domingo, 16 de agosto de 2009

WOC MISKOLC 2009: PORTUGUESES FALHAM FINAL A DE DISTÂNCIA MÉDIA

.
O Campeonato do Mundo de Orientação Pedestre assistiu hoje ao arranque da sua 26ª edição, na cidade húngara de Miskolc, com a disputa das séries qualificatórias da prova de Distância Média. Nenhum dos quatro atletas portugueses em prova logrou alcançar um lugar na tão almejada final A, mas os resultados são animadores e abrem boas perspectivas para o muito que se segue.

Três séries de qualificação em cada sector e apuramento directo para a final dos quinze primeiros classificados de cada uma das séries. Foi assente nestas premissas que 113 atletas masculinos e 86 femininos, em representação de 41 países, atacaram o exigente mapa de Bükkszentkereszt, numa zona de floresta com moderado declive e distâncias entre os 5.090 metros e os 5.140 metros para o sector masculino e entre os 4.120 metros e os 4.170 metros para o sector feminino.

Estreante nestas andanças, o ainda júnior Tiago Romão correu a primeira série, concluindo na 20ª posição com o tempo de 30.20, a escassos 1.10 do 15º lugar e da consequente qualificação para a final A, neste caso alcançada pelo austríaco Wolfgang Siegert. Venceu surpreendentemente o ucraniano Pavlo Ushkvarok com o tempo de 26.39, enquanto o suíço Matthias Mueller (2º), o russo Leonid Novikov (4º), o sueco Peter Öberg (6º) ou o Vice-Campeão do Mundo na distância, o checo Michal Smola (10º), alcançavam também eles o apuramento de forma natural. Fora da mais apetecida final ficam dois nomes que, pela sua juventude, se juntam a Tiago Romão: o dinamarquês Christian Bobach e o espanhol Biel Rafols, 26º e 27º classificados, respectivamente.

Pedro Nogueira melhor que Diogo Miguel

A segunda série viu Pedro Nogueira terminar no 22º lugar com o tempo de 32.20. O atleta português falhou a final A por 2.35, cabendo a 15ª posição ao lituano Jonas Vytautas Gvildys. Matthias Merz (Suiça) foi o vencedor com o tempo de 25.47, tendo-se apurado com facilidade ainda o finlandês Tero Föhr (2º), o romeno Ionut Zinca (3º), o italiano Mikhail Mamleev (6º), o norueguês Anders Nordberg (7º), o francês François Gonon (10º) ou o letão Martins Sirmais (12º).

Na terceira série competiu Diogo Miguel - tal como Tiago Romão ainda júnior e estreante em Campeonatos do Mundo - e as coisas aqui correram um pouquinho menos bem. O atleta português quedou-se pela 27ª posição com o tempo de 35.25, enquanto o 15º classificado, o bielorusso Yury Tambasov, gastou menos 4.15. Medalha de bronze nos últimos Mundiais de Olumouc (República Checa,) o russo Valentin Novikov foi o grande vencedor com o tempo de 26.11, relegando para a segunda posição o suíço Daniel Hubmann e para o terceiro lugar o Campeão do Mundo em título, o francês Thierry Gueorgiou. De fora da final, na 16ª posição, quedou-se o espanhol Roger Casal.





Maria Sá esteve perto

Quanto às senhoras, Maria Sá correu na primeira série e, tal como Pedro Nogueira, teve de se contentar com o 22º lugar. A atleta portuguesa gastou 37.08, ficando a 3.55 da búlgara Iliana Shandurkova, 15ª classificada. Simone Niggli, a atleta suiça e melhor orientista de sempre, não quis deixar os seus créditos por mãos alheias e foi a grande vencedora com o tempo de 26.46, à frente da sueca Helena Jansson. Nas duas restantes séries as vitórias couberam à norueguesa Marianne Andersen e à suiça Lea Muller.

A nota de sensação vem do apuramento da chinesa Ji Li, 9ª classificada na segunda série, enquanto a sua compatriota Mingyue Zhu, correndo a primeira série, ficou na 16ª posição e falhando o apuramento por escassos 15 segundos. Uma última palavra para a brasileira Lislaine Link, única atleta sul-americana a marcar presença em Miskolc, que disputou a primeira série (a mesma de Maria Sá) não indo além do 27º lugar com o tempo de 50.14.

A análise de António Aires

Directamente de Miskolc, António Aires comenta desta forma os resultados da representação portuguesa: “Numa primeira análise, fica a sensação generalizada de que é possível e não muito difícil para qualquer um dos nossos atletas a chegada a uma final A. É importante os atletas compreenderem que estão cada vez mais perto dos lugares de topo, de forma a perdermos aquela sensação de inferioridade que limita a confiança e a evolução do atleta, assim como a sua prestação em prova.”

Numa análise às prestações de cada um dos nossos representantes, o Director Técnico Nacional adianta: “Tiago Romão fez um excelente resultado e que, embora tenha já cumprido esta época o seu principal objectivo, o JWOC, fica aqui a 1'10" do apuramento e apenas a 3'28" do primeiro! Pedro Nogueira fez também um dos seus melhores resultados de sempre, mostrando estar realmente num excelente momento de forma e com uma cada vez maior maturidade. Já Diogo Miguel cometeu alguns erros, que o fizeram ficar aquém do seu real valor mostrado este ano no JWOC. Maria Sá fez uma prova segura sem arriscar, não tendo cometido nenhum erro de maior o que lhe valeu também um bom resultado. De referir, a título de curiosidade, que tanto Tiago Romão como Maria Sá, caso corressem na série C, com o tempo que fizeram teriam ambos ficado no 14º lugar, tendo em conta o facto dos percursos das três séries serem teoricamente semelhantes. Uma palavra final para a Selecção Espanhola que teve dois atletas no 16º lugar, um no 17º e outro no 18º... Mais frustrante deve ser difícil!”



As impressões de Maria Sá

Também Maria Sá nos deixou algumas impressões a propósito da sua prestação: “A prova de hoje não correu tão bem como desejava. Apesar da minha aposta ser na prova de amanhã, tinha uma pequena esperança de poder fazer um bom resultado. Dei o meu melhor e fiz o melhor que consegui! Tenho a perfeita noção que o ponto quatro era tecnicamente muito exigente e a diferença de entrar ou não na final estava na velocidade de execução desse ponto. Fi-lo da melhor forma que soube, com cautela, pois se falhasse sabia que perderia muito tempo, uma vez que não existiam quaisquer referências por perto. Encontrei muito bem o ponto, mas a velocidade com que executei não foi a suficiente para entrar na final. De uma forma geral o resto do percurso correu bem, apenas com pequenas falhas de cerca de 10 segundos em três pontos. No final fica uma sensação de maior tranquilidade e confiança para a prova de amanhã e o amargo de saber que, com o meu tempo, era 14ª na série C.”

Amanhã disputam-se as séries qualificatórias da prova de Distância Longa. Pedro Nogueira será o nosso primeiro atleta a partir, assim que forem 9h04 (hora local, menos uma hora em Portugal). Tiago Romão sairá às 9h42 enquanto Diogo Miguel partirá dez minutos mais tarde. Maria Sá tem saída marcada para as 9h27. Tudo para acompanhar em
http://live.woc2009.hu/.

[fotos gentilmente cedidas por António Aires, extraídas do álbum do Grupo de Selecção em
http://picasaweb.google.com/fpo.gso.ped/WOC2009]

Saudações orientistas.

JOAQUIM MARGARIDO

.

Sem comentários: