sábado, 18 de abril de 2009

2009 ISF WORLD SCHOOL CHAMPIONSHIP ORIENTEERING MADRID: A PALAVRA ÀS OUTRAS DELEGAÇÕES

Ora aqui está uma bela surpresa. Com a inestimável colaboração de Inês Barroso e Ricardo Chumbinho, o Orientovar abraça as restantes comitivas, auscultando as opiniões dos Chefes de Delegação da Estónia, Eslovénia e Israel.

Perguntas:
1 – O que pensa da organização deste Campeonato do Mundo?
2 – Relativamente aos aspectos técnicos da competição, qual o seu parecer?
3 – O que espera destes Campeonatos?
4 – Quer partilhar connosco um momento especial que tenha sido vivido pela vossa comitiva?

.

KATLIN LAUR
(ESTÓNIA)


1
- Em termos de comparação, só estive na edição de 2008 (Escócia) e considero que esta organização é muito melhor. Claro que há sempre aspectos que podem ser corrigidos, mas nos aspectos gerais, está muito bem.

2 – Tecnicamente, a prova de ontem estava muito bem conseguida. O grau de exigência física era elevado, com muito desnível (distintas curvas de nível). No nosso país, os espaços onde se pratica Orientação são similares, mas não apresentam curvas de nível tão pronunciadas.

3 – Eu espero medalhas… mas o nível competitivo é muito elevado. A nossa comitiva é pequena (apenas 9 atletas em 3 equipas), mas é técnica e fisicamente muito forte.

4 – A cerimónia de abertura foi um momento marcante. Apesar de simples foi muito bonita. O desfile pelas ruas foi emocionante.


MARIJAN MRZEK
(ESLOVÉNIA)


1 – Boa organização. Comparativamente à Escócia: fenomenal!

2 – Tecnicamente, a prova de Distância Longa estava muito bem estruturada. O terreno é semelhante aos do nosso país. A última parte da prova é que era muito difícil, muito exigente em termos físicos.

3 – As medalhas não são importantes! Espero que regressemos a casa, bem de saúde e felizes. Em termos de classificações alguns dos nossos jovens ficaram aquém das expectativas, outros superaram-nas.

4 – Vou contar-vos uma situação engraçada: hoje, em Madrid, quando precisávamos de viajar de Metro, comprámos os bilhetes errados… Imaginem o que nos aconteceu…
Apareceu um segurança, que amavelmente queria falar connosco, mas … nem ele nos entendia, nem nós a ele. Gentilmente, resgatou o dinheiro dos bilhetes, foi comprar-nos os bilhetes correctos e foi acompanhar-nos exactamente ao piso e à linha que pretendíamos.
Curioso e particular: eu, com a minha altura (2, 06m) e a minha comitiva tivemos segurança particular.



DAVID LOTS
TAL
(ISRAEL)


1 – Muito boa organização. Em 10 valores, 8 ou 9 seria a classificação que lhe atribuíamos. Melhor em Espanha, que na Escócia.

2 – Tecnicamente a prova foi muito boa. Os mapas estão extremamente bem elaborados, comparativamente a Israel; lêem-se imediatamente.

3 – Não estamos preocupados com resultados! O mais importante é conhecermos pessoas de vários países, novos lugares do mundo e facultar experiências diferentes e ricas aos nossos jovens. Queremos que conheçam outras formas de estar na vida.

4 – O caminhar nas ruas, durante o desfile e a própria Cerimónia de Abertura. Foi muito bonito. Gostaria de referir ainda que Portugal é “nice people”! Podemos até dizer-lhes que a nossa comitiva, os nossos miúdos, votaram em Portugal para o prémio ‘Fair-Play’.

[fotos gentilmente cedidas por Ricardo Chumbinho]

Saudações orientistas.

JOAQUIM MARGARIDO

.

Sem comentários: