segunda-feira, 20 de abril de 2009

2009 ISF WORLD SCHOOL CHAMPIONSHIP ORIENTEERING MADRID: MAIS ALGUMAS IMPRESSÕES


Na recta final da grande maratona jornalística que tomou conta do Orientovar nos últimos dias, tempo ainda para ouvir mais alguns elementos da nossa comitiva. Damos a palavra, pois, ao Paulo Falcão e ao Professor Hélder Ferreira.

“Na minha perspectiva, o ISF 2009 foi bom em geral. Gostei da organização, dos terrenos, do traçar do percurso e de conhecer pessoas novas. Quanto aos aspectos menos bons, só tenho a referir o facto de não gostar muito da alimentação.

Ao falar da minha prestação penso que poderia ter sido melhor. Tanto na Longa como na Média nunca fiz bons resultados, devido talvez ao facto dos nervos e também por estar pela primeira vez numa prova internacional a representar Portugal. Gostei muito desta prova pois conhecemos muita gente e também melhoramos relações entre os portugueses.

Existiram muitas situações engraçadas, como jogar ping-pong com a comitiva da China no dia da abertura, utilizando as placas com o nome do país. Outra situação engraçada foi no dia da Média quando chegámos ao autocarro e o condutor não sabia das chaves, mas tudo acabou por se resolver. Também uma outra situação engraçada foi com as pessoas que podíamos conhecer durante as curtas viagens de elevador no nosso hotel.

A prova que mais me marcou foi a Estafeta da Amizade porque tínhamos de fazer uma prova com outras duas pessoas que não conhecíamos e que eram de línguas diferentes, logo punha-se o desafio de encontrar os dois colegas de equipa e tentar planear a melhor táctica para a execução da prova.

Gostei muito de participar e, depois desta minha estreia, espero evoluir mais e tentar representar o país em outras competições na modalidade de Orientação. Por fim gostava de felicitar todos os colegas pelos bons resultados e principalmente a Vera Alvarez e a Inês Catalão pelo facto de terem conseguido alcançar o 2º lugar na prova de Distância Média, e também às juvenis femininas da Escola Cunha Rivara pelo 2º lugar colectivo na soma das duas provas.”

Paulo Falcão (EB 2,3 Cunha Rivara)


“Para mim o regresso ao ISF, após ter estado na primeira presença de Orientação de Desporto Escolar em 1997 (Cuneo, Itália), fica marcado pela grande expectativa em termos de resultados no seio da comitiva portuguesa. Tenho acompanhado por perto o desenvolvimento da Orientação nos jovens e desde 1997 a evolução tem sido enorme. Hoje temos um conjunto bastante razoável de jovens para que num futuro próximo possam navegar com índices elevados de sucesso com os melhores atletas juniores do mundo. É bem visível esta evolução gradual e sustentada da comitiva portuguesa de Desporto Escolar de Orientação nos presentes Mundiais, sendo a sua postura e dedicação bem acima da média, podemos mesmo dizer excelente.

A mentalidade destes jovens está a mudar. Já tinha referido este aspecto anteriormente nos vários estágios realizados em diferentes regiões do país. Enquanto num passado recente tínhamos cerca de dois ou três jovens com vontade e ambição de evoluir para outros objectivos, hoje possuímos um lote de quase trinta jovens com outras perspectivas perante a modalidade, manifestadas na sua garra e personalidade adequada a uma natural transição para as provas internacionais.

Tal como aconteceu no final do século XX, onde se verificou uma aproximação entre o Desporto Escolar e a Federação Portuguesa de Orientação, existe agora uma ligação muito forte entre estas duas estruturas. Os clubes começam a interagir entre si e com os grupos-equipas de Desporto Escolar sem medo de trocar experiências e conhecimentos, organizando estágios, o que leva os jovens das várias regiões do país a encontros e provas enriquecedoras para a sua evolução enquanto atletas e pessoas.

Estamos na direcção certa e os resultados deste ISF são reflexo disso mesmo. Considero mesmo que estes foram muito bons. Nos Iniciados, em que é sempre possível alcançar bons resultados, mais uma vez se conseguiu uma excelente prestação. Nos Juvenis, em que o grau de exigência é extremamente elevado, sendo para muitos países o inicio da pré-selecção para os juniores, o atingir patamares altos podia ter seria mais difícil, no entanto foram alcançados bons resultados - diria mesmo excelentes! - em que as duas jovens promessas da Orientação nacional conseguiram atingir as metas desejadas. Nos rapazes juvenis, estão no caminho certo mas devem trabalhar muito mais…

Em termos gerais, a comitiva Portuguesa atingiu bons resultados, aos quais não deve ficar agarrada, sendo necessário trabalhar de forma afincada e com o devido acompanhamento.

É preciso agora ter coragem e manter as comitivas completas (equipas de Escola e Selecção), permitindo assim que um grande número de alunos com muito boa qualidade e prestações possam representar com grande dignidade a comitiva portuguesa de Desporto Escolar nos próximos Campeonatos do Mundo ISF em Itália 2011 e Portugal 2013. Será importante não perder esta estrutura e estratégia para que, em 2013, estejamos na máxima forma, atingindo o ouro em individuais e por equipas de Escola e por Selecção.

Uma das estratégias que foi fundamental para o sucesso da comitiva foi o facto de ser acompanhada por um elemento da Federação Portuguesa de Orientação, nomadamente o Tiago Aires. O facto de lidar com estes jovens em vários estágios anteriormente organizados e a sua paixão pela modalidade, permitiu a transmissão de conhecimentos.

Foi também agradável durante este ISF os vários diálogos com diferentes comitivas e o facto de se continuar a falar do ISF de 2002 realizado em Portugal, considerada por muitos, passados estes anos todos, como a melhor organização destes campeonatos. Será importante ter isso em conta e que Portugal consiga organizar o evento em 2013 e que se apresente com os melhores atletas de sempre. Após esta organização será fundamental que se lance o grande desafio e que caiba a Portugal organizar os JWOC, de forma a dar o grande salto para o sucesso internacional nesta modalidade.

Deixo por fim o relato do jovem sueco Martin Regborn, Campeão do Mundo de ambas as distâncias Longa e Média do ISF 2009:

“I start, i begin to go down on a vertiginous way but i can't fail,
the minimum mistake puts me out;
Yeah, i've made it,
I rise,
I drop,
be careful, that cliff,
I must be sure,
I must attack from below;
left, right, i've arrived to the top
I have lack of oxygen but I can't stop my pace
I have to continue, two more control points – he says to himself,
keep going, don´t fail
I´m arriving at the end – I am exhausted but I have to continue.
Control point 200
I am going to die…
Go!Go!Go! I heard them, Go!Go!…
I can not fail;
I am in the finishing line,
I open my eyes and the paramedics are assisting me.
I am in the top of the podium…
I am the winner of the world school´s championship and, a panoramic view, from the highest point I see the forest, the river and a beautiful city called Alcalá.
I look the sky and I say…
Thanks, in Spain a dream has been made real”


Professor Hélder Ferreira (EB 2,3 Guilherme Stephens)
.
[fotos gentilmente cedidas por Ricardo Chumbinho]

Saudações orientistas.

JOAQUIM MARGARIDO

.

Sem comentários: