quinta-feira, 7 de maio de 2009

PELO BURACO DA FECHADURA...


Pequena em tamanho mas enorme na ambição e no querer, a Secção de Orientação da Associação 20 km de Almeirim tem a seu cargo a organização dos Campeonatos Nacionais de Sprint e de Distância Média 2008 / 2009. A menos de 48 horas do grande evento, aqui reproduzimos uma entrevista com Nuno Evangelista, um dos pilares da equipa organizativa ribatejana. É ele que nos ajuda a espreitar pelo buraco da fechadura…


Orientovar - Nesta longa caminhada que teve o seu inicio com a atribuição da prova à Secção de Orientação da Associação 20 km de Almeirim, quais os principais passos dados até ao momento e as grandes dificuldades sentidas?

Nuno Evangelista - De facto, não posso deixar de concordar plenamente com a perspectiva supra mencionada, de longa caminhada. Para um clube pequeno como o nosso, traduzir o misto de felicidade e de responsabilidade acrescida que em consciência sabíamos ir encontrar, não é fácil de descrever, mas sendo forte a ambição iniciámos o percurso. Nesse sentido fomos ao encontro de apoios nos mais variados sectores que permitissem adquirir uma base sustentada e forte, essencial à elaboração do projecto. Contactámos as autarquias locais no sentido de viabilizarem as nossas ideias – e faria desde já uma referência ao apoio inexcedível da Câmara Municipal de Almeirim -,com as “forças vivas” da região garantindo o suporte logístico estruturante e claro, a nível institucional, com os demais órgãos e pessoas responsáveis no seio da Federação e da modalidade, que a nós se juntaram. Foram, sem dúvida, passos importantes que necessariamente foram dados. De qualquer forma, e como é óbvio, muitas foram as dificuldades ultrapassadas com a perseverança e idoneidade imprescindíveis a um projecto desta natureza, das quais enumero as dificuldades administrativas sentidas no contacto com algumas edilidades, a burocracia excessiva existente em determinadas áreas e as complicações e pressões “omissas” mas sempre presentes. Para quem, como nós, organiza uma prova desta magnitude pela a primeira vez, é obra.

Orientovar - Foi fácil convencer a Câmara Municipal de Santarém a abrir o seu Centro Histórico à realização do Campeonato Nacional de Sprint?

Nuno Evangelista – Este foi, sem dúvida, um dos pontos sensíveis do projecto. A nossa intenção sempre foi , na eventualidade de nos serem atribuídos os Campeonatos, irmos em busca da solução mais adequada para uma etapa tão específica quanto o Sprint. Isto conduziu-nos a Santarém que, pelas suas características, é garante de qualidade para a realização dos mesmos. Para além de tudo, a cidade é bastante bonita. A aprovação, o “sim” propriamente dito, foi quase que imediato, mas um grande senão aconteceu: Após esse passo, o “feedback” por parte dos responsáveis era inexistente, as nossas solicitações e pedidos não eram sequer respondidas. Parecia que havia um vazio, que a partir de certo ponto um bloqueio subsistia. Como fazer, como organizar um Campeonato Nacional nestes moldes de entendimento? E depois num ápice, depois de tamanha ausência, tudo se transfigurou de forma radical e o apoio formal aconteceu. Solucionados os problemas burocráticos, Santarém-Capital do Gótico espera-vos!

Orientovar - Do ponto de vista dos mapas e terrenos, que atractivos encerra o Nacional de Distância Média?

Nuno Evangelista - O terreno é o típico montado Ribatejano, onde predominam os pormenores de relevo. O mapa é muito idêntico ao do Vale D´Água, utilizado na prova regional em 2007. Sendo indesmentível que não são os melhores terrenos do país, e que como é natural o estereótipo positivo dos terrenos com pedras é neste momento preponderante na modalidade, não posso deixar de afirmar que desafios se encerram para os atletas e alguns atractivos a considerar vão ser certamente motivadores, o que aliado a uma bonita Arena e ponto de espectadores centralizado, bem como ‘loops’ de dispersão para os principais percursos, possa garantir um bom Campeonato Nacional de Distância Média.

Orientovar - Dois dias vão ser curtos para tão ambicioso programa. Quer adiantar algo sobre as iniciativas que estão previstas à margem dos Nacionais, nomeadamente o Orienteering Show e a Acção de Iniciação ao Trail-O?

Nuno Evangelista – Estes são dois pontos que muito sensibilizam a organização. O Orishow pela sua vertente lúdico-desportiva que permite a integração e interacção de todos com a modalidade e, sem dúvida, o grande desafio que constitui o Trail-O, pela forma ainda incipiente dessa disciplina da Orientação no nosso país. Quanto ao Orishow, a iniciativa partiu da Câmara Municipal de Almeirim que nos formulou o pedido e desejo de ter na cidade uma actividade que pudesse englobar e alertar a população do concelho para a modalidade. A ideia foi recebida com agrado e, nesse sentido, conseguimos elevar um pouco a parte lúdica com a presença do balão de ar quente da Escola de Tropas Paraquedistas para um “voo orientado”, e também com uma demonstração de cães de guerra por parte da mesma entidade. Na vertente desportiva, a localização espacial escolhida tem condições ideais para a realização deste género de provas, sendo para além de tudo um parque bonito e agradável. No final haverá o já esperado convívio da Sopa da Pedra.

A Acção de Iniciação ao Trail-O é a novidade de maior realce para todo o fim de semana, surgindo inicialmente de conversas entre nós e a Diana e Albino Magalhães, que já tiveram em outras ocasiões oportunidade de implementar e impulsionar esta variante da orientação. Através desses contactos, a intenção passou a acção e com a ajuda do Joaquim Margarido fechou-se o ciclo indispensável para a sua elaboração. Podemos afirmar que é com muito orgulho e motivação que vamos colaborar com a tão nobre causa do desporto para pessoas portadoras de deficiência e dar o nosso melhor em prol da igualdade social. Assim sendo, gostaria de deixar o meu apelo para que possam deslocar-se até ao parque da zona Norte deixar o maior apoio possível a esta iniciativa.

Orientovar - Uma parte da comunidade orientista manifestou interesse em aplaudir em Almeirim toda a comitiva portuguesa do Desporto Escolar que tão boa conta deu de si em Madrid, há três semanas atrás. Que entendimento faz desta situação a Organização destes Nacionais?

Nuno Evangelista - Uma vez mais os nossos jovens mostraram que o futuro da modalidade em Portugal pode ser brilhante e que, com organização - evitando certos excessos cometidos muitas vezes em relação à evolução, principalmente física, dos nossos atletas nestas idades -, com um apoio sério e entusiasta , entre outros factores, previsivelmente poderemos vir a obter atletas de grande nível. É de salientar a forma como alguns clubes e não só, se entregam à formação, não podendo deixar de destacar nesse sentido, sem querer ser injusto para ninguém, o GafanhOri. A comunidade orientista tem total apoio e completo envolvimento da Organização na concretização desse acto, objectivando a impulsão do nosso desporto no seio da sociedade em geral, demonstrando o potencial existente e o crescimento que a Orientação a breve prazo poderá alcançar graças à juventude e a quem luta por esses objectivos de forma sistemática. Parabéns uma vez mais a toda a comitiva.

Orientovar - Qual a maior ambição da Secção de Orientação da Associação 20 km de Almeirim relativamente a estes Campeonatos?

Nuno Evangelista - A única ambição da Secção de Orientação, à parte do principio da valorização desportiva crucial ao desenvolvimento da modalidade, é a de que possam sentir-se bem entre nós, de nada valendo todos os dividendos que do evento advenham se a experiência não for boa para os participantes. Seria muito motivante que nesse aspecto houvesse uma certa causalidade. A intenção deste pequeno clube prende-se no dever de mostrar trabalho e responsabilidade. Vamos enfrentar o desafio com equidade e humildade, apreendendo o máximo de ensinamentos e positivando a experiência. Na razão de ser da nossa existência: A Orientação. Sejam muito bem vindos a Almeirim!

[informações completas sobre o evento AQUI]

Saudações orientistas.

JOAQUIM MARGARIDO

.

Sem comentários: