) Equipa melhor classificada no ranking de Elites da TPCA após concluída a prova TPCA anterior ao Campeonato Ibérico.
c) Equipa com um elemento feminino, melhor classificada no ranking de Elites da TPCA após concluída a prova TPCA anterior ao Campeonato Ibérico.

Época 2011

1. Para a época 2011 a FPO pretende lançar um calendário de TPCA composto pelas seguintes provas:
§ Campeonato Ibérico (Distância Longa)
§ Campeonato Nacional (Distância Longa)
§ Dois ou três eventos TPCA de Distância Longa (sendo 1 realizado em Espanha)
§ Um a três Eventos de Distância Média.
Num máximo total de oito eventos pontuáveis para a TPCA, cujo número máximo de eventos que pontuam para o ranking será de definido de acordo com o número de organizações asseguradas.


Assim sendo, gostaríamos de ouvir as vossas opiniões e sugestões de melhoramento, bem como, eventuais falhas ou omissões que possam existir.

Pretendemos tornar pública uma versão provisória do regulamento para discussão até ao dia 15 de Setembro. Até lá, todas as vossas observações são bem-vindas.

Saudações,

A Comissão de Acompanhamento das Corridas de Aventura da FPO

.

Sem comentários: