quarta-feira, 22 de abril de 2009

10MILA 2009: PARTICIPAÇÃO MEMORÁVEL DE TIAGO ROMÃO


Disputou-se no passado fim-de-semana mais uma edição da popular Tiomila, prova de Orientação Pedestre de Estafeta que, desde 1945, tem lugar na Suécia. Integrando a equipa do OK Klemmingen, o português Tiago Romão foi um participante muito especial, partilhando aqui e agora com todos os leitores do Orientovar uma experiência que classifica de “memorável”.


O Tiomila foi verdadeiramente uma experiência memorável que irei relembrar certamente por muito tempo.

A minha participação surgiu na sequência de um convite feito por um clube sueco, à qual eu me mostrei disponível. O OK Klemmingen é um clube pequeno de uma cidade chamada Gnesta, a cerca de 60 km de Estocolmo. Este é um clube que já me acolheu por duas vezes, durante as quais tive oportunidade de fazer alguns treinos técnicos. O ambiente é muito bom e todos são extremamente simpáticos comigo. Para quem não conhece, este clube já acolheu e foi representado diversas vezes pelo letão Martins Sirmais.


ANTES…

Era meio-dia da passada quinta-feira e saía da aulas. Seguir de comboio para o Porto e lá fui eu, com uma bela mala, apanhar um voo para Londres (Standsted). Chegado a Londres tive de pernoitar lá, num canto maravilhoso, num verdadeiro solo bem duro.

Cinco da manhã! Toca a apanhar o voo para Estocolmo. Aí chegado, encontro dois dos meus colegas de equipa vindos de Riga (Andris Jubelis e Andis Laveikis). Seguimos de autocarro até Gnesta. Foi então tempo de descansar, contudo ainda fui fazer uma corridinha leve por um mapa bem junto à casa do clube.

Sábado de manhã juntámo-nos todos junto à casa do clube e lá fomos numa carrinha para uma viajem de 6 horas até Klippan (local da prova). Chegados ao estacionamento pegámos nas malas e fizemos um caminho de cerca de 1,5 km até à Arena. Aí tudo começou! Viam-se tendas de clubes por tudo o que era lado, uma enorme loja de material desportivo montada dentro de uma tenda, pontos de comida e, ao fundo, sobressaia um enorme ecrã onde já se assistia a imagens do decorrer da prova feminina, tanto por câmaras no terreno como por sistema GPS que as principais equipas levavam. Anne Margrethe Hausken chega ao fim isolada e todos os presentes na Arena aplaudem perante os festejos do Halden Skiklubb, a equipa vencedora. Entretanto o ambiente acalma e as pessoas dispersam um pouco da zona de sprint final e transmissão de testemunho.

A noite começa a chegar e um nervoso miudinho invade-me pois seria a minha primeira vez numa competição tão imponente. Toda a equipa é chamada para reunir e então analisamos o tempo que cada elemento fará para que os outros possam descansar. Palavras de incentivo são trocadas entre a equipa e o treinador que está sempre na zona de espectadores com bússolas e frontais suplentes para o caso de algum problema. Aproximam-se as 9 horas da noite e instala-se um enorme frio, enquanto os primeiros elementos das equipas tentam manter-se quentes perante a correria dos espectadores em busca do melhor lugar para assistir a esta magnifica partida em massa.

… DURANTE…

É dado o tiro de partida e um enorme clarão, provocado pelos potentes frontais, invade a floresta para longe dos nossos olhares. O ecrã que de dia podia não ser muito perceptível, de noite transforma-se no centro das atenções. Os atletas que haviam corrido o percurso dos jovens e as mulheres, instalam-se em sacos-camas, bem em frente ao ecrã, como se fossem assistir a um filme.

Os comentários do ‘speaker’ são bastante efusivos, apesar de serem quase sempre em sueco. Uma câmara colocada no meio da floresta começa a captar os primeiros focos em direcção a um ponto de controlo. Este cenário repete-se em vários pontos e entretanto chegam os primeiros atletas. O segundo elemento da minha equipa parte e é então que tenho de ir dormir. As previsões são que eu parta pelas oito da manhã. O frio é imenso, 1 grau negativo e, mesmo com dois sacos-cama, é quase impossível dormir, face ao enorme frio e à minha impaciência.

Acordam-me e dizem-me que faltará cerca de uma hora e quarenta para eu partir. Coloco a cabeça de fora e questiono-me se conseguirei equipar-me e ir correr. Lá tem de ser. Fora da tenda existe um enorme manto branco de gelo. As camisolas de competição deixadas pelos primeiros elementos lá fora estão congeladas. Uma corridinha para aquecer e, ao chegar à zona central da Arena, assisto à grande vitória do Kristiansand OK através da chegada de Daniel Hubmann. Alguns minutos depois lá vem o meu companheiro de equipa. Finalmente estou a correr uma Tiomila e o meu resultado final será o resultado da equipa.

Entro bem no mapa e faço a primeira pernada longa de forma bastante segura. Segue-se uma zona com muitos pontos e é então que alcanço um grupo de cinco atletas que, tendo partido poucos segundos depois de mim, ganharam algum tempo na opção longa. Na segunda opção longa, ao atravessarmos uma zona bastante pantanosa e plana, perdemos a direcção e desviámos para a direita perdendo aí algum tempo.

Mesmo antes da passagem pelo ponto de espectadores existiam bastantes variantes numa zona de floresta bem fechada. Faço os meus pontos com segurança, volto a encontrar os outros atletas e é então que cada um se quer destacar. Nesta altura acompanho sempre os atletas mais dianteiros e para o ponto antes do 200 já tinha a opção bem estudada e então decido atacar. É neste momento que consigo ultrapassar e chegar na dianteira de todo o grupo. Concluí os 16,1 km em 1:40, recuperando 12 lugares para a equipa, terminando em 106º e alcançando assim o melhor resultado de sempre.

… E DEPOIS!

Não se tratando de um terreno difícil é porém extremamente duro correr pelas enormes áreas pantanosas. Fiquei contente com a minha prova.

Em relação à organização não posso fazer comparações, pois esta foi a minha primeira Tiomila. Contudo achei um profissionalismo extraordinário, onde nada foi deixado ao acaso.

Pessoalmente sinto que foi uma experiência extremamente enriquecedora e acho que me safei bem para quem fez a primeira Tiomila da sua vida.



Consulte aqui os RESULTADOS
.

Confira as impressões de alguns dos ilustres participantes, nomeadamente
CÉLINE DODIN, ANDRAS SZABO, EVA JURENIKOVÁ, ANDERS NORDBERG, THOMAS DLABAJA, DANIEL HUBMANN, WOJCIECH KOWALSKI, EMILIANO CORONA, PATRICK HOFMEISTER, MARIA SÁ, ANNE MARGRETHE HAUSKEN, ALESSIO TENANI, RAHEL FRIEDERICH E THIERRY GUEORGIOU.

[foto gentilmente cedida por Tiago Romão]

Saudações orientistas.

JOAQUIM MARGARIDO

.

1 comentário:

Mário Santos disse...

Parabéns ao Tiago pela magnífica prestação e pela experiência que nos contou na primeira pessoa.

Graças ao Orientovar que o anunciou oportunamente, tive a oportunidade de ir acompanhando online a 10MILA2009 vendo quando é que o Tiago ia entrar em acção... e logo na altura fiquei com a impressão da grandeza da prova e da boa prestação do Tiago a quem coube a honra de cortar a meta.

Decerto ganhou o lugar na Equipa e não me admiraria se para o ano o OK Klemmingen o convidasse novamente. Correr, no mesmo percurso, com todos aqueles nomes sonantes de classe mundial, deve ser uma experiência inesquecível.

Saudações,

Mário