quinta-feira, 27 de agosto de 2009

OS VERDES ANOS: PATRÍCIA ARROMBA


Olá =)

Chamo-me Patrícia Isabel Sesmaria Arromba, tenho 16 anos e frequento o 10º ano na Escola Secundária c/ 3º CEB de Coruche.

Sempre tive um carinho muito especial pelo desporto e, por isto mesmo, gosto de participar em tudo o que tenha ver com o mesmo. Pratico Futsal há já mais de 3 anos e conheci a Orientação apenas em Julho do ano passado. Foi o COAC - Coruche Outdoor Adventure Club -, clube a que pertenço actualmente e espero continuar a pertencer durante muitos e bons anos, que me deu a conhecer esta modalidade fantástica que é a Orientação.

A minha estreia na modalidade aconteceu apenas a 21 de Setembro de 2008, no XVI Troféu CPOC, em Mora. Aqui participei no escalão de OPT1, naquele que foi o meu primeiro contacto com uma prova, a primeira vez que eu pude saber realmente o que é Orientação, o que é sentir aquele nervosismo e ao mesmo tempo aquela curiosidade do que poderemos encontrar, o medo de não conseguir, enfim… muitas emoções em apenas alguns minutos, pois assim que agarrei no mapa, tudo passou e surgiu apenas uma vontade enorme de descobrir, conseguir e vencer.

A partir deste dia comecei a treinar, comecei a ir a provas e passei de OPT1 para Jovens FB. Neste momento estou a dar os meus primeiros passos em D17, o que me deixa muito satisfeita pois este é um escalão com percursos mais exigentes, tanto a nível físico como a nível técnico, e com atletas muito fortes, o que exige de mim mais esforço ainda.

A minha maior experiência na Orientação aconteceu há muito pouco tempo, no Campeonato Nacional Absoluto, quando fui apurada para a Final Feminina. No início, quando recebi a noticia fiquei muito admirada, pois não estava nada à espera. E aqui surgiu então de novo aquele nervosismo e aquele medo do dia em que peguei num mapa pela primeira vez. Parecia que o tempo de repente tinha voltado atrás, tinha muito medo de não conseguir fazer todo o percurso, afinal eram 9 km, eu tinha muito pouca experiência e iria competir com as melhores atletas a nível Nacional. Acho que estes eram motivos mais que suficientes para estar nervosa.

Comecei a prova sem grandes expectativas, fui a um ritmo constante e muito concentrada no mapa, cometi alguns erros como é natural, um ou dois pontos foram mais complicados de encontrar, mas tudo me correu bem do meu ponto de vista. No ponto de espectadores tanto o meu treinador como os meus colegas puxaram por mim e assim deram-me força para continuar com um ritmo bastante bom. O meu objectivo era ficar nas primeiras 40, e como fiquei em 30º lugar, fiquei radiante, não estava nada à espera de ficar na primeira metade da tabela classificativa.

Para mim, a Orientação é o desporto mais bonito de todos, permitindo-nos ver o quão belo é a natureza e o que esta nos esconde, pois durante as provas e treinos já vi coisas que nunca teria visto se não praticasse esta modalidade. Podemos ver as paisagens mais fantásticas que pensamos que não existem perto de nós e que por vezes estão mesmo ali ao lado, podemos observar os animais, as plantas, a paz, enfim…aquilo que o mundo tem de mais belo. Aliás, não é por acaso que dizemos: “Orientação, o desporto da floresta.”

No futuro… Pretendo continuar a evoluir, pois tenho muito pouca experiência e bastante para aprender. Pretendo continuar a treinar, a ir a provas e estágios para que na próxima época esteja mais forte e para que um dia possa, talvez, atingir o nível das melhores atletas nacionais. Até lá, resta-me trabalhar para tentar ser o melhor possível, pois com trabalho, força de vontade e claro, muito esforço, podemos alcançar objectivos no futuro que, no presente, nunca pensaríamos conseguir alcançar.

Patrícia

.

Sem comentários: