terça-feira, 30 de setembro de 2008

OS VERDES ANOS: MANUEL HORTA


Olá.

Sou um jovem alentejano residente numa das vilas mais despovoadas do país, Pavia, tenho 18 anos e chamo-me Manuel Horta.

O meu primeiro contacto com a Orientação foi no “Model Event” do I Troféu Internacional de Orientação de Mora, que decorreu próximo da minha vila no dia 3 de Março de 2006. A minha participação ficou a dever-se ao facto de o Presidente do meu clube de Atletismo, no qual estou desde Janeiro de 2000, ter inscrito todos os atletas para experimentarem. Aí conheci o Tiago Aires e a Raquel Costa que me mostraram o primeiro mapa de orientação e fizeram uma breve introdução. De seguida comecei a correr com o mapa na mão em direcção aos 4 ou 5 pontos que o Tiago me pediu para controlar e fi-lo sem grandes dificuldades.

Isto motivou-me bastante para a minha primeira prova que seria no dia seguinte, a de Distância Longa no escalão “fácil longo”, a qual fiz na companhia de um amigo. Esta prova foi acompanhada de chuva torrencial o que fez com que tivesse que atravessar uma ribeira e correr na lama, o que adorei. Terminei a prova em 2º lugar e com vontade de repetir a aventura. No dia seguinte, na prova de Distância Média, devido ao grande resultado obtido na Longa decidi inscrever-me no escalão de Juvenis para saber como estava em relação a quem já pratica orientação há mais tempo. Mas aí fiquei nos últimos lugares.

Após uns meses sem Orientação, em Dezembro de 2006, voltei a uma prova do Troféu Ori-Évora, também em Pavia, onde fiquei em segundo. A partir dai fui participando mês a mês em provas deste mesmo Troféu, representando sempre o clube de atletismo da minha terra, até que em Outubro de 2007 decidi juntar-me ao clube de Orientação da Gafanhoeira. Passei a ter treinos técnicos todas as semanas, para além dos físicos que já tinha no Atletismo. Desde que estou no Gafanhori tenho participado em todas as provas mais importantes e também em algumas menos importantes, pois, a praticar é que se aprende.

Esta época perdi algumas provas pela minha entrada tardia na Orientação e também o Portugal "O" Meeting por ter estado doente. Mas consegui ainda ficar apurado para o EYOC onde espero obter um bom resultado na prova de Sprint, pois esta é uma prova onde não se precisa ter muita técnica, apenas correr rápido, não hesitar e escolher rápido uma boa opção. Nas restantes provas também vou dar o meu melhor mas, com um ano na modalidade, por mais que treine é difícil estar ao mais alto nível.

Nesta última época o meu clube levou-me duas vezes fora do país. A primeira foi ao norte de Espanha para participar numas estafetas regionais. Foi uma boa experiência, pois tive a possibilidade de fazer Orientação num tipo de terreno por mim nunca antes visto. A segunda foi a duas provas seguidas, os 3 dias de Auvergne e os 6 dias de Aveyron, ambas no sul de França.


O maior desafio que já tive na Orientação foi a prova do terceiro dia de Auvergne, com uns dez pontos iniciais bastante fáceis, com caminhos e em floresta limpa; mas a segunda parte era numa floresta onde era raro ter mais que vinte metros de visibilidade, sem caminhos e sem pormenores de relevo de fácil navegação ou relocalização. O relevo resumia-se a montes pequenos e buracos todos juntos e semelhantes. Quando entrei nessa segunda parte comecei a falhar pontos e cheguei ao desespero de fazer pernadas a andar e a tentar saber sempre onde estava mas tive pouco sucesso. Após uma hora e muito à procura de pontos fiquei com fome e frio (porque chovia) e decidi ir embora mas não sabia como. Ainda havia pessoas em prova e a passar por mim e vi que o mapa era limitado a sul por uma estrada, logo indiquei a bússola para sul e consegui ir até à estrada e depois à chegada.

E com esta história me despeço. Boa sorte nas próximas idas à floresta.

Manuel Horta
.

1 comentário:

Ana disse...

Achei particularmente emocionante aquela frase: “Esta prova foi acompanhada de chuva torrencial, o que fez com que tivesse que atravessar uma ribeira e correr na lama, o que adorei”. Só mesmo quem já passou por uma situação semelhante, para além de chuvadas de granizo, e até neve, entende este jovem.
Bem vindo ao mundo da orientação!