segunda-feira, 3 de Novembro de 2008

CLUBE DE ORIENTAÇÃO DO CENTRO: 10 ANOS DE VIDA


O que representa uma década na vida de alguém? Esta é uma questão filosófica e que proporcionaria, seguramente, as mais diversas respostas, como que a atestar o valor relativo do tempo. Nos tempos que correm, 10 anos não são nada. Mas para alguém que nasceu precisamente há 10 anos, esses 10 anos são toda uma vida. E é dessa vida – a vida do COC - Clube de Orientação do Centro - que vamos falar. Aqui e agora.

Criado legalmente a 10 de Dezembro de 1998, mas na prática a funcionar desde Agosto do mesmo ano, o COC – Clube de Orientação do Centro elegeu o dia de ontem para festejar os seus 10 anos de existência. O parque de bungalows da Burinhosa (Alcobaça) foi o ponto de encontro da família COC e um programa digno e recheado de momentos altos permitiu perceber e comungar do espírito e dos ideais que fazem do clube um sólido e seguro pilar da Orientação nacional.

Antecedido por uma actividade de Orientação, o Almoço de Aniversário juntou atletas e dirigentes, autoridades do Poder Local, entidades apoiantes e membros da Comunicação Social. Na ementa, um “Bacalhau com Natas” e “Lombo Assado”, substituíram com dignidade a incontornável “Massa à COC” e não faltaram o Bolo de Aniversário e os “Parabéns a Você”, cantados a preceito por cem vozes afinadas.

Houve igualmente tempo para apresentar, em dez minutos bem vividos, uma montagem em vídeo da autoria de Leonel Vieito, traçando a história do clube, as suas primeiras participações, o primeiro equipamento (sem esquecer a célebre “Abelha Maia”), a primeira carrinha, aqueles que foram e já não são. Daniel Marques e Tiago Romão receberam a distinção de “Atleta do Ano”, homenagearam-se os sócios “10 anos COC”e procedeu-se ao agradecimento às entidades presentes.

Imparável!

O passado do COC – Clube de Orientação do Centro, fala por si. Às cinco vitórias no “ranking” nacional de clubes de Orientação Pedestre nos últimos sete anos e às cinco vitórias no “ranking” nacional de clubes de Orientação em BTT nos últimos cinco anos, junta-se o considerável número de atletas que representaram a Selecção Nacional nos vários Campeonatos que se disputam em cada época. Com efeito, até ao momento, o COC esteve representado por 66 atletas na Selecção Nacional pedestre e 24 atletas na Selecção Nacional de Orientação em BTT.

Hoje o clube apresenta uma vitalidade invejável, com cerca de 130 atletas federados e com a licença renovada, num universo de cerca de 250 sócios activos (todos os atletas são sócios e poucos sócios não praticam a modalidade). As dinâmicas criadas e as estratégias de promoção e desenvolvimento da modalidade estão agora centradas em dois projectos de desenvolvimento em curso e que constituem as maiores apostas do clube em termos futuro: A Escola de Orientação e o Grupo de Alto Rendimento.

Imparável, o COC propõe-se, no curto prazo, adquirir uma nova viatura de 9 lugares – “para ajudar nas tarefas as nossas “Gold” e “Silver”, respectivamente com 18 e 17 anos e 260.000 km”, nas palavras de Carlos Monteiro -, organizar uma prova WRE em Pataias, organizar o XI Grande Prémio RA4 e levar a cabo, pelo quinto ano consecutivo, o Campo de Treinos Internacional. A organização do Portugal O’Meeting 2010, duma prova WRE em Ori-BTT no concelho de Leiria e da Taça dos Países Latinos - "caso a FPO confirme a sua atribuição ao COC" -, fazem igualmente parte dos grandes projectos do Clube. Refira-se ainda que a visibilidade deste trabalho é agora outra e mais cuidada com a abertura do novo “site” COC, num trabalho de Rui Curado e que vai trazer algumas possibilidades acrescidas e uma maior pró-actividade na vida do clube.


“O clube é um todo”

No uso da palavra, Carlos Monteiro fez questão de realçar os projectos de médio e longo prazo que passam pela “adaptação do Clube à realidade social e desportiva do momento”. Sem descurar a “intensificação das relações com o Desporto Escolar”, para o Presidente do COC são aspectos prioritários “a elevação qualitativa dos nossos atletas, a manutenção do equilíbrio até agora conseguido entre os atletas de alto rendimento e os da prática desportiva, como meio de melhoria da sua qualidade de vida, e ainda o reforço dos recursos humanos do Clube, assegurando a continuidade da sua actividade e refrescando e rejuvenescendo a sua Direcção.”

A terminar, Carlos Monteiro quis deixar bem claro uma palavra de apreço para todos quantos vivem e sentem o COC: “Tudo o que fizemos, tudo o que somos e tudo aquilo a que nos propomos fazer, assentou e assenta sempre na riqueza dos recursos humanos que constituem o Clube. Os nossos sócios, atletas e membros da Direcção entendem que o clube é um todo e que só trabalhando abnegada e altruisticamente para o clube, teremos um COC melhor, um COC mais forte e um COC que melhor sirva a todos aqueles que quiserem aproveitar as excelentes condições que temos para praticar Orientação. A todos vós o nosso sincero obrigado.”

“Quem trabalha assim merece ter sucesso”


Fazendo questão de marcar presença neste verdadeiro acontecimento da história do COC, Isabel Damasceno, Presidente da Câmara Municipal de Leiria, não poupou nos elogios: “A importância deste clube tem a ver com a forma como sabe ser Associação e pela forma como sabe estar no terreno. Mas o COC é também importante por aquilo que promove, por aquilo que pratica. A Orientação é uma actividade importantíssima para a qualidade de vida dos cidadãos e também um motivo de atractividade para a região”, sublinhou a autarca.

Isabel Damasceno fez ainda questão de recordar os momentos áureos do WMOC e essa “revelação extraordinária que foi a forma profissional e eficiente com que organizaram o Campeonato do Mundo de Veteranos. Durante todos estes anos à frente do Município de Leiria tenho acompanhado, como podem imaginar, muitas organizações. Não tenho dúvidas nenhumas em afirmar que o Clube de Orientação do Centro e a Federação Portuguesa de Orientação demonstraram uma capacidade ímpar de organizar e envolver tudo e todos numa mesma vontade de fazer bem. Este foi realmente o grande segredo e que fez com que se cotassem claramente à frente no 'ranking' de todas as organizações às quais tive o prazer de assistir.” Daí que as últimas palavras da autarca sejam de reconhecimento: “Quero terminar dando os parabéns ao clube por estes 10 anos de trabalho difícil, no qual todos os sócios são eles próprios organizadores, fazedores de tudo e mais alguma coisa e, ao mesmo tempo, praticantes. Por todo este conjunto de circunstâncias, por todo este trabalho desenvolvido, por esta competência de associativismo, queria aqui desejar-vos a maiores felicidades e dizer-vos que não tenho dúvidas nenhumas que o vosso sucesso será cada vez maior. Quem trabalha assim merece ter sucesso.”

“O mar domestica-se”

“O passado é uma fonte de ensinamentos, é um ninho de afectos, mas serve apenas para dar força ao futuro.” Foi com estas palavras que Augusto Almeida, Presidente da Federação Portuguesa de Orientação, iniciou a sua intervenção, para logo afirmar: “Sois um dos baluartes da modalidade, tendes que olhar para o vosso passado, mas isso não vos acrescenta benefícios ou direitos adquiridos. Só vos traz responsabilidades.” Para Augusto Almeida - que dentro de escassos dias abandonará o cargo que manteve nos últimos seis anos -, os votos são de “um COC vivo, dinâmico, participativo, parte das soluções, disposto a contribuir para o desenvolvimento e o engrandecimento da modalidade.” As últimas palavras são de agradecimento: “Guardo no meu coração todos os contributos recebidos e que foram muitos. No caso do COC, se me atirou para o mar revolto do Campeonato do Mundo, também me provou que o mar domestica-se e os objectivos concretizam-se quando o homem é capaz de acreditar nos seus sonhos.”

Não poderia terminar esta reportagem, vivida e sentida na primeira pessoa, sem deixar aqui uma palavra de agradecimento público pelo convite feito ao Orientovar para se associar a tão singular momento. A lembrança “simples e austera” com que fui agraciado, tem uma expressão e um valor inestimável para a minha pessoa e para o trabalho que venho desenvolvendo denodadamente, dia após dia. As palavras de agradecimento de Carlos Monteiro, “pela cobertura da modalidade, cujo contributo para o seu desenvolvimento é enorme”, calaram bem fundo no mais íntimo de mim. Ao COC e a todos aqueles que o consubstanciam, o meu sincero agradecimento. Bem hajam.

Saudações orientistas.

JOAQUIM MARGARIDO

.

1 comentário:

Mário Santos disse...

Parabéns! Está impecável!

Um abraço,

Mário