terça-feira, 19 de maio de 2009

DANIEL MARQUES NO RESCALDO DA VIAGEM A ITÁLIA


Regressado da aventura de mais um fim-de-semana sobre rodas, Daniel Marques descreve para o Orientovar a sua participação nos Campeonatos Nacionais de Itália de Sprint e Distância Média em Ori-BTT.

Um 5º lugar na prova de Sprint e um 7º lugar na prova de Distância Média. Tal foi o saldo da participação de Daniel Marques em Sesto Calende – Taino (Itália), no decurso dos Campeonatos Nacionais transalpinos em Ori-BTT. “Foi com um grande espírito de iniciativa e determinação que decidi participar”, começou por referir o atleta, para quem “o contacto internacional é importante não só para testarmos as nossas capacidades, mas também para a interacção com atletas mais experientes e credenciados com o objectivo de haver uma habituação a um ambiente competitivo mais intenso.” Mas este tipo de participações encerra ainda um objectivo muito especial: “Já tenho bons amigos de vários países e é sempre bom lembrar que a Orientação é um desporto com muito valor social e humano, por isso estas experiências internacionais são sempre muito enriquecedoras”, afirma.

A aventura em Itália, todavia, não começou muito bem. Daniel Marques explica o porquê: “O meu voo foi adiado, cheguei ao Aeroporto sexta-feira à noite e a organização não teve meios para me ir buscar. Tive que recorrer a um taxi que, depois duma viagem atribulada a passar contínuos sinais vermelhos e sempre com comentários nervosos do tipo "mamma mia" e "porca miseria", apresentou uma conta "piu cara"!” Após uma noite repousada, a manhã de sábado foi aproveitada para um treino de descompressão e de verificação da bicicleta, com nova peripécia atribulada, desta feita o corte do pneu traseiro ‘tubeless’, que teve como solução a colocação duma câmara de ar.

Passando à parte competitiva, vejamos o que nos diz o atleta do COC: “A prova de Sprint foi bastante ‘comprida’, em boa verdade mais parecendo uma Distância Média, com o meu percurso a ter aproximadamente 14 km na melhor opção.” Num mapa à escala de 1:10 000 e dois ‘loops’ com uma troca de mapa, Daniel Marques adianta que “cometi alguns erros, perdi um minuto logo no 3º ponto do primeiro ‘loop’, mas penso que entrei tranquilo num mapa que era bastante exigente de navegação, visto que a qualidade dos caminhos era muito má e muitos cruzamentos estavam tapados por alguma vegetação. Foi muito difícil ler o mapa em andamento.” Ainda assim, o atleta revela-se “contente com a minha prestação, ainda para mais sabendo que tive uma queda da qual resultou um problema no pneu dianteiro – furo - a um quilómetro da meta e a 4 pontos do final, tendo perdido cerca de um minuto e meio neste troço.”

Quanto à prova de Distância Média, Daniel Marques classifica-a de “muito exigente”. O mapa era à escala de 1:15 000, uma boa rede de caminhos de progressão lenta e bastante desnível, que para o nosso campeão apresentou “um elevado grau de dificuldade, tanto a nível físico como a nível técnico.” Apesar do 7º lugar final, à frente de nomes como os do suíço Simon Seger ou do francês Matthieu Barthelemy, Daniel Marques confessa não ter ficado contente com a sua prestação: “Estive bem até metade da prova, altura em que cometi um erro de navegação comprometedor, fruto de um momento de desconcentração, já que o posto de controlo nº 11 era simultaneamente o 19º e fiz orientação directamente desse ponto para o 20º ponto.” Para além de algum abaixamento de ritmo até ao final, este erro custou dois minutos ao atleta português, numa altura em que seguia no 2º lugar da classificação geral. A concluir: “O 7º lugar foi um resultado satisfatório, mas poderia ter sido bastante melhor, visto que as diferenças de tempo foram minimalistas.”

Mapa extraído do excelente blogue de Daniel Marques em
http://dani-oribtt.blogspot.com/.

Saudações orientistas.

JOAQUIM MARGARIDO

.

Sem comentários: