quinta-feira, 25 de setembro de 2008

EC MTBO 2008 LITUÂNIA: ELE HÁ DIAS ASSIM


Com a disputa da prova de Sprint, cumpriu-se hoje a primeira metade destes 3º Campeonatos Europeus de Ori-BTT (EC MTBO 2008). Partindo para a prova com legítimas ambições, Daniel Marques e João Ferreira não foram felizes. Ele há dias assim…

Daniel Marques foi um dos 69 competidores em prova e o 51º lugar alcançado, com um registo de 26:15,8, não pode deixar de ser considerado pouco satisfatório. Oiçamos o que disse o nosso melhor atleta e 25º classificado do “ranking” mundial: “A competição teve inicio às 11h00 e a partida foi no interior dum castelo (tipo forte), rodeado de água. Parti às 11h32, saí da zona do castelo a pedalar bem e entrei na floresta a decifrar bem os labirintos iniciais. Havia que escolher bem as opções e ter uma noção perfeita do nosso posicionamento no terreno.” Tudo corria na perfeição ao atleta português, com uma passagem no primeiro rádio-controle na 15ª posição da Geral, até que “um erro de navegação comprometeu o resultado irreversivelmente. Do 13º para o 14º ponto perdi mais de três minutos, o que numa prova de sprint é uma eternidade!!!”

Fica, pois, um enorme amargo na boca: “Tinha capacidade para fazer melhor! Foi um dia menos bom mas que até podia ser perto da perfeição uma vez que, analisando os meus ‘splits’, dava para entrar no top-20 à vontade. Mas este desporto é mesmo assim. Há agora que aprender com os erros e tentar fazer melhor para a próxima.” Daniel Marques deixa uma última referência ao vencedor da prova, o austríaco Tobias Breitschadel, evidenciando o enorme desportivismo e camaradagem que se vive no seio da competição: “Quem ganhou a prova foi o Tobias, um atleta que veio à prova internacional portuguesa e ficamos amigos desde então. Parabéns ao Tobias, que demonstrou ser um grande atleta a somar à excelente personalidade que tem!”

As contas de João Ferreira


À semelhança do que sucedeu a Daniel Marques, também João Ferreira não esteve nos seus melhores dias. “A minha vontade era a de poder dar noticias boas mas não vai ser o caso de hoje”, começou por revelar o atleta. E explica porquê: “Cheguei ao local da prova por volta das 10h15 e às 11h49 foi a minha vez de partir. Saí bem, sentia-me bem e fiz os dois primeiros pontos sem quaisquer erros.” Mas a partir daqui surgiram os primeiros problemas: “Para o terceiro ponto fiz uma má opção onde perdi cerca de dois minutos. Voltei a perder 45 segundos para o ponto 5, falhando uma entrada de caminho pouco visível e tendo que dar uma volta maior. Tentei concentrar-me e recuperar algum do tempo entretanto perdido e nos cinco pontos seguintes não tive problemas. Até ao final ainda perdi trinta segundos no ponto onze e um minuto e meio para o ponto treze, onde a zona estava mal cartografada, com mais caminhos no terreno do que apenas aquele que estava marcado no mapa.”

Numa análise global, as contas são fáceis de fazer para o atleta: “Somando as perdas, tirava 4:45 ao meu tempo o que, observando as classificações, me iria dar o 4º lugar.” Assim, João Ferreira teve de se contentar com a 14ª posição, entre 28 atletas, com um tempo de 26:01,1. A entrada no top 15, apesar de melhorar substancialmente o resultado do europeu passado onde foi 26º classificado, não deixa o atleta de todo satisfeito: “Sei que poderia ter feito uma prova bastante melhor e bater-me em pé de igualdade com os grandes nomes Juniores da modalidade.” De referir ainda que, neste escalão, os checos Marek Pospisek e Frantisek Bogar repetiram os 1º e 2º lugares do dia de ontem, com os tempos de, respectivamente, 20:41,2 e 20:50,3. O finlandês Elmeri Juura, com 21:08,8, fechou o pódio. No sector feminino, Gaelle Barlet (França) voltou a ser a mais rápida.




Tentar rectificar na Distância Longa

Como já foi dito, Tobias Breitschadel foi o grande vencedor desta prova de Sprint, concluindo os 4,5 km de prova (21 pontos de controlo) com um registo de 19:55,0. Sem dúvida um grande feito para este austríaco que é o actual nº 8 do “ranking” mundial. Erm Tonis (Estónia) repetiu a medalha de prata da prova de Distância Média ao gastar 20:08,5, enquanto o campeão do mundo de Distância Longa, o russo Gritsan Ruslan (Rússia), terminou na 3ª posição com um registo de 20:24,8. A grande decepção veio da parte do Campeão do Mundo de Sprint e vencedor da prova de Distância Média de ontem, o dinamarquês Lasse Brun Pedersen, que hoje não foi além da 32ª posição (!) com o tempo de 23:42,8. No sector feminino, a finlandesa Ingrid Stengard afirma-se como a grande estrela destes Campeonatos. Depois da vitória de ontem na prova de Distância Média, hoje nova vitória na prova de Sprint com o tempo de 21:00,7. Na segunda posição, com 21:59,8, classificou-se uma atleta da casa, a muito aclamada Ramune Arlauskiene, cabendo o 3º lugar a outra finlandesa, a vice-campeã mundial de Distância Longa, Marika Hara, com o tempo de 22:18,2.

Analisando estes dois primeiros dias de prova, no que aos Europeus Júnior e Sénior diz respeito, importa referir que a Rússia domina em número de medalhas com 5 (1 de prata e 4 de bronze), mas o “medalheiro” mais valioso é o da República Checa, com 4 medalhas (2 de ouro e 2 de bronze). À semelhança dos checos, também finlandeses e franceses têm duas medalhas de ouro, embora a estas a Finlândia some igualmente 2 de bronze. Amanhã terá lugar a prova-rainha, com a disputa da Distância Longa. Para João Ferreira “irá ser uma prova bem mais dura fisicamente. Não é a minha distância preferida - sem duvida que estou mais à vontade na Media e no Sprint -, mas é mais uma prova em que defendo as cores nacionais. Só isso já representa um grande estímulo, e vou dar o meu melhor para tentar levar o nome de Portugal mais longe.” Estas palavras representam também, seguramente, o sentimento de Daniel Marques. Para ambos, a maior sorte do mundo é o que podemos desejar.

[confira aqui os resultados completos seniores e jovens / juniores]

Saudações orientistas.

JOAQUIM MARGARIDO
.

Sem comentários: