sexta-feira, 27 de fevereiro de 2009

POM'09: A PALAVRA AOS ORGANIZADORES


O Portugal O’Meeting 2009 chega ao fim. Por detrás do enorme êxito que constituíram os quatro dias do evento, encontramos uma equipa organizativa atenta e empenhada, que tudo fez para levar a bom porto tão imensa nau. Cabe aos seus responsáveis a palavra final.


ANTÓNIO RODRIGUES: “QUALQUER ORIENTISTA PORTUGUÊS DEVE SENTIR-SE ORGULHOSO”

“Os elementos envolvidos na Organização merecem um grande louvor e uma grande homenagem pública. Foram todos inexcedíveis na entrega e dedicação, não só nestes quatro dias do evento mas durante toda a preparação que decorreu ao longo dos últimos dois anos.”

“Correu tudo muito bem, os pequenos pormenores foram sendo resolvidos atempadamente e a contento de todos e estamos muito satisfeitos com o resultado final. Foram muitos aqueles que fizeram questão de demonstrar o seu reconhecimento por estes quatro dias maravilhosos.”

“Independentemente da minha ligação ao CPOC e na qualidade de Presidente da Federação Portuguesa de Orientação julgo que qualquer orientista português deve sentir-se orgulhoso de um clube português ter organizado uma competição desta natureza e com esta qualidade.”

António Rodrigues
Director do Portugal O’Meeting 2009
Presidente da Federação Portuguesa de Orientação
.

JOSÉ MANUEL SINOGAS: “AS NOSSAS PORTAS ESTARÃO SEMPRE ABERTAS”

“Mora possui condições excelentes para a prática duma modalidade como a Orientação. Temos um património natural único, os nossos montados são estes e julgo que nos escolheram por isso mesmo. Somos a única autarquia do País certificada pela norma 14.001, precisamente pelo cuidado que temos com o ambiente. O único Fluviário da Europa, por exemplo, está em Mora. Tudo o que sejam eventos que nos liguem ao ambiente, é sempre com enorme satisfação que os recebemos no nosso Concelho. Temos, na verdade, uma verdadeira paixão pelo ambiente.”

“São muito importantes para nós estes eventos. Estamos habituados a fazer muitos de carácter internacional na área da pesca e, na Orientação, é o segundo que fazemos. Isto é muito importante para um pequeno Concelho como o nosso e traz-nos sempre muito movimento e, naturalmente, desenvolvimento.”

“Mora deixou de ser um Concelho de passagem para a Beira Baixa e tem vindo a tornar-se um Concelho de destino. Hoje vem-se a Mora à caça, vem-se a Mora à pesca, vem-se a Mora ao Fluviário, vem-se à Mora à Orientação, vem-se à Mora pela gastronomia. Ou seja, Mora tornou-se num destino turístico por excelência deste nosso Portugal. Estamos plenamente satisfeitos com o que aqui se passou, dou os parabéns à Organização e, quando pretenderem voltar, as nossas portas estarão sempre abertas a recebê-los e a colaborar com eles.”

José Manuel Sinogas
Presidente da Câmara Municipal de Mora
.

LUÍS SANTOS: “AS PEÇAS TODAS QUE ENCAIXAM”

“Como Presidente do CPOC, os meus sentimentos são todos como responsável deste grupo que juntámos aqui. As minhas responsabilidades como Director-Técnico da prova foram efectivas, mas a minha percepção é mais global e não se cinge exclusivamente à parte técnica. Nesta perspectiva, aquilo que posso afirmar é que me sinto completamente realizado. Acho que só tinha tido esta sensação quando organizámos aqui um evento internacional em 2006, embora agora, claramente, a escala seja bem diferente.”

“Esta equipa trabalhou muito bem. Não vou citar nomes, somos cerca de 80 elementos e o espírito do grupo foi fantástico. Parafraseando um dos nossos elementos, são “as peças todas que encaixam”, e só estou a citá-lo porque não encontro melhor forma de descrever a dinâmica no seio deste grupo.”

“Optámos por um evento progressivo, começando por um mapa mais suave, um segundo mais físico mas não tão técnico e depois guardar os melhores mapas para os últimos dias, seguros do impacto positivo que isso traria. Foi uma opção clara da nossa parte em não escolher quatro terrenos desta qualidade, pensando que seria um exagero de mapas muito técnicos.”

“Fizemos uma aposta clara para que o World Ranking Event fosse em Distância Longa. Para tal, tivemos que nos cingir à regra da IOF que determina um mapa à escala de 1:15 000. Gostaríamos de ter feito aqui a prova WRE a 1:10 000 já que ninguém ia conseguir ler este terreno a 1:15 000. Mas para evitar problemas e dada a dimensão deste evento, optámos por levar a prova de Distância Longa para a Serra de Briços e para terrenos melhor cartografáveis a 1:15 000. Na minha opinião, esta imposição da IOF é castradora e deve mudar. Este mapa do Monte do Remendo é a prova provada de que algo deve ser feito nesse sentido.”

“Foi essencial o apoio no terreno da Câmara Municipal de Mora. Sem esse apoio, nunca teríamos conseguido fazer as coisas com este detalhe e com este nível de qualidade. Tivemos connosco, a tempo inteiro, dez a quinze pessoas da Câmara. E quero frisar, a tempo inteiro! Tivemos as pessoas, tivemos as casas delas se preciso fosse, tivemos a sua ajuda de corpo e alma. Quando viemos pela primeira vez para Mora, assinámos um protocolo com a Câmara Municipal que culminava com este Portugal O’Meeting. Neste momento já temos uma prova da Taça de Portugal agendada para aqui e é nossa intenção potenciar estes mapas e criar condições para que a Orientação se mantenha e desnvolva aqui. E que seja aproveitada pelos melhores atletas internacionais, que agora vão espalhar a palavra e todos irão ouvir falar destes mapas magníficos.”

“Agora vou parar para respirar durante uma semana e depois encarar os novos desafios que se colocam ao CPOC. E o grande desafio é a candidatura ao Campeonato Ibérico de 2010, daqui a sensivelmente um ano e meio. Se nos for atribuída a sua Organização, teremos de novo esta grande equipa deslocada, agora para perto da fronteira, num concelho da Serra da Estrela que não vou referir ainda qual é.”

Luís Santos
Director Técnico do Portugal O’Meeting 2009
Presidente do Clube Português de Orientação e Corrida
.
Saudações orientistas.
.
JOAQUIM MARGARIDO
.

Sem comentários: