terça-feira, 11 de novembro de 2008

OS VERDES ANOS: DAVID SOUSA


Olá

Chamo-me David João Marques Sousa, tenho 19 anos, moro em Caldas da Rainha (uma grande cidade) e o meu clube é a ADFA - Associação dos Deficiente das Forças Armadas.

Comecei a praticar Orientação em 2004, mas já conhecia a Orientação há uma década, numa altura em que só acompanhava os meus pais. Infelizmente, tenho pena que na cidade onde vivo seja o único jovem a praticar Orientação e haja tão poucos mapas para treinar. Eu bem tento convencer os meus amigos mas, devido aos outros desportos que eles praticam nos fins-de-semana, é impossível trazê-los a praticar Orientação.

A minha primeira prova foi a Taça dos Países Latinos, organizada pelo clube GD4C e que decorreu nos dias 2 a 5 de Outubro de 2004. Nos quatros dias fiz o fácil longo. No primeiro dia fiz o tempo de 46:19 minutos e acho que tenho um tempo de recorde de encontrar um ponto. Demorei 34:29 minutos para encontrá-lo! Ninguém bate este recorde... Ainda me lembro dessa prova e desse ponto, de sair do limite do mapa e só perceber depois, quando estava a subir um monte muito alto e que não estava representado no mapa, que teria de voltar atrás para conseguir chegar ao fim da prova. Nesses quatro dias ganhei alguma experiência e também fiquei em segundo lugar na geral desse escalão.

O maior desafio que eu já tive na Orientação foi a Nocturna 2005, em Praia da Vieira, uma prova organizada pelo COC. Essa prova tem uma história engraçada. Eu estava inscrito no Juniores Masculino e só havia três inscritos nesse escalão. Havia, contudo, um enorme problema: o único frontal que tínhamos era o do meu pai, Santos Sousa. A única solução era esperar que o meu pai fizesse a prova dele, para depois me emprestar o frontal. Ele foi dos primeiros a partir e foi o primeiro chegar. Nessa noite ele fez duas provas, porque fez a prova dele e foi acompanhar a minha prova (grande maluco!). Quando comecei a fazer a prova pensei que ia ficar em terceiro, porque cheguei ao primeiro ponto com o tempo de 59:01 minutos. Daí em diante, só me lembro de chegar ao “finish” e acabei por vencer com o tempo de 2:16:29.

Na Orientação, o que mais gosto é de provas de Sprint, porque é preciso pensar em trajectos curtos e fazer em menor tempo. Gosto dos terrenos da zona de Marinha Grande, porque requerem uma atenção reforçada e correr depressa.

Houve momentos na Orientação que ficam marcados para a História. Um deles foi quando o meu pai foi Campeão Nacional Absoluto 2006 (nesse fim de semana ganhou duas provas), aos 41 anos e nessa época a correr em H21E. O outro momento foi o WMOC 2008
[na foto], onde trabalhei com a “equipa-maravilha” mas tinha o trabalho complicado de colocar pontos, com a exigência de colocar muitos pontos e não poder errar.

No futuro quero continuar a praticar Orientação pois é um desporto magnífico. Podemos conhecer muitas pessoas e, ao mesmo tempo, desfrutar o que a natureza tem de bom. Não tenho outros objectivos para Orientação senão os de participar por gosto e com muita alegria.

Quero agradecer ao Joaquim Margarido pelo convite que me fez. Também quero agradecer ao ADFA por eu estar num grande clube e, finalmente, deixar um abraço ao pessoal da Orientação, sem esquecer as minhas melhores amigas, Catarina Dias e Catarina Lopes. É com agradecimentos que me despeço. Desejo a todos os atletas boas provas.

David Sousa

.

4 comentários:

ILCO disse...

Uma das oportunidades perdidas no WMOC '08 foi a não participação de Santos Sousa... já agora aproveito para questionar como é que o David encara essa "herança desportiva"

give-this-blog-for-my-friends disse...

Sobre o WMOC '08 acho que podia ter feito uma equipa com os melhores atletas (Mário Duarte, Manuel Luís, Santos Sousa e outros) para representar Portugal e não houve (gostava de saber a razão).
Como encaro a essa herança desportiva? É uma boa questão porque nunca preocupei com essa questão. Nunca penso que tenho ser o melhor. Não tenho objectivos para a Orientação senão os de participar por gosto e com muita alegria.
O meu pai já ganhou muitos títulos e eu nada mas, ele diz a mim que ganhar títulos não é importante, mas sim a experiência e convivência. Também fala que eu posso ser um grande atleta.
David Sousa

Jorge Dias disse...

Olá David,
Gostei do teu texto, mas olha que o record não é de 34'29, eu já fiz 46'30 no ponto 3 no I Open Alcanena (06.05.2001). Não foi utilizado o sportident, mas podes acreditar que foi verdade, e se fores ver as classificações vais ver que o 1º, foi um tal Santos Sousa, não sei se conheces, que fez a prova em 1H02'40, o 2º 1H36'32 e em 12º apareço eu com 2H22'54:-(, e não fui o último... Se fizermos um ranking do ponto mais lento vão aparecer muitas surpresas, olha que eu conheço alguém k demorou 59' para o 1º ponto de uma prova.
Um abraço para ti e Parabéns por te lembrares de agradecer a quem nos permite comungar da nossa paixão através desta página.
Um abraço,
Jorge Dias

David Sousa disse...

Boas Jorge,
Agradeço muito a tua opinião sobre texto. Eu já sei disso dos 59 minutos.
Quando estava a escrever o texto (resumo) enviei a duas pessoas (Catarina Dias e Catarina Lopes) para saber qual era a sua opinião do texto.
A primeira coisa que a Catarina Dias diz sobre o texto foi que ela tinha demorado mais tempo à procura do ponto. Fiquei sem palavras porque, nunca pensei que alguém ultrapasse o meu tempo de record. Pensei logo eliminar a parte do record, mas deixei ficar no texto. Pelo visto devia ter mesmo eliminado parece que há mais gente a ultrapassar-me.
Essa história do Santos Sousa, já não é primeira que oiço. Eu ouvi uma na prova de Coruche, numa prova militar onde correu no primeiro escalão, fez o primeiro tempo com uma diferença tempo de 20 minutos para o segundo e que o senhor ficou em segundo já conhecia o mapa e treinava lá.
Eu agradeço a todas pessoas por terem comentado o texto e espero que a orientação viva muitos aninhos para contar as experiencia (como esta) e nunca esquecemos o que a orientação tem de especial.
Um abraço,
David Sousa