quarta-feira, 20 de maio de 2009

DUAS OU TRÊS COISAS QUE EU SEI DELA...


1. Atenta e disponível como sempre, Ana Carreira reparou que a notícia sobre a 8ª etapa do III Ori-Alentejo não vinha acompanhada da habitual fotografia. Vai daí, enviou-me oito momentos para mais tarde recordar, um dos quais escolhido por mim para ilustrar estas “duas ou três coisas que eu sei dela…” A Ana explica que “a autoria das fotos é da família Carreira / Porta Nova, que resolveu fazer uma pequena reportagem fotográfica depois do ponto de espectadores”. E fez-me ainda saber que “foi nestes espectaculares e difíceis terrenos que teve lugar a primeira Taça dos Países Latinos, que se realizou em Portugal, nos idos de 1998”. Aqui fica o meu agradecimento público à Ana e, já agora, digam lá se não é uma delícia ter visitantes assim atentos e interessados no Orientovar?

2. Por falar em visitantes atentos e interessados, António Aires traz até nós a história dum “desconhecido no V Troféu Ori-BTT do CPOC” do passado sábado, contando que “estava já com o filho a comer na zona do estacionamento da prova, quando surgem dois atletas - por sinal os únicos que a organização ainda esperava na chegada da prova da manhã - completamente perdidos a dizer que lhes faltavam três pontos, mas que não iam desistir.” António Aires prestou-se a dar a ambos algumas indicações para tentarem perceber onde estavam, eis senão quando surge um amigo deles que tinha terminado a prova há bastante tempo (até já tinha ido ao McDonalds almoçar, segundo o próprio) e se oferece para voltar à floresta e ajudá-los a concluir a prova. Mas deixemos que seja António Aires a completar a história: “Algum tempo depois de eles abalarem, vou até à chegada para ver como estavam as coisas e eis que me deparo com os três orientistas, sendo que o que tinha ido ajudar estava no chão a sangrar bastante, como resultado de uma queda já na chegada. Resultado: hospital e meia dúzia de pontos no joelho…” António Aires define a situação como “o Azar da Semana”. E eu não posso estar mais de acordo com ele!

3. Miguel Reis e Silva parece andar, também ele, em maré de azar. Pelo menos é isso que se depreende da mensagem publicada ontem no seu excelente blogue e intitulada “Everyday pains…” [veja AQUI]. Depois duma lesão meniscal que comprometeu uma boa parte da temporada passada do atleta, agora o problema parece ser uma fasceíte plantar. No seu artigo, Miguel Silva detalha as duas situações e apresenta soluções que podem ajudar, pelo menos temporariamente, a resolver o problema: gelo e bolas de golfe (!). E termina enumerando os próximos desafios: Uma semana de treino na Finlândia no início de Junho mas, antes disso, os Universitários e os Absolutos, sobretudo estes últimos. Lesões à parte, é para eles que Miguel Silva se prepara arduamente, com a noção de que, após os títulos nacionais de Sprint e de Distância Média, não há duas sem três. A ver vamos!

4. Granjeou 61 pontos na jornada dupla de Sesto Calende, saltou 13 degraus na classificação e ocupa agora o 22º lugar do ‘ranking’ mundial, o melhor alguma vez alcançado por um atleta português na fascinante disciplina da Orientação em BTT. Falo, claro está, de Daniel Marques, um atleta que começa a colher os frutos da aposta que está a fazer na participação em provas WRE no estrangeiro para, como ele correctamente avalia, “testarmos as nossas capacidades, mas também para a interacção com atletas mais experientes e credenciados com o objectivo de haver uma habituação a um ambiente competitivo mais intenso”. Pela regularidade de bons resultados no estrangeiro, pela coragem de seguir em frente apesar da escassez de apoios e das naturais limitações de ordem financeira, pela posição que agora ocupa com inteiro mérito e por direito próprio e pelo seu carácter de atleta exemplar, para Daniel Marques vai, com a maior admiração e estima, o Louvor da Semana!

Saudações orientistas.

JOAQUIM MARGARIDO

.

Sem comentários: