quinta-feira, 18 de dezembro de 2008

PELO BURACO DA FECHADURA...


A Orientação assenta arraiais em Ovar a partir do próximo sábado e até à terça-feira seguinte. A 10ª edição do OriJovem é já a mais participada de sempre e promete muita alegria, animação e excelentes momentos nas extensas manchas florestais do Furadouro e Torrão do Lameiro. Tiago Aires é o planificador do estágio e vai ajudar-nos a espreitar pelo buraco da fechadura.

“Terra de lavradores, pescadores, comerciantes de sal e artesãos”. Desta forma se refere a História a uma das mais belas regiões do nosso País. O mar, a ria e a floresta são vértices dum triângulo natural de rara qualidade ambiental e paisagística. O burgo, de ruas apertadas, casas recobertas por multicoloridos azulejos e pequenos recantos onde se sente intensamente o seu pulsar, convida à descoberta. Tudo envolvido pela suave doçura do Pão-de-Ló, pela dolência do Cantar os Reis ou pela batida animada dos ritmos carnavalescos.

É precisamente sobre Ovar que recai a escolha dos organizadores do 10º OriJovem, para aqui levarem a cabo o Estágio Nacional de Orientação para jovens dos 8 aos 18 anos. A iniciativa conta com os apoios da Câmara Municipal de Ovar, Agrupamento de Escolas de Ovar e Clube Ori-Estarreja e o interesse manifestado por atletas, clubes e escolas, de norte a sul do País, ultrapassou as expectativas. Em Ovar são esperadas quase cento e cinquenta pessoas, entre participantes, acompanhantes, monitores e responsáveis federativos. O Orientovar irá fazer a cobertura alargada do estágio e, em jeito de lançamento, escutou Tiago Aires, o melhor atleta português da actualidade, líder do “ranking” nacional, treinador do clube Gafanhori (Arraiolos) e um dos grandes obreiros deste 10º OriJovem.


Orientovar - Como planificador dos estágios OriJovem, há alguma razão especial para ter optado por Ovar como sede desta 10ª edição?

Tiago Aires – Faz parte da nossa estratégia de descentralização levar o OriJovem às mais variadas zonas do País. Ovar situa-se mais a norte em relação à localização das últimas edições do Orijovem e tem áreas muito interessantes para Orientação, quer seja para nível introdutório, quer nível avançado. Aliás, esta foi a minha terceira tentativa para organizar o OriJovem em Ovar e, desta vez, felizmente foi possível.

O. - Tendo em conta experiências anteriores, quais os aspectos mais relevantes numa iniciativa desta natureza?

T.A. - Além da existência na área escolhida de vários mapas com qualidade para executar os treinos, é muito importante que haja facilidades ao nível logístico (alimentação, alojamento, transporte, etc.). Relativamente aos participantes, e exceptuando o 3º OriJovem, tem havido bastante equilíbrio nos grupos de trabalho (laranjinhas, verdes, azuis e magentas), em termos quantitativos. O estágio menos participado foi o primeiro, com apenas 26 jovens e aquele que registou maior adesão foi o quinto, em Vila Nova de Santo André, com 90 inscritos. Número esse que será ultrapassado nesta 10ª edição.

O. - De que forma tem decorrido a programação e planificação do 10º OriJovem?

T.A. - Tem corrido bem, mas é pena que o clube Ori-Estarreja não tenha cedido o mapa das Gafanhas para o estágio. É a primeira vez que um clube não colabora a 100% com esta organização da Federação Portuguesa de Orientação.

O. - Do programa delineado, há algum aspecto que lhe merece uma particular referência?


T.A. - Pela primeira vez teremos treinos de simulação o que, para a maioria dos orientistas, será uma novidade. Terão oportunidade de perceber como é possível treinar durante a semana com um mapa, mas sem ir ao terreno.

O. - Quais as suas expectativas no que toca à participação, alcance e qualidade do evento?

T.A. - As expectativas são altíssimas. Será, de longe, o estágio com maior participação, principalmente devido à integração das equipas e atletas do Desporto Escolar. A qualidade será idêntica à dos estágios anteriores: bons treinos e boa disposição, mas sempre dentro de regras bem claras para todos. Os participantes são muitos, mas existem vários treinadores que estarão presentes acompanhando os maiores grupos e conto, naturalmente, também com a ajuda deles. No total temos 109 atletas inscritos, aos quais devemos acrescentar 18 técnicos, treinadores e monitores da Federação Portuguesa de Orientação.

O. - Gostaria de deixar uma mensagem a todos quantos, de alguma forma, estão implicados no 10º OriJovem?


T.A. - Divirtam-se, treinem, aproveitem todos os pontos que estão no terreno. Não percam estas oportunidades. Sempre que temos um mapa e um percurso montado para nós, devemos sentir-nos privilegiados e tentar aprender mais.
.

Saudações orientistas.

JOAQUIM MARGARIDO
.

Sem comentários: