domingo, 8 de fevereiro de 2009

III TROFÉU ORIALENTEJO: O COMENTÁRIO DE ALEXANDRE ALVAREZ


Terceiro classificado do escalão Difícil masculino, Alexandre Alvarez deixa-nos um comentário circunstanciado acerca da bela jornada do Monte da Pastaneira. Uma estreia absoluta do promissor atleta no Orientovar, cujas palavras se saúdam e agradecem.

Para mim é sempre um grande prazer participar nestas provas do Ori-Alentejo. Ao longo do meu percurso pela Orientação tenho acompanhado de muito perto estes meus dois grandes amigos, o Tiago e a Raquel, e lembro-me bem do dia em que o Tiago me falou da criação deste ‘ranking’ local, com provas no Alentejo, com organizações simples e de grande qualidade técnica, às quais é difícil de fugir nessa região (mas ainda há quem consiga, mesmo assim!).

Participei em várias destas provas, que eram na altura o Ori-Évora, com cartão de controlo e (algumas) com poucas dezenas de participantes. Tinham sempre gente dos arredores. Vinham experimentar a Orientação, e iam ficando...

Por isso, sempre que vou a uma destas provas, vou alegre e cheio de motivação. Vou encontrar pessoas que estimo muito, vou provar em primeira-mão o fruto maduro do trabalho destes meus amigos e, como todos sabemos, que bem que ele sabe! É Orientação no seu estado puro, bons e belíssimos terrenos, mapas e percursos de qualidade. É tudo o que queremos! É só isso!

A prova da Pastaneira não foi excepção. Pelas informações técnicas esperava-nos um terreno onde a componente física ia ser exigente, um terreno muito rápido e com bastante desnível. Mas claro, já sabemos que com pedrinhas e arbustos, qualquer falha de atenção, velocidade a mais num sítio complicado, e está tudo estragado...

Em relação à minha prova, devo dizer que correu bastante bem, em si, com apenas dois erros que me custaram no total, comparando com os parciais dos meus adversários mais directos, perto de um minuto. Pequenas distracções ou hesitações, que acontecem sempre, e numa prova onde tentei dar o meu máximo a nível físico, fiquei satisfeito por ter conseguido manter também uma grande concentração durante quase toda a prova. O grande problema foi ter chegado atrasado à partida dois minutos, o que me custou a vitória. Mesmo assim consegui o 3º lugar.

Foi um bom teste e um bom indício para mim de que estou no caminho certo para chegar às provas "grandes" e voltar a fazer bons resultados.

Alexandre Alvarez

[foto gentilmente cedida por Tiago Aires]

Saudações orientistas.

JOAQUIM MARGARIDO

.

2 comentários:

PMS disse...

Estas crónicas deixam-me realmente de "água na boca". Ainda não consegui, com muita pena minha, estar presente em nenhuma prova de orientação organizada pelos grandes professores da orientação Tiago e Raquel, ou porque coincide com provas de BTT, ou por compromissos pessoais. Muitos parabéns pelo trabalho desenvolvido.

Ana disse...

Estas provas são sempre excelentes, mesmo para quem vai só fazer caminhadas (!?)
Outra coisa interessante é ver como se envolvem os jovens em todas as vertentes de uma organização: partidas, chegadas, informática, etc…
Que grande lição que aqui é dada a dirigentes de clubes que ainda pensam que os jovens só servem para tarefas de pouca importância, como dar águas e similares…