quarta-feira, 8 de outubro de 2008

DUAS OU TRÊS COISAS QUE EU SEI DELA...


1. Há uma semana atrás, partilhei aqui as minhas preocupações sobre o rumo dado às selecções, apontando soluções para os problemas. Neste espaço de tempo discutiu-se, opinou-se, comentou-se, votou-se. Sobretudo, apreciei a capacidade e qualidade interventiva da nossa “geração de ouro”, não se furtando ao comentário… Num espírito eminentemente construtivo, percebeu-se a elevada consciência do papel que cada um ocupa e um interesse muito grande em fazer a modalidade andar para a frente. Mas percebeu-se, igualmente, que no seio duma estrutura que se pretende com paredes de vidro, há muita gente com telhados de vidro. Por mim, sempre que as dúvidas me assaltem, voltarei a este espaço expô-las, à procura da vossa opinião e ajuda!

2. Por falar em dúvidas, a Suiça faz-se representar nos 41º Mundiais Militares com a selecção nacional de elites, à excepção de um ou outro elemento. O mesmo acontece com a Rússia; mas não com a Noruega ou a Suécia, por exemplo. O sistema militar na Suiça ou na Rússia (e não só) e a “capacidade operacional” dos seus cidadãos faz com que todos – à excepção dos objectores de consciência – sejam “militares”. Sem pôr em causa a legitimidade das opções, questiono-me é sobre a sua “moralidade”. Configura-se, a meu ver, uma situação de “desigualdade” que condiciona a própria verdade desportiva. Mesmo sem estar em causa, em termos absolutos, o reconhecido valor de russos e suíços. Em todo o caso, um bom Mundial para todos!

3. Da excelente aceitação que o Orientovar continua a ter junto da comunidade orientista é que parecem não restar dúvidas. Pelo menos para mim! O número de visitas duplicou em relação aos dias áureos do WMOC, há quatro meses atrás e há visitantes fiéis em Portugal e nos quatro cantos do Mundo. Fruto do interesse e da vontade de todos, a página principal da Federação Portuguesa de Orientação tem agora um “link” directo para o Orientovar. Algo que pretendo ver como um reconhecimento por parte dos seus responsáveis pelo bom trabalho aqui desenvolvido e que representa um forte estímulo para continuar a fazer mais e melhor. Por todos vós, por todos nós!

Saudações orientistas.

JOAQUIM MARGARIDO
.

2 comentários:

Luis Tenreiro disse...

Obviamente que estes atletas são atletas de orientação a tempo inteiro. Treinam bidiariamente em mapas. Esta é uma realidade deste e da maioria dos desportos. Só praticando a tempo inteiro é que se conseguem resultados de relevo. Até arrisco a dizer que ir a uma final A num woc só fazendo orientação em exclusivo. Só quem andar um bocadinho distraído é que não vê. Nos países nórdicos é um bocadinho diferente porque até as escolas e os quintais estão cartografados. Tudo é mapa, tornando tudo mais facil.
Se calhar era um pouco disto que o Rui Ferreira falava. Mesmo que houvesse dinheiro, era correcto o caminho de pegar nos melhores jovens e fazer deles atletas a tempo inteiro, se calhar largando os estudos, se calhar ir viver para um país nórdico como o Thierry ou como o Roger Casal já fez. É o preço a pagar para ser campeão.
Tambem não concordo com a falta de apoio da federação aos jovens atletas nos ultimos tempos. Espero que o futuro seja melhor.

Luis Tenreiro disse...

Correcção ortográfica do post anterior:
'Mesmo que houvesse dinheiro, era correcto o caminho de pegar nos melhores jovens e fazer deles atletas a tempo inteiro, se calhar largando os estudos, se calhar ir viver para um país nórdico como o Thierry ou como o Roger Casal já fez?'