sábado, 4 de julho de 2009

EYOC SERBIA 2009: AS ESTAFETAS DO NOSSO DESCONTENTAMENTO


Acabam de ser divulgados os resultados oficiais da prova de Estafetas dos Campeonatos da Europa de Jovens de Orientação Pedestre JWOC Serbia 2009. Numa manhã quase integralmente dominada pela República Checa, Portugal teve uma participação muito aquém das expectativas.

O melhor resultado foi alcançado no escalão W16, com o seleccionado português a concluir na 12ª posição. Garantindo o primeiro percurso, Vera Alvarez teve um bom início de prova, acabando por comprometer a sua prestação no ponto 9, onde perdeu cerca de seis minutos em relação às atletas melhor posicionadas. A entrega do testemunho foi feita na 12ª posição com o tempo de 44.12. Ana Salgado cumpriu o seu percurso de forma algo irregular, gastando 52.21 e cometendo alguns erros que lhe custaram preciosos minutos. Lançada para o derradeiro percurso na 14ª posição, Rita Rodrigues fez uma prova consentânea com as suas enormes qualidades, recuperando dois lugares e dando a Portugal a 12ª posição, entre 17 equipas, com um tempo total de 2.15.32 e a menos de 4 minutos do top-10. Este acaba por ser o melhor resultado alguma vez alcançado por uma Estafeta portuguesa no EYOC (o ano passado, em Solothurn, tinhamos conseguido um 13º lugar em D16).

A vitória coube à Suiça (Sandrine Müller, Marion Aebi e Lisa Holer) com o tempo de 1.36.16, após luta renhida com a República Checa (Markéta Novotná, Petra Pavlovcová e Vendula Horcicková), que gastou mais 1.50. O terceiro lugar coube à Áustria (Anna Simkovics, Lisa Pacher e Anja Arbter). A Espanha (Cármen Patiño Déniz, Sílvia Martín de Rios e Joana Nuñez Canovas) teve um começo ‘demolidor’, fazendo a primeira entrega do testemunho no 4º lugar, mas com o decorrer da prova acabou por se afundar para terminar na 15ª posição com o tempo de 2.30.18.

Resultado decepcionante

Era no escalão W18 que estavam concitadas as maiores expectativas. A enorme qualidade técnica e atlética dum trio de luxo, formado por Joana Costa, Isabel Sá e Mariana Moreira, aliada à sua experiência em provas internacionais (esta é, para qualquer uma delas, a quinta participação no EYOC) permitiam sonhar com um lugar nos dez primeiros, o que não acabou por suceder. Joana Costa terá acusado o esforço da véspera para um início de prova onde, apesar de regular, foi perdendo sucessivamente segundos atrás de segundos. A atleta portuguesa gastou 37.46, entregando o testemunho na 16ª posição. Isabel Sá sentiu alguma dificuldade em entrar no mapa, recuperou o ritmo de seguida mas baqueou de forma estrondosa no ponto 9 (parece que já é ‘má sina’), perdendo cerca de oito minutos. A atleta de Vila do Conde cumpriu o seu percurso em 47.26, lançando o último percurso na 18ª posição. Mariana Moreira também teve uma entrada no mapa muito complicada, acabando por fazer uma segunda parte do percurso de grande nível e concluindo no 16º lugar da geral com o tempo total de 2.06.53. Completaram a prova 25 equipas.

A vitória no escalão coube à República Checa (Denise Kosová, Karolina Teplá e Madla Svobodná) com o tempo de 1.33.04. A distantes 6.34 terminou a Letónia (Ance Rusova, Mara Peilane e Sabine Tilta) enquanto a Rússia (Zhemal Garaieva, Daria Maslennikova e Elizaveta Davydova) foi a terceira classificada com 1.39.57. A Suiça fez o melhor tempo no percurso inicial por intermédio de Franziska Dörig, acabando por cair para a quinta posição devido às prestações menos conseguidas de Andrea Koch e Eveline Schärli.

.



Outro escalão, a mesma história


Em M18 Portugal alcançou a 18ª posição entre as 27 equipas concorrentes. João Mega Figueiredo teve um começo excepcional - passou em 2º lugar no primeiro rádio-controlo e em primeiro no rádio-controlo imediato, mas infelizmente acabou por comprometer a sua prova no ponto 14 onde perdeu cerca de sete minutos. O atleta entregou o testemunho na 15ª posição com 45.20, com o primeiro lugar a pouco mais de… sete minutos! Filipe Salgado também não esteve feliz, perdendo sucessivos minutos ao longo da sua prova e acabando por gastar 1.03.49, entregando o testemunho no 19º lugar. Paulo Pereira não podia fazer milagres e acabou por fazer uma prova do nível dos anteriores colegas de equipa, concluindo no 18º lugar com 2.40.14.

A República Checa alcançou um triunfo difícil, após duelo cerrado com o seleccionado russo. Os checos (Jirí Necas, Jirí Valenta e Daniel Wolf) completaram a sua prova em 1.59.28, deixando a Rússia (Dmitry Danylchenkov, Gleb Tikhonov e Aurel Pleshkan) a escassos 41 segundos. A Estónia (Raido Mitt, Tauno Tiirats e Kenny Kivikas) concluiu na terceira posição com 2.02.25.

Luís Silva faz “mp”

Finalmente, em M16 assistimos à Estafeta do nosso descontentamento. Rafael Miguel foi o responsável pelo primeiro percurso, teve um desempenho regular e entregou o testemunho a Luís Silva no 14º lugar com 41.18. E aí as esperanças portuguesas numa boa classificação morreram com o “mp” a dois pontos do final do seu percurso, culminando da pior maneira uma prova que, sem deslumbrar, também não comprometia.

A República Checa (Michal Hubácek, Marek Schuster e Filip Hadac) dominou por completo a prova, concluindo com o excelente tempo de 1.42.49. Na segunda posição classificou-se a Suiça (Alexandre Lebet, Simon Wenger e Florian Schneider) com o tempo de 1.50.37, enquanto a Ucrânia (Mykyta Sokolskyy, Oleksiy Byshevets e Volodymyr Seleznov) alcançou a terceira posição com um registo de 1.51.49. A Letónia foi a grande opositora da República Checa nos dois primeiros percursos (Ivars Klavins e Rudolfs Zernis), acabando por cair no derradeiro percurso para a 10ª posição graças à infeliz prestação de Valters Lubinskis. Participaram na prova 23 equipas.

Os restantes portugueses

Foram três os atletas portugueses que ficaram de fora das respectivas equipas, acabando por ser emparelhados com atletas de outros países e tendo, assim, a oportunidade de tomar parte activa nesta grande festa da Orientação que são as Estafetas. Em M16, João Cascalho fez equipa com o austríaco Michael Siemmeister e com o ucraniano Andriy Polovinko. O atleta português não esteve nos seus dias, cumprindo o primeiro percurso em 1.05.07. Globalmente, o conjunto misto gastou 2.47.55.

No escalão W16, Inês Catalão cumpriu o terceiro percurso da sua Estafeta ao lado da romena Xelina Rognean e da ucraniana Yuliya Kravchuk. A portuguesa gastou 52.57 e a sua equipa completou a prova com um total de 2.38.05. Finalmente, Ana Coradinho em W18 integrou uma equipa de apenas dois elementos que, naturalmente, não pontuou. Ainda assim a atleta portuguesa cumpriu o segundo percurso em excelentes 40.09.

Consulte os resultados completos AQUI
.

[slideshow baseado em fotos do álbum oficial da organização em
http://www.eyoc2009.org/?page_id=21]

Saudações orientistas.

JOAQUIM MARGARIDO

.

Sem comentários: