domingo, 23 de novembro de 2008

DANIEL MARQUES E SUSANA PONTES VENCEM NA BAIRRADA


Com a disputa da prova de Distância Longa, chegou ao fim o II Ori-BTT Rota da Bairrada. O segundo dia não trouxe surpresas de vulto e tanto Daniel Marques como Susana Pontes saem de Aguada de Cima com os louros da vitória nos escalões de elite respectivos.

Um mesmo mapa, novos percursos e uma prova longa a multiplicar desafios e a ampliar o prazer que esta espectacular disciplina proporciona àqueles que a praticam. Foi isto, em resumo, o que se passou na esplendorosa manhã de hoje em Aguada de Cima. Mal refeitos das emoções da véspera, um a um os atletas regressaram à floresta e ao refrescante aroma do eucalipto, às cercanias das imponentes crateras de extracção de barro a céu aberto, ao suave relevo do sopé da Serra do Caramulo e à competição, pura e dura, com os adversários mas, acima de tudo, consigo próprios.

Os resultados finais espelham uma realidade incontornável no âmbito da nossa Ori-BTT: Daniel Marques (COC) e Susana Pontes (CPOC) permanecem na frente do “ranking” nacional, reforçando o seu favoritismo com a conquista de mais um triunfo. À semelhança do sucedido em Póvoa de Lanhoso, na abertura da Taça de Portugal 2008 / 2009, Daniel Marques voltou a perder a segunda etapa para o seu grande rival, Paulo Alípio (COC), mas por margem que não pôs em causa a vitória final. Alípio concluiu a sua prova em 1.16.09 e com a escassa vantagem de sete segundos sobre Marques. Luís Pires viria a ser o terceiro classificado, a distantes 10.47 do vencedor, ascendendo ao terceiro lugar final.

Promissor regresso de Maria Amador

Na elite feminina, Susana Pontes repetiu o triunfo da véspera gastando, desta feita, 1.46.19 para cumprir o seu percurso. Estreante nas provas da Taça de Portugal desta temporada, Maria Amador (ATV) demonstrou uma postura competitiva deveras interessante, travando com Susana Pontes um interessante duelo. O segundo lugar na etapa, a 3.12 da vencedora, deixa antever uma Maria Amador disposta a “recuperar o tempo perdido” e a animar o quadro competitivo deste escalão. Terceira classificada na etapa, com 1.50.49, e segunda classificada da Geral, Rita Guterres (CP Telecom) continua a dar mostras de excelente evolução e a prometer mais e melhores desempenhos num futuro que se antevê próximo.

Quanto aos restantes escalões, Pedro Neves (COC) e Inês Costa (GDU Azóia) confirmaram as vitórias nos escalões de Formação, o mesmo acontecendo com o Guilherme Marques (COC) e Ana Filipa Silva (CPOC) em H20 e D20, respectivamente. Em H17 João Mega Figueiredo (CN Alvito) viu-se batido na etapa de hoje pelo incontornável João Palhinha (CPA – Abrunhos), mas a vantagem angariada na prova de Distância Média foi suficiente para não deixar fugir a vitória final.


Davide Machado imparável

Em H21A, Davide Machado (.COM) esteve imparável e repetiu o triunfo da véspera, ante a forte concorrência de Hélder Silva (NADA) e Pedro Rodrigo (Ginásio Figuerense), respectivamente segundo e terceiro classificados. Menos bem esteve Filipe Gonçalves (Ori-Estarreja), vencedor em Póvoa de Lanhoso mas que aqui não foi além do 11º lugar final. Já em D21A, a ausência de Marisa Barroso (COC) deixou a porta aberta à vitória final de Joana Cordeiro (GD4 Caminhos), após luta intensa com Inês de Almeida Durão (GDU Azóia).

Nos Veteranos, Luísa Mateus (COC) foi a única atleta a bisar o triunfo nas duas etapas, levando de vencida o escalão de D45. Apesar de não ter ido além do 3º lugar na prova de Distância Longa, Nuno Liberal (CP Armada) conseguiu segurar o primeiro lugar em H35 trazido da etapa de ontem. O mesmo sucedeu com Ana Gomes (COA) em D35 e Albano João (COC) em H50, que hoje não conseguiram melhor que o segundo lugar. Mário Marques (COA) conseguiu dar a volta ao segundo lugar na prova de Distância Média e, com a vitória de hoje, ascender ao lugar cimeiro do escalão H45. A última referência vai para Pedro Serralheiro (COC), vencedor no escalão de H40, apesar do 2º lugar em ambas as etapas. O vencedor da etapa de ontem, João Germano (Individual) não foi hoje além do 11º lugar enquanto o vencedor desta segunda etapa, Jorge Baltazar (GDU Azóia) ontem não tinha feito melhor que a 17ª posição.

“Se isto fosse sempre igual, então deixava de ter piada”

Importa reafirmar a qualidade organizativa do DA Recardães e o bem receber das gentes de Aguada de Cima. O certame contou com uma boa adesão da parte dos atletas, saldando-se em 269 o número de participantes contabilizados no âmbito das duas provas. A organização soube dar adequada resposta aos problemas resultantes das constantes alterações no terreno, motivados pelos trabalhos de desflorestação e de extracção de inertes, que fazem deste mapa um autêntico ser vivo em constante mutação. Mesmo assim, o trabalho de cartografia, da autoria de Carlos Lisboa, não foi minimamente colocado em causa e revelou-se a contento dos participantes.

Uma referência final aos terrenos e percursos, demasiado macios para os apreciadores da Ori-BTT pura e dura. E aqui, permito-me parafrasear Jorge Elias, o Supervisor da Prova: “Tem de haver de tudo, percurso fáceis, percursos mais difíceis, percursos mais técnicos, percursos mais físicos. Se isto fosse sempre igual, então deixava de ter piada”. E temos de concordar com ele!

Saudações orientistas.

JOAQUIM MARGARIDO

.

Sem comentários: