quinta-feira, 16 de outubro de 2008

PELO BURACO DA FECHADURA...


É já no próximo fim-de-semana que arranca a Taça de Portugal de Orientação em BTT. Para o Clube de Orientação do Minho será uma primeira experiência organizativa nesta exigente disciplina, à qual o município da Póvoa de Lanhoso empresta as suas excelentes condições naturais. O Orientovar foi ao encontro de Tânia Covas Costa, a Directora da Prova, das suas expectativas e ambições. Com a sua ajuda, espreitamos pelo buraco da fechadura.

Como é que surgiu a ideia de organizar um evento desta natureza?

A prática desportiva de Orientação, como seria de esperar, é uma prioridade neste clube. Consideramos que há um número elevado de praticantes ao nível da Orientação Pedestre e, no que diz respeito à Orientação em BTT, pensamos que podemos fazer ainda melhor, mas precisamos de “investir” nesta modalidade. Neste momento verifica-se uma maior vontade da comunidade em geral em praticar desporto e actividade física, nomeadamente ao nível da BTT, sendo uma óptima altura para promover esta disciplina. A organização desta prova torna-se uma óptima forma de divulgar a modalidade no norte do país.

Como é que a Tânia Covas Costa se está a sentir na pele do organizador, em vez de ser uma mera participante, como geralmente acontece?

Organizar eventos não é propriamente uma novidade para mim. O facto de ser professora e dirigente de uma associação de profissionais de Educação Física faz com que, todos os anos, tenha de me dedicar a esta árdua tarefa de organização de provas desportivas ou até de eventos culturais. Contudo, organizar qualquer evento dá muito trabalho, ocupa muito tempo e, na verdade, este já leva um ano de antecedência. Sobretudo porque ainda não me tinha dedicado a uma prova tão complexa e diferente de todas as outras que realizei até ao momento. É necessário estar, realmente, atento a tantos pormenores. Como Directora da Prova, querendo que esta decorra de forma positiva e indo ao encontro das expectativas de todos os participantes e colaboradores é necessário estar a par de tudo o que é necessário!

O município de Póvoa de Lanhoso será o palco do I Ori-BTT .COM. Qual tem sido a receptividade e disponibilidade da autarquia e das entidades apoiantes nesta fase de preparação do evento?

Devido aos diferentes trabalhos que as Câmaras desenvolvem em diferentes áreas e contextos, verifica-se sempre alguma dificuldade ao nível da comunicação e troca de experiências e informações no sentido de organizar eventos que surgem por sugestão exterior à entidade. Numa primeira fase senti bastante receptividade. No entanto, o facto de me encontrar a trabalhar longe de Póvoa de Lanhoso, acabou por dificultar ainda mais a comunicação entre a autarquia e o clube. Noto que as Câmaras apresentam grandes dificuldades em apoiar estas iniciativas, mas, mesmo assim, devo manifestar a minha gratidão, entre outras coisas, pela forma como assumiu a realização do mapa através do pagamento ao cartógrafo, os prémios aos escalões de elite e os comunicados às entidades que nos irão ajudar na prova.

Quais as expectativas criadas, nomeadamente em relação ao número e à qualidade dos participantes?

Quando se planeia e organiza um evento deste âmbito e se empreende um esforço elevado, como foi o caso, criam-se sempre altas expectativas, espera-se sempre um elevado número de participantes, muita colaboração e envolvimento. Contudo, ao nível do Ori-BTT, a maioria dos participantes federados provêm da parte do centro/sul do país, pelo que se entende que a deslocação é mais complicada, até porque os apoios monetários costumam ser escassos e estas viagens e transportes envolvem alguns custos. Por ser uma novidade e por ainda haver algum receio de entrar numa modalidade que para muitos é nova, desconhecida e envolve um veículo que nem todos têm ou sabem utilizar, aceito que a adesão possa vir a estar abaixo das nossas expectativas.

Quem vier competir à Póvoa de Lanhoso no próximo fim-de-semana, o que irá encontrar?

Na DiverLanhoso encontrarão um espaço muito agradável, pois possui uma série de actividades de aventura ao ar livre que todos poderão experimentar. O Parque do Pontido situa-se no centro da Vila da Póvoa de Lanhoso. Caso as condições climatéricas assim o permitam poderão usufruir do seu espaço relvado. Em relação à prova, o terreno é muito complicado pois apresenta desníveis bastantes acentuados! Vai ser muito duro para os escalões competitivos.

Há algum aspecto que, ainda hoje, lhe crie certas dúvidas ou seja motivo de preocupação?

A possibilidade de mau tempo irá tornar a prova mais difícil para os participantes e organização. Contudo, temos previsto instalações cobertas caso isto aconteça. O bom tempo tornará a prova mais participativa e interessante.



[Saiba tudo sobre a prova clicando no ‘banner’ acima]

Saudações orientistas.

JOAQUIM MARGARIDO

.

Sem comentários: